“Mulheres turbulentas e de má vida”

as visitantes e a dinâmica do encarceramento na Casa de Detenção do Recife (1861-1875)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.57194

Palavras-chave:

Casa de Detenção, Visitantes, Interação

Resumo

Este artigo se insere no âmbito das pesquisas que tematizam a história dos estabelecimentos prisionais existentes no Brasil na vigência do regime imperial. Aborda alguns aspectos ainda pouco explorados da complexa relação histórica que entrelaçava e conectava a sociedade e as instituições prisionais no Oitocentos, ao passo que enfatiza as interações e sociabilidades erigidas entre os detentos e as mulheres visitantes na Casa de Detenção do Recife, no contexto da gestão do administrador Augusto Rufino de Almeida (1861-1875). Pretendemos demonstrar como a contiguidade da instituição com a dinâmica da cidade e seus bulícios implicava na presença diária de visitantes na instituição que atuavam no sentido de redefinir projetos e esmaecer premissas da reforma prisional oitocentista. Por fim, problematizamos o aprendizado social acumulado por esses indivíduos a partir dessa experiência social de idas e vindas ao “mundo dos encarcerados”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aurelio de Moura Britto, Universidade Federal de Pernambuco

Aurélio de Moura Britto é doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Docente do curso de licenciatura plena em história da UNIVISA –Centro Universitário da Vitória de Santo Antão.

Referências

Arquivo Público Jordão Emerenciano (APEJE). Fundo Casa de Detenção do Recife (CDR)

Fundo CDR. Correspondências do Administrador/Diretor (4.1/3), março de 1862 – setembro de 1863.

Fundo CDR. Correspondências do Administrador/Diretor (4.1/4). janeiro de 1865 – junho de 1870.

Fundo CDR. Correspondências do Administrador/Diretor. (4.1/5), janeiro de 1865 – janeiro de 1871.

Série CDR. Vols. 02, 05, 06. 11.

Diario de Pernambuco, Recife, 20 de outubro de 1874.

O Liberal, jornal político. Recife, 21 de novembro de 1868.

O Globo. Rio de Janeiro. 05 de outubro de 1874.

AGUIRRE, Carlos. Cárcere e sociedade na América Latina, 1800-1940. In: MAIA, Clarissa Nunes; NETO, Flávio de Sá; COSTA, Marcos; BRETAS, Marcos Luiz (Orgs.). História das Prisões no Brasil. Vol. 1. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

BRITTO, Aurélio de Moura. Fissuras no ordenamento: sociabilidades, fluxos e percalços na Casa de Detenção do Recife. (1861-1875). Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, CFCH. Recife, 2014.

BRITTO, Aurélio de Moura. “Tocados da mania de escrever”: a escrita como prática de contestação e denúncia na Casa de Detenção do Recife (1861-1875). Hydra, v. 1, p. 46-77, 2016.

CARVALHO, Marcus J. M. de. De portas adentro e de portas afora: trabalho doméstico e escravidão no recife, 1822-1850. Afro-Ásia, 29/30, p. 41-78, 2003.

CUNHA, Manuela P da. Prisão e Sociedade: Modalidades de uma Conexão. In CUNHA, Manuela P. da (org.). Aquém e Além da Prisão. Cruzamentos e Perspectivas, Lisboa, Editora Noventa Graus, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 40. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

GUIMARÃES, Keila Danielle Souza. Conselho de salubridade pública de Pernambuco: um olhar médico sobre a cidade do Recife entre os anos de 1845 a 1850. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura Regional) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Letras e Ciências Humanas, Recife, 2010.

IGNATIEFF, Michael. Instituições totais e classes trabalhadoras: um balanço crítico. Revista Brasileira de História, v. 7, n. 14, p. 185-193, São Paulo, Marco Zero/Anpuh, mar.ago. 1987.

LIMA, Ana Paula da Silva; SANTOS, Maria de Fátima de Souza. A propósito da prisão e do trabalho penitenciário. Teoria Política e Social, v.1, n.1, p. 15-29, dez. 2008.

MAIA, Clarissa Nunes. A Casa de Detenção do Recife: controle e conflitos (1855-1915) In MAIA, Clarissa Nunes; NETO, Flávio de Sá; COSTA, Marcos; BRETAS, Marcos Luiz (orgs.). História das Prisões no Brasil. (Vol. 2). Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

MIRANDA, Carlos A. C. Da Polícia Médica à Cidade Higiênica. Caderno de Extensão da UFPE, Recife, v. 1, n. 1, p. 7-20, 1998.

MORAIS, Grasiela Florêncio de. A Câmara Municipal do Recife e o controle sobre as práticas cotidianas das mulheres livres, libertas e escravas na primeira metade do século XIX (1830-1850). Saeculum – Revista de História, João Pessoa, n. 25, p. 47-59, jul./dez. 2011.

PESAVENTO, Sandra J. Crime. Violência e Sociabilidades urbanas: as fronteiras da ordem e da desordem no sul brasileiro no final do século XIX. Estudos Ibero-Americanos. PUC-RS, v. XXX, n. 2, p. 27-37, dez. 2004.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. A Prisão dos ébrios, capoeiras e vagabundos no início da era republicana. Topoi, Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, p. 138-169, 2004.

SILVA, Maciel Carneiro da. Pretas de Honra: Trabalho, Cotidiano de vendeiras e criadas no Recife do século XIX (1840-1870). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, 2004.

SILVA, Maciel Henrique. Na casa, na rua e no rio: a paisagem do Recife oitocentista pelas vendeiras, domésticas e lavadeiras. Mneme: Revista de Humanidades, v.7, n.15, abr./mai. 2005.

TRINDADE, Cláudia Moraes. Ser preso na Bahia do século XIX. Tese (Doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2012.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

BRITTO, A. de M. “Mulheres turbulentas e de má vida”: as visitantes e a dinâmica do encarceramento na Casa de Detenção do Recife (1861-1875). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 175–189, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.57194. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/57194. Acesso em: 7 dez. 2021.