Diretório dos Índios entre recepções, traduções e novas operações historiográficas

Autores

  • Juciene Ricarte Apolinário Universidade Federal de Campina Grande
  • Vânia Maria Losada Moreira Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.60290

Palavras-chave:

Diretório dos Índios, Povos indígenas, Novas territorialidades, Agenciamentos

Resumo

Objetivando dar continuidade a ampliação do debate e dos estudos sobre o Diretório, priorizando novos problemas, temas, ressignificações históricas e teórico-metodológicas, apresen-tamos o dossiê “Diretório dos Índios: políticas indígenas e indigenistas na América portuguesa”. O dossiê vem reafirmar o protagonismo dos povos originários, seus enfrentamentos e agenciamentos no processo de recepção e tradução da lei do Diretório dos Índios e sua participação na formação e desenvolvimento da sociedade coloniale de seus jogos de interesses econômicos, políticos e territoriais. O público leitor terá acesso a onze artigos e estes revelam que os indígenas não estavam nem derrotados, durante o regime do Diretório, e muito menos desaparecidos da faixa costeira brasileira; eles continuavam e continuam, até os dias atuais, agenciando e construindo novos pro-cessos de territorialidades físicas e simbólicas enquanto indivíduos e coletividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juciene Ricarte Apolinário, Universidade Federal de Campina Grande

Possui graduação em História pela Universidade Estadual da Paraíba (1993), mestrado em História do Brasil pela Universidade Federal de Pernambuco (1996), doutorado em História pela Universidade Federal de Pernambuco com Bolsa da CAPES no Brasil e no Exterior ( Universidade do Porto -Portugal) e Pós-Doutorado na Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal, (Bolsa CAPES, Estágio Sênior no Exterior). Atualmente é professora Associada II da Universidade Federal de Campina Grande, PB. Professora do Programa de Pós Graduação em História da UFCG (Mestrado). 

Vânia Maria Losada Moreira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Possui graduação em História pela Universidade de Brasília (1986), doutorado em História pela Universidade de São Paulo (1995) e pós-doutorado pela Stanford University (Estados Unidos, 1999/2000) e pelo Consejo Superior de Investigación Científica (Espanha, 2016). É Professora Titular da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), do Programa de Pós-Graduação em História da UFRRJ e Pesquisadora 2 do CNPq. Atualmente, dedica-se à pesquisa em História Social e Política, com ênfase na História dos Indígenas (Brasil - séculos XVIII e XIX). 

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ALMEIDA, Rita Heloísa de. O Diretório dos Índios: um projeto de civilização no Brasil do século XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1997.

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Os akroá e outros povos indígenas nas fronteiras do sertão: Políticas indígena e indigenista no norte da capitania de Goiás, atual Estado do Tocantins. Século XVIII. Goiânia: Kelps, 2006.

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Contatos interétnicos entre povos indígenas e colonizadores no sertão da capitania Real da Paraíba, entre os séculos XVI e XVIII. In: REGO, André de Almeida; APOLINARIO, Juciene Ricarte. Novas Histórias dos povos indígenas no Brasil: territorialidades da escrita interdisciplinar indígena e não-indígena. Salvador (BA): SAGGA, 2018.

CANCELA, Francisco. Recepção e tradução do Diretório dos Índios na antiga capitania de Porto Seguro: uma análise das instruções para o governo dos índios. História Social, v. 2, n. 25, p. 43-70, 2013.

CARDOSO, Juciene Ricarte. Catálogo geral dos manuscritos avulsos e em códices referentes à história indígena no Brasil existentes no Arquivo Histórico Ultramarino. Campina Grande - PB: EDUEPB, 2016.

COELHO, Mauro Cezar. Do sertão para o mar: um estudo sobre a experiência portuguesa na América, a partir da Colônia: o caso do Diretório dos Índios (1751-1798). São Paulo, tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, 2005.

COELHO, Mauro Cezar; SANTOS, Rafael Rogério Nascimento dos. “Monstruoso systema (...) intrusa e abusiva jurisdicção”: O Diretório dos Índios no discurso dos agentes administrativos coloniais (1777-1798). Revista de História São Paulo, n. 168, p. 100-130, 2013.

CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura/Fapesp, 1992.

FARAGE, Nádia. As muralhas dos Sertões: povos indígenas no Rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

GARCIA, Elisa Frühauf. As diversas formas de ser índio. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009.

HEMMING, John. Ouro vermelho. A conquista dos índios brasileiros. São Paulo: Edusp, 2007.

LOPES, Fátima Martins. Em nome da liberdade: as vilas de índios do Rio Grande do Norte sob o diretório pombalino no século XVIII. Rio de Janeiro: PUBLIT, 2015.

MAIA, Lígio de Oliveira. Serras de Ibiapaba. De aldeia à vila de índios: vassalagem e identidade no Ceará colonial (Século XVIII). Tese (doutorado), 2010.

MARCIS, Teresinha. A integração dos índios como súditos do rei de Portugal: uma análise do projeto, dos autores e da implementação na capitania de Ilhéus, 1758-1822. Tese (doutorado) – Universidade Federal da Bahia, 2013.

MEDEIROS, Ricardo Pinto. Política indigenista do período pombalino e seus reflexos nas capitanias do norte da América Portuguesa. In: Oliveira, João Pacheco de (Org.). A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

MELIÀ, Bartolomeu. El guaraní conquistado y reducido: ensayos de etnohistoria. Assunción: Centro de Estudios Paraguayos Antonio Guash; CEPAG; Biblioteca Paraguaya de Antropología, 1988.

MONTEIRO, John Manuel (coord.). Guia de Fontes para a História Indígena e do Indigenismo em arquivos brasileiros: acervos das capitais. São Paulo, USP/FAPESP, 1994.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Reinventando a autonomia: liberdade, propriedade, autogoverno e novas identidades indígenas na capitania do Espírito Santo, 1535-1822. São Paulo: FFLCH Humanitas, 2019.

SAMPAIO, Patrícia Maria Alves de Melo. Espelhos Partidos: etnia, legislação e desigualdade na colônia. Manaus: EDUA/FAPEAM, 2012.

SILVA, Ana Paula. Arquivos: territórios indígenas. Revista Mundaú, n. 3, p. 53-51, 2017.

SILVA, Isabel Braz Peixoto da. Vilas de índios no Ceará Grande. Campinas: Pontes Editora, 2005.

SOMMER, Barbara. Negotiated settlements: native amazonians and portuguese policy in Pará, Brasil, 1758-1798. University of New Mexico, New Mexico, 2000.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

APOLINÁRIO, J. R.; MOREIRA, V. M. L. Diretório dos Índios entre recepções, traduções e novas operações historiográficas. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 281–289, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.60290. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/60290. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Diretório dos Índios: Políticas Indígenas e Indigenistas na América Portuguesa