Patrimônio e memória

um debate histórico sobre a torre do Convento Carmelita do Recife, Pernambuco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47%20(jul./dez.).62714

Palavras-chave:

Arquitetura, Pernambuco, Período Holandês, Patrimônio, Carmelitas

Resumo

O artigo toma como ponto de partida a investigação sobre a possibilidade de torre do Convento Carmelita do Recife ser um vestígio do Palácio da Boa Vista, edifício construído na Ilha de Antônio Vaz que serviu de segunda instância para o administrador Maurício de Nassau. Com a expulsão dos holandeses da América portuguesa, os carmelitas ocuparam o Palácio da Boa Vista onde fundaram uma pequena capela. Essa doação do prédio e seus arredores aos religiosos de Nossa Senhora do Carmo levantou questionamentos sobre se a torre seria a reminiscência do Palácio. Baseando-se numa gama de documentos produzidos numa longa duração, procuramos entender melhor a origem desta edificação, mas também compreender como este espaço resguarda uma pluralidade de significações memoriais que contribuem para o embate travado sobre seu uso na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Cabral Honor, Universidade de Brasília

Professor Adjunto III do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB) é orientador de mestrado e doutorado do Programa de Pós-graduação em História da UnB (PPGHIS/UnB). Orienta projetos de Iniciação Científica que envolvem arte e sociedade, além de ser coordenador do Projeto de Extensão Oficina Permanente de Paleografia. Concentra seus estudos nas áreas de História da América Portuguesa, História Cultural e Social, História da Arte e Patrimônio Histórico, trabalhando com a perspectiva da interseccionalidade.

Referências

ARAÚJO, Maria das Graças Souza Aires. Decadência e restauração da Ordem carmelita em Pernambuco (1759-1923). Tese (Doutorado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2007.

BARLÉU, Gaspar. História dos feitos recentes... Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 1940.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... v. 4. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712 - 1728.

CARDOSO, Luiz Fernandes Antonio; Joaquim Manuel Rodrigues dos SANTOS. Estado novo português e Estado novo brasileiro: afinidades e divergências nas relações com o patrimônio arquitetônico (décadas de 1930 e 1940). In: Anais do 4 Encontro Nacional Arquimemória: sobre preservação do patrimônio Edificado. Salvador, 2013.

CATÁLOGO do Acervo Cartográfico do Museu da Cidade do Recife. Recife: Fundarpe, 2019. Captado em: <https://museudacidadedorecife.org/acervo/cartografia/>. Acesso em: 05/09/2022.

COSTA, F. A Pereira da. Anais Pernambucanos. v. 4. Recife: Arquivo Público Estadual, 1952.

COSTA, F. A Pereira da. A ordem carmelitana em Pernambuco. Recife: Arquivo Público Estadual, 1976.

COUTO, Dom Domingos do Loreto. Desaggravos do Brasil e glorias de Pernambuco. Rio de Janeiro: Officina Typographica da Biblioteca Nacional, 1904.

GASPAR, Lúcia. Ponte da Boa Vista. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 2005. Captado em: <https://pesquisaescolar.fundaj.gov.br/pt-br/artigo/ponte-da-boa-vista-recife/>. Acesso em: 03/03/2022.

HONOR, André Cabral. Origem e expansão no mundo luso da observância de Rennes: a mística-militante dos carmelitas turônicos ou reformados no século XVII e XVIII. Clio – Revista de Pesquisa Histórica, v. 32, n. 1, p. 216-237, 2014a.

HONOR, André Cabral. O envio dos carmelitas à América portuguesa em 1580: a carta de Frei João Cayado como diretriz de atuação. Revista Tempo, v. 20, p. 1-19, 2014b.

HONOR, André Cabral. Santa Teresa e os fundadores: Iconologia da pintura de João de Deus e Sepúlveda na Igreja da Ordem Terceira Carmelita do Recife (Séc. XVIII). Tempo, Niterói, v. 25, n. 3, p. 555-576, 2019.

IPHAN. Instituto do patrimônio histórico e artístico nacional. Captado em: <http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/126>. Acesso em: 02/03/2022.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. São Paulo: Unicamp, 2003.

MELLO, Evaldo Cabral de. Rubro veio: o imaginário da restauração pernambucana. 3 ed. São Paulo: Alameda, 2008.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Um mascate e o Recife. Recife: Companhia Editora de Pernambuco, 1981.

MENEZES, José Luiz Mota. Atlas histórico cartográfico do Recife. Recife: Massangana, 1988.

MIRANDA, Bruno Romero Ferreira. Fortes, paliçadas e redutos enquanto estratégia d apolítica de defesa portuguesa (O caso da capitania de Pernambuco 16054-1701). Dissertação (Mestrado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2006.

PERALTA, Elsa. Abordagens teóricas ao estudo da memória social: uma resenha crítica. Arquivos da Memória, n. 2, p. 04-23, 2007.

PIO, Fernando. Histórico da Igreja de Santa Thereza ou Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo da cidade do Recife. Recife: Jornal do Commercio, 1937.

PIO, Fernando. O convento do Carmo do Recife. Recife: s.n., 1939.

ROMEIRO, Adriana; BOTELHO, Angela Vianna. Dicionário Histórico de Minas Gerais: período colonial. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

SÁ, Frei Manoel. Memórias históricas da Ordem de Nossa Senhora do Carmo da Provincia de Portugal. Lisboa Oriental: Offycina Josep. Antonio da Silva, 1727.

SILVEIRA, Marcus Marciano Gonçalves. Templos modernos, templos ao chão: a trajetória da arquitetura religiosa modernista e a demolição de antigos templos católicos no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SMITH, Robert C. Arquitetura Civil no período colonial. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 17, p. 27-126, 1969.

Downloads

Publicado

2023-02-25

Como Citar

HONOR, A. C. Patrimônio e memória: um debate histórico sobre a torre do Convento Carmelita do Recife, Pernambuco. Saeculum, [S. l.], v. 27, n. 47 (jul./dez.), p. 31–47, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47 (jul./dez.).62714. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/62714. Acesso em: 23 jul. 2024.