Representação da Crise Ambiental em Não Verás País Nenhum (1981) e O Conto da Aia (1985)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47%20(jul./dez.).62736

Palavras-chave:

História e Literatura, Antropoceno, Não verás país nenhum, O Conto da Aia

Resumo

O contexto de produção e recepção dos romances distópicos Não Verás País Nenhum (1981) de Ignácio de Loyola Brandão e O Conto da Aia (1985) de Margaret Atwood é analisado neste trabalho com o objetivo de compreender como a degradação ambiental própria da sociedade industrial capitalista é representada nas obras. De forma herética, as obras são lidas como se fizessem parte do mesmo universo ficcional, tal leitura de justifica pela relação do enredo das obras com uma história global da degradação ambiental; e pelos elementos do contexto histórico que entrelaçam a produção das narrativas. Desta forma, apesar das obras analisadas serem produzidas e recebidas em espaços de experiencia diferentes, convergem para um mesmo horizonte de expectativa marcado pelas consequências da degradação ambiental em nível global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alfredo Ricardo Silva Lopes, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor adjunto da Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal de Santa Catarina. Possui Graduação, Mestrado e Doutorado (com período do Programa do Doutorado Sanduíche no Exterior realizado no Rachel Carson Center/Ludwig-Maximilians-Universität München) em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Letras da UFMS. Realiza pesquisas na área de Ensino de História, Educação do Campo, História Ambiental, Crise Ambiental e Antropoceno. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Escola do Campo e Agroecologia (GECA-UFSC) e do Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental (LABIMHA - UFSC).

Referências

ARISTÓTELES. Arte Poética. Kindle: Domínio Público, 2005.

ATWOOD, Margaret. O Conto da Aia. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São. Paulo: Perspectiva, 2002.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: 34, 2010.

BITTENCOURT, Renato Nunes. As utopias negativas e a normatividade da disciplina social. Revista de Ciência Política Achegas, n. 43, p. 63-80, 2010.

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Não Verás País Nenhum. São Paulo: Editora Global, 2012.

BUELL, Lawrence. The Environmental Imagination: Thoreau, Nature Writing, and the Formation of American Culture. Cambridge, Mass: Cambridge University Press, 1995.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: Ouro sobre azul, 2010.

CHAKRABARTY, Dipesh. O clima da história: quatro teses. Sopro, n. 91, p. 04-22, 2013.

COSTA LIMA, Luiz. História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CRONON, Willian. Un lugar para relatos: naturaleza, historia y narrativa. In: PALACIO, G; ULLOA, A. Repensando la naturaleza: Encuentros y desencuentros disciplinarios en torno a lo ambiental. Bogotá, Colombia: Universidad Nacional de Colombia-Sede Leticia; Instituto Amazónico de Investigaciones Imani; Instituto Colombiano de Antropología e Historia; Colciencias, 2002, p. 29-65.

CRUTZEN, Paul J.; STEFFEN, Will. How long have we been in the Anthropocene era? Climatic Change, n. 61, p. 251-257, 2003.

FOGG, Walter L. Technology and dystopia. In: RICHTER, Peyton E. (ed.). Utopia/dystopia? Cambridge: Schenkman, 1975, p. 68.

GINWAY, M. E. Ficção científica brasileira: mitos culturais e nacionalidade no país do futuro. São Paulo: Devir, 2005.

GOUVEIA, Saulo. O Catastrofismo Ecodistópico: perspectivas do Brasil e da América do Norte. Revista Moara. Edição 48. Estudos Literários, p. 36-56, 2017.

JAUSS, Hans R. A história da literatura como provocação à teoria literária. São Paulo: Ática, 1994.

KETTERER, David. Margaret Atwood's "The Handmaid's Tale": A Contextual Dystopia. Science Fiction Studies, vol. 16, n. 2, p. 209-217, 1989.

KOPP, Rudnei. Comunicação e mídia na literatura distópica de meados do século 20: Zamiatin, Huxley, Orwell, Vonnegut e Bradbury. Tese (Doutorado em Comunicação Social). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2011

KUMAR, Krishan. Utopia and anti-utopia in modern times. Oxford: Basil Blackwell, 1987.

LESSA, Sergio; TONET, Ivo. Introdução a Filosofia de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

LOPES, Alfredo Ricardo Silva; SILVA, Franco Souza Alves. O Regime de Historicidade Distópico: tempo e natureza em Não Verás País Nenhum de Ignácio de Loyola Brandão. Territórios e Fronteiras (UFMT. Online), vol. 13, p. 194-217, 2020.

LUKÁCS, Georg. A Teoria do Romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2002.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MCNEILL, John Robert. Something New Under the Sun: an environmental history of the twentieth-century world. New York: W. W. Norton & Co., 2003.

MORENO TRUJILLO, María Paulina. El Cuento de la Criada, los Símbolos Y Las Mujeres en la Narración distópica. Escritos 24, n. 52, p. 185-211, 2016.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

PADUA, José Augusto. As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, p. 81-101, 2010.

RIGBY, Kate. Ecocriticism. In: WOLFREYS, Julian (org.). Introducing Criticism at the Twenty-First Century. Edinburgh: Edinburgh UP, p. 151-178.

SILVA, Franco Santos Alves da. O Lado Escuro: As narrativas distópicas na obra do Pink Floyd (1973-1982). Tese (Doutorado em História). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

WILLIAMS, Raymond. George Orwell. In: Cultura e sociedade (1780-1950). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969, p. 295-304.

WILLIAMS, Raymond. Orwell. In: A política e as letras. São Paulo: Unesp, 2013, p. 393-401.

WILLIANS, Raymond. Marxismo e Literatura. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

WORSTER, D. Transformações da terra: para uma perspectiva agroecológica na História. Ambiente & Sociedade, Vol. V - no 2 - 2002 - Vol. VI - no 1 – 2003, p. 23-44.

Downloads

Publicado

2023-02-25

Como Citar

LOPES, A. R. S. Representação da Crise Ambiental em Não Verás País Nenhum (1981) e O Conto da Aia (1985). Saeculum, [S. l.], v. 27, n. 47 (jul./dez.), p. 139–152, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47 (jul./dez.).62736. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/62736. Acesso em: 24 jun. 2024.