Mãos e traços na parede

os baixos-relevos em um contexto de escravidão como subsídios ao estudo da trajetória, da presença e da lembrança africana, Ouro Preto/MG (séculos XVIII-XIX)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2023v28n49.67054

Palavras-chave:

Baixos-relevos, Espaço Doméstico, Ouro Preto/MG, Rua Direita

Resumo

Durante uma reforma iniciada em um sobrado localizado na Rua Direita do município de Ouro Preto/MG, dezenas de gravuras inscritas em um painel de argamassa terrosa foram encontradas em um espaço associado pelos veículos de informações como o antigo porão da residência. Como foi possível notar, tais conjuntos de gravuras do subsolo tratam-se de figurações análogas à “cenas africanas”, compostas por baixos-relevos e grafites antropomorfos, zoomorfos, zooantropomorfos e fitomorfos peculiares ao que se tem registrado e produzido acerca do cotidiano em Vila Rica setecentista e oitocentista. Com esta proposta, pretendo expor o andamento inicial de minha pesquisa de Doutorado, a qual corresponde ao estudo arqueológico dos respectivos desenhos e da casa em que se encontram. No entanto, centrarei aqui na exposição dos primeiros passos da pesquisa, baliza que abrangerá a produção da primeira vetorização do painel e as procedências de grupos étnicos de escravizados e forros que estiveram habitando algumas da unidades domésticas da Rua Direita entre os séculos XVIII e XIX. Portanto, agentes que sobreviveram aos violentos processos da diáspora e que possam ser vinculados à autoria destes ricos e diversos desenhos incisos, aludindo ou não a possíveis lembranças da vida no distante continente africano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Lopes Villaça Klink, Universidade Federal de Minas Gerais

Leonardo Lopes Villaça Klink é doutorando e mestre em Arqueologia pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGAn/UFMG). Pós-Graduado em História da África e da Diáspora Atlântica pelo Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN). Graduado em História pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG).

Referências

Fontes

ARQUIVO HISTÓRICO DO MUSEU DA INCONFIDÊNCIA. Inventário post-mortem de Caetano Francisco da Costa. CX: 29, DOC.: 328, Ano: 1788. Acervo do Arquivo Histórico do Museu da Inconfidência.

ARQUIVO HISTÓRICO DO MUSEU DA INCONFIDÊNCIA. Notificação Francisca Custódia do Pillar (autor). CX: 422, DOC.: 8487, Ano: 1793. Acervo do Arquivo Histórico do Museu da Inconfidência.

ARQUIVO HISTÓRICO DO MUSEU DA INCONFIDÊNCIA. Inventário post-mortem de Francisca Custódia do Pillar. CX: 48, DOC.: 585, Ano: 1844.

ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO. Parte do livro 1° de cobrança de foros de toda a freguesia de Vila Rica, constando nome das ruas, moradores e respectivos valores. CMOP, caixa: 86, Doc.: 40, Acervo: Câmara Municipal de Ouro Preto.

BURTON, Richard F. A mission to Gelele, King of Dahome. Vol. II, London, 1864.

CASA DOS CONTOS. Décima Predial de Vila Rica. Volume: 0368, Rolo: 037, Fotograma: 0268, Ano: 1820. Documento Microfilmado do acervo da Casa dos Contos – Ouro Preto/MG.

CEDEPLAR, POPLIN-MINAS 1830. Lista Nominativa da Comarca de Ouro Preto. Ano: 1838.

MATHIAS, Herculano Gomes. Um recenseamento na Capitania de Minas Gerais: Vila Rica, 1804. Arquivo Nacional, 1969.

RUGENDAS, Moritz. Malerische reise in brasilien. Paris, 1835.

VASCONCELOS, Salomão de. Como nasceu Ouro Preto – sua formação cadastral desde 1712. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, n. 12, p. 171-232, 1955.

Bibliografia

AGOSTINI, Camilla. Cachimbos de escravos e a reconstrução de identidades africanas no Rio de Janeiro, século XIX. Monografia (Graduação em Arqueologia). Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá, 1997.

AGOSTINI, Camilla. Cultura material e experiência africana no sudeste oitocentista: cachimbos de escravos em imagens, histórias, estilos e listagens. Topoi, vol. 10, n. 18, p. 39-47, 2009.

BLIER, Suzanne Preston. Faces of iron: media, meaning and masnking in Danhomé. Annual Bulletin published by the Association of the Friends of the Barbier-Mueller Museum, p. 19-41, 1991.

CASTRO, Adler Homero Fonseca de. Navios, museus e a resistência negra: o Quilombo da Cabaça como estudo de caso. In: Anais do Museu Histórico Nacional, vol. 1, Rio de Janeiro, 2006, p. 47-69.

COSTA, Simona. Economia, sociedade e urbanização em Minas Gerais (séculos XVIII-XIX): Vila Rica, futura Ouro Preto, e a sua rua principal. Dissertação (Mestrado em História). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2017.

FARIAS, Juliana Barreto; SOARES, Mariza de Carvalho. De gbe a iorubá: os pretos Minas no Rio de Janeiro, séculos XVIII-XX. Revista África(s), vol. 4, n. 8, p. 46-62, 2017.

GUIMARÃES, Carlos Magno; LANNA, Ana. Arqueologia de quilombos em Minas Gerais. Revista de Antropologia, n. 31, p. 23-28, 1980.

GUIMARÃES, Carlos Magno. Esclavitud, Rebeldia y Arte. In: LEWIS, Roy Querejazu. Arte Rupestre Colonial y Republicano de Bolivia y Paises Vencidos. La Paz, n. 1, p. 212-219, 1992.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

KLINK, Leonardo L. V. O que a Arquitetura Mascara? uma arqueologia da compartimentação, da vigilância e dos aspectos de concessão e restrição à circulação no Solar dos Ferreiras, Campanha/MG (século XIX). Dissertação (Mestrado em Antropologia). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2023.

LUNA, Francisco Vidal; COSTA, Iraci del Nero da. Algumas características do contingente de cativos em Minas Gerais. In: LUNA, Francisco Vidal; COSTA, Iraci del Nero da; KLEIN, Herbert S. (orgs.). Escravismo em São Paulo e Minas Gerais. São Paulo: EDUSP: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009, p. 17-32.

MARINGONI, Gilberto. O menino de Rugendas, da parede ao espaço virtual: o que muda no desenho de humor? História: Debates e Tendências, vol. 16, n. 2, p. 378-392, 2016.

MARTÍNEZ-RUIZ, Bárbaro. Kongo graphic writing and other narratives of the sign. Philadelphia: Temple University Press, 2013.

MIGUEL, María Lidón; JOFFROY, Thierry; MILETO, Camilla; VEGAS, Fernando. Burkina Faso through its traditional architecture: a century of research on built vernacular heritage. Heritage, vol. 5, p. 2370-2393, 2022.

MUDGE, Mark. et al. New Reflection Transformation Imaging Methods for Rock Art and Multiple-Viewpoint Display. In: 7th International Symposium on Virtual Reality, Archaeology and Cultural Heritage, 2006, p. 01-8.

MYTUM, Harold; PETERSON, J. R. The Application of Reflectance Transformation Imaging (RTI) in Historical Archaeology. Hist Arch, vol. 52, p. 489-503, 2018.

NAVARRO, Y. Hernández; DATO, Pasquale de; LAHOZ, Ana Langa. Disturbances in vernacular architecture of Togo’s rural settlements. The International Archives of the Photogrammetry, Remote Sensing and Spatial Information Sciences, vol. XLIV-M-1, p. 761-766, 2020.

OLIVEIRA, Gabriel Pereira de. et al. O potencial da imagem na Arqueologia: da tecnologia a democratização de saberes. In: Anais do XXVI Congresso de Iniciação Científica da UFPEL, 2017, p. 01-04.

PAIVA, Eduardo França. Por meu trabalho, serviço e indústria: histórias de africanos, crioulos e mestiços na Colônia – Minas Gerais, 1716-1789. Tese (Doutorado em História). São Paulo: Universidade de São Paulo, 1999.

PAIVA, Eduardo França. Dinâmicas de mestiçagens: circulação do léxico da escravidão e das mestiçagens. In: PAIVA, Eduardo França; PEREIRA, Josenildo de Jesus; SILVA, Rodrigo Caetano; ROLAND, Samir Lola (orgs.). Reescrevendo Histórias do Brasil: conexões e dinâmicas internas no Centro-Norte (séculos XVIII e XIX). Belo Horizonte: Caravana, 2023, p. 253-263.

PARÉS, Luis Nicolau. O rei, o pai e a morte: a religião vodum na antiga Costa dos Escravos na África Ocidental. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

PIQUÉ, Francesca; RAINER, Leslie H. Palace Sculptures of Abomey: History Told on Walls. 1999.

RANGEL, Ana Paula dos Santos. Aspectos da demografia escrava em Vila Rica – 1755-1815. In: Anais do I Colóquio do LAHES. 2005, s./p.

REZENDE, Rodrigo Costa. As “Nossas Áfricas”: população escrava e identidades africanas nas Minas setecentistas. Dissertação (Mestrado em História). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

RIRIS, Philip; CORTELETTI, Rafael. A New Record of Pre-Columbiam Engravings in Urubici (SC), Brazil using Polynomial Texture Mapping. Internet Archaeology, n. 38, 2015.

RODRIGUES, Aldair. Quem eram as negras e os negros Minas da Capitania de Minas Gerais no século XVIII? In: RODRIGUES, Aldair; LIMA, Ivana Stolze; FARIAS, Juliana Barreto. (orgs.). A diáspora Mina: africanos entre o golfo do Benim e o Brasil. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2020, p. 323-358.

SCHWARCZ, Lilia M; GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da Escravidão e Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SOARES, Mariza de Carvalho. Devotos da cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

SOUZA, Marcos André Torres de; AGOSTINI, Camilla. Body Marks, Pots and Pipes: Some Correlations between African Scarifications and Pottery Decoration in Eighteenth and Nineteenth-Century Brazil. Historical Archaeology, vol. 46, n. 3, p. 102-123, 2012.

SYMANSKI, Luís Cláudio P. Engenho Bom Jardim: cultura material e dinâmica identitária de uma comunidade escravizada no Mato Grosso. Vestígios – Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, vol. 7, n. 1, p. 23- 72, 2013.

Downloads

Publicado

2024-02-28

Como Citar

KLINK, L. L. V. Mãos e traços na parede: os baixos-relevos em um contexto de escravidão como subsídios ao estudo da trajetória, da presença e da lembrança africana, Ouro Preto/MG (séculos XVIII-XIX). Saeculum, [S. l.], v. 28, n. 49, p. 263–283, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2023v28n49.67054. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/67054. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Deslocamentos e territorializações no Império português (XVI-XIX)