Pelos caminhos dos sertões

comércio de africanos escravizados para os sertões das Capitanias do Norte (Paraíba e Rio Grande, na primeira metade do Século XVIII)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2023v28n49.67399

Palavras-chave:

Sertões, Capitanias do Norte, Comércio de escravizados, Século XVIII

Resumo

Durante muito tempo, não houve estudos sistematizados sobre a escravidão nos sertões das Capitanias do Norte, aceitando-se a ideia de que ou não haveria escravizados ou a sua quantidade era insignificante para uma análise detalhada. Nas últimas décadas, porém, novas pesquisas têm demonstrado além da existência da escravidão no sertão, a presença de africanos como escravizados, isso porque, com o avanço da colonização portuguesa para o interior, o sistema escravista e o comércio de africanos se expandiram para a zona pecuária, constituindo parte importante da força de trabalho utilizada. Ora, se havia população africana no interior, como essas pessoas chegavam? Quais eram as redes de negócios de escravizados existentes entre o litoral e o sertão? Este trabalho tem como objetivo demonstrar como se dava a venda de africanos para o sertão das capitanias da Paraíba e Rio Grande, na primeira metade do século XVIII. Dessa forma, é possível identificar as articulações atlânticas construídas que permitiram a reorganização da escravidão e exemplificar a complexidade e capilaridade do tráfico atlântico de escravos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Silveira Guimarães, Prefeitura Municipal de João Pessoa

Matheus Silveira Guimarães é doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduado em História por esta mesma instituição. Também é Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Atualmente, é professor da Rede Municipal de Ensino de João Pessoa.

Referências

Fontes manuscritas

Arquivo do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano (AIHGP)

Livro Novo da Ouvidoria da Paraíba (LO)

- Arquivo Histórico Ultramarino (AHU) – Paraíba

AHU _CU_014, Cx. 1, D. 95

AHU_CU_014, Cx. 4, D. 310

AHU_CU_014, Cx. 5, D. 360

AHU_CU_014, Cx. 15, D. 1277

- Arquivo Histórico Ultramarino (AHU) – Pernambuco

AHU_CU_015, Cx. 43, D. 3927

AHU_CU_015, Cx. 79, D. 6567

- 1º Cartório de Caicó

Inventário de Crispim de Andrade (1737);

Inventário de Diogo Pereira da Silva (1754);

Inventário de Antônio Garcia de Sá (1755);

Inventário de Inez Maria da Conceição (1755);

Inventário de Pedro de Andrade Bezerra (1757)

- Cartório I Ofício de Notas Coronel João Queiroga (CCJQ) – Pombal - PB

Livros de Notas (LN): 1719-1725; 1725-1730; 1730 (1); 1730 (2); 1738-1740;1740-1742;744;1747-1750

- Fórum Promotor Francisco Nelson da Nóbrega (FPFNN) – Pombal - PB

Inventário de Eugênia dos Milagres (1734);

Inventário de Domingos Pinto Bandeira (1736);

Inventário de Manoel Ferreira Velho (1737);

Inventário de Manoel Pereira Lima (1745);

Inventário de Antônio Cardoso de Sousa (1748);

Inventário de José Alves de Morais (1748)

Fontes impressas

PINTO, Irineu. Datas e notas para a história da Paraíba. João Pessoa: Universitária/UFPB, 1977

SALVADOR, Frei Vicente do. História do Brasil. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2010

SILVA, Antônio de Morais; BLUTEAU, Rafael. Diccionario da lingua portugueza composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado, e accrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro. Lisboa: Na Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1789

Fontes digitais

Missão de Pesquisas Folclóricas de Mário de Andrade. Centro Cultural São Paulo. Disponíevl em: https://acervoccsp.art.br/missao-de-pesquisas-folcloricas-de-mario-de-andrade/reid-de-congo/?order=ASC&orderby=date&perpage=48&taxquery%5B0%5D%5Btaxonomy%5D=tnc_tax_125861&taxquery%5B0%5D%5Bterms%5D%5B0%5D=5594&taxquery%5B0%5D%5Bcompare%5D=IN&pos=0&source_list=collection&ref=%2Fmissao-de-pesquisas-folcloricas-de-mario-de-andrade%2F

Acesso em 05 de julho de 2023

Bibliografia

ABREU, Capistrano de. Capítulos de História Colonial. São Paulo: Publifolha, 2000.

ABREU, Wlisses Estrela de Albuquerque. Senhores e escravos do sertão: espacialidades de poder, violência e resistência,1850-1888. Dissertação (Mestrado em História). Campina Grande: Universidade Federal de Campina Grande, 2011.

ALVES, Solange Mouzinho Parentescos e sociabilidades: experiências familiares dos escravizados no sertão paraibano (São João do Cariri), 1752- 1816 Dissertação (Mestrado em História). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2015.

ANDRADE, Mário. Danças dramáticas do Brasil (org. Oneida Alvarenga). São Paulo: Itatiaia/Instituto Nacional do Livro/Fundação Nacional Pró-Memória, 1982.

ANDRADE, Mário. Turista aprendiz. Brasília, DF: Iphan, 2015.

ARMITAGE, David. Três conceitos de história atlântica. História Unisinos. vol. 18, n. 2, p. 206-217, 2014.

BAYLIN, Bernard. The Idea of Atlantic History. Itinerario. V. XX, n.1, 1996.

BENJAMIN, Roberto. Festa do Rosário de Pombal. João Pessoa: UFPB/Editora Universitária, s/d;

BENJAMIN, Roberto. Congos da Paraíba. Rio de Janeiro: Fundação Nacional de Arte-FUNART, 1977.

CANNY, Nicholas. Atlantic History: what and why? European Review, vol. 9, n .4, p. 399-411, 2001.

CAVALCANTE, Eduardo de Queiroz. Tecendo redes, construindo laços de solidariedade: a formação de famílias negras, a prática do compadrio e a morte de escravizados e libertos no cariri paraibano (São João do Cariri/1850-1872). Dissertação (Mestrado em História). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2015.

CRUZ, Carlos Henrique Alves da. Tapuias e mestiços nas aldeias e sertões do Norte: conflitos, contatos e práticas ‘religiosas’ nas fronteiras coloniais (168-1761). Tese (Doutorado em História). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2018.

FORMIGA, Mayara Millena Moreira. Nas veredas do sertão colonial: o processo de conquista e formação de elites locais no sertão de Piranhas e Piancó (Capitania da Parahyba do Norte, c. 1690-c. 1772). Dissertação (Mestrado em História). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2013.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Publifolha, 2000.

GALLIZA, Diana Soares de. O declínio da Escravidão na Paraíba (1850-1888). João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 1979.

GOULART, José Alípio. O ciclo do couro no Nordeste. Rio de Janeiro: Edições SAI, 1966.

GUIMARÃES, Matheus Silveira. Dos escravos que vão por mar e por terra: o comércio Atlântico de escravos para as Capitanias do Norte e sua dinâmica interna (c1654-c1760). Tese (Doutorado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2022.

HALL, Gwendolyn Midlo. Cruzando o Atlântico: etnias africanas nas Américas. Topoi, vol. 6, n. 10, p. 29-70, 2005.

HALL, Gwendolyn Midlo. Escravidão e etnias africanas nas Américas: restaurando os elos. Petrópolis: Vozes, 2017.

JOFFILY, Irineu. Notas sobre a Parahyba. Edição fac-similar de 1892. Rio de Janeiro: Editora Tesouros, 1977.

LAW, Robin, Etnias de africanos na diáspora: novas considerações sobre os significados do termo mina. Tempo, vol. 20, p. 20-120, 2005.

LOPES, Michele Soares. Escravidão na Vila do Príncipe: província do Rio Grande do Norte (1850-1888). Dissertação (Mestrado em História). Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2011.

LOPES, Michele Soares. scravismo e liberdade na ribeira do Seridó (1792-1814) In: MACEDO, Helder Alexandre Medeiros; SANTOS, Rosenilson da Silva (orgs.). Capitania do Rio Grande: histórias e colonização na América portuguesa. João Pessoa: Ideia; Natal: EDUFRN, 2013, p. 247-263.

MACEDO, Muirakytan K. de. Notas sobre a escravidão nos sertões do semiárido (Seridó, XVIII-XIX). In: MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de; ANDRADE, Joel Carlos de Souza (orgs). Experiências históricas afro-brasileiras. Natal: Edufrn, 2017, p. 11-38.

MACEDO, Muirakytan K. de. Rústicos cabedais: Patrimônio e cotidiano nos sertões da pecuária (Seridó – século XVIII). Natal: Sol Negro Edições, 2021.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. “Fregueses da Freguezia da Vila Nova do Príncipe, d’onde sempre foram”: identidades territoriais no Seridó. In: MACEDO, Helder Alexandre Medeiros; SANTOS, Rosenilson da Silva (orgs). Capitania do Rio Grande: histórias e colonização na América portuguesa. João Pessoa: Ideia; Natal: EDUFRN, 2013, p. 265-287.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. Aspectos da escravidão do Seridó em documentos históricos. In: CAVIGNAC, Julie; MACÊDO, Muirakytan K. de (orgs.). Tronco, ramos e raízes! história e patrimônio cultural do Seridó negro. Natal: Edufrn, 2016, p. 257-291.

MACHADO, Maximiano Lopes. História da Província da Paraíba. João Pessoa: Universitária/. UFPB, 1977.

MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser Escravo no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

MELO, Felipe Souza. O negócio de Pernambuco: financiamento, comércio e transporte na segunda metade do século XVIII. Dissertação (Mestrado em História). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2013.

MELLO, Evaldo Cabral de. Ferida de Narciso: ensaio de história regional. São Paulo: SENAC, 2001.

MELLO NETO, José Antônio Gonsalves de. Nobres e Mascates na Câmara do Recife, 1713-1738. Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, v. LIII, 1981.

MILLER, Joseph Calder. Way of death: Merchant capitalism and the Angolan slave trade (1730-1830). Madinson: University of Visconsin Press, 1988.

MORAES, Ana Paula da Cruz Pereira de. Em Busca da Liberdade: os escravos no Sertão do Rio Piranhas (1700-1750). Dissertação (Mestrado em História). Campina Grande: Universidade Federal de Campina Grande, 2009.

MORAES, Ana Paula Cruz Pereira de. Entre mobilidades e disputas: o sertão do rio Piranhas, capitania da Paraíba, 1670-1750. Tese (Doutorado em História). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2015.

MOTT, Luiz. Piauí Colonial: população, economia e sociedade. Teresina: Projeto Petrônio Portella, 1985.

MOURA, CLÓVIS. Rebeliões da Senzala: Quilombos, insurreições, guerrilhas. 5ª edição. São Paulo: Fundação Maurício Grabois/Anita Garibaldi, 2014.

NOGUEIRA, Gabriel Parente. Às margens do Império: a pecuária de carnes salgadas e o comércio nos portos da porção oriental da costa leste-oeste da América portuguesa nas dinâmicas de um império em movimento (século XVIII). Tese (Doutorado em História). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2021.

NOVAIS, Fernando A. Portugal e Brasil na crise do antigo Sistema Colonial (1777-1808). São Paulo: Editora Hucitec, 1989.

O GLOBO, Missão de Mário de Andrade: uma viagem pela cultura popular inspirada nas pesquisas do escritor. Disponível em https://oglobo.globo.com/cultura/livros/missao-mario-de-andrade-uma-viagem-pela-cultura-popular-inspirada-nas-pesquisas-do-escritor-16495442. Acesso em 05 de julho de 2023.

PALACIOS, Guillermo. Campesinato e Escravidão no Brasil: agricultores livres e pobres na Capitania Geral de Pernambuco (1700-1817). Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

PRADO JÚNIOR, Caio Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Publifolha, 2000.

PUNTONI, Pedro. A guerra dos Bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão do nordeste do Brasil (1650-1720). São Paulo: Hucitec, EDUSP, Fapesp, 2002.

RUSSEL-WOOD, A.J. Sulcando os mares: um historiador do império português enfrenta a “Atlantic History”. Revista de História, vol. 28, n.1, p. 17-70, 2009.

RUSSEL-WOOD, A.J. Histórias do Atlântico português – São Paulo: Editora Unesp, 2014.

SCHWARTZ, Stuart. Prata, açúcar e escravos: de como o império restaurou Portugal. Revista Tempo, vol. 24, p. 201-223, 2008.

SEIXAS, Wilson. O velho arraial de Piranhas (Pombal) no centenário de sua elevação a cidade. João Pessoa: A Imprensa, 1961.

SEIXAS, Wilson. Pesquisas para a história do sertão da Paraíba. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano. João Pessoa, n. 21, p. 51-84, 1975.

SILVA, Kalina Vanderlei P. 'Nas Solidões Vastas e Assustadoras'- Os pobres do açúcar e a conquista do sertão de Pernambuco nos séculos XVII e XVIII. Tese (Doutorado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2003.

SILVA, Suelen de Andrade. Sob os holofotes do patrimônio: entre histórias, identidades e políticas na Festa do Rosário de Pombal/PB. Dissertação (Mestrado em História). Rio de Janeiro: IPHAN, 2017.

SOUZA, George F. C. de. Tratos e mofatras: o grupo mercantil do Recife colonial (c. 1654 - c. 1759). Recife: Editora Universitária UFPE, 2012.

SOUZA, Laura de Mello e. Formas provisórias de existência: a vida cotidiana nos caminhos, nas fronteiras e nas fortificações. In: História da Vida Privada no Brasil - 1: cotidiano e vida privada na América Portuguesa. São Paulo: Companhia de Bolso, 2018

STABEN, Ana Emília. Negócio dos escravos: comércio de cativos entre a Costa da Mina e a capitania de Pernambuco (1701-1759). Dissertação (Mestrado em História). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2008.

STUDART FILHO, Carlos. Vias de comunicação do Ceará colonial. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, vol. 51, p. 15-47, 1937.

Downloads

Publicado

2024-02-28

Como Citar

GUIMARÃES, M. S. . Pelos caminhos dos sertões: comércio de africanos escravizados para os sertões das Capitanias do Norte (Paraíba e Rio Grande, na primeira metade do Século XVIII). Saeculum, [S. l.], v. 28, n. 49, p. 187–208, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2023v28n49.67399. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/67399. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Deslocamentos e territorializações no Império português (XVI-XIX)