De ‘aprendiz de Antropóloga’ a “tia”

o ensino antropológico a partir de textos literários

  • Carla Figueiredo Marinho Universidade Federal do Pará - Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia

Resumo

O presente texto é resultado da experiência que vivencie enquanto professora de redação para alunos do Ensino Fundamental II, numa rede educacional e confessional na cidade de Belém ⁄ Pará, nos anos de 2012 e 2013. Embora minha experiência não esteja atrelada a um projeto de extensão universitária, entendo-a como uma ação “extramuros”, uma vez que busquei trazer para ‘minha’ sala de aula discussões das ciências sociais e áreas afins com o recorte regional. A dupla habilitação em Ciências Sociais e Letras me possibilitou maior destreza no momento de elencar os textos de autores paraenses – Inglês de Souza, Eneida de Moraes, Dalcídio Jurandir, Bruno de Menezes – que foram cuidadosamente digitados por mim. A experiência resultou: na leitura para além da estética textual, uma vez que as narrativas despertaram outras narrativas memorialísticas que sutilmente dialogaram com teóricos das Ciências Sociais, além e diria principalmente de visibilizar a rica produção literária paraense.

Biografia do Autor

Carla Figueiredo Marinho, Universidade Federal do Pará - Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará - UFPA

Graduada em Letras pela Escola Superior da Amazônia - ESAMAZ

Especialista em Planejamento e Desenvolvimento de Áreas Amazônicas - FIPAM - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos

Mestre em Antropologia - Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia - UFPA

Doutoranda Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia - UFPA

 

Referências

ÁLVARES, Maria Luzia Miranda. Saias, laços e ligas: construindo imagens e lutas: um estudo sobre as formas de participação política e partidária das mulheres paraenses. Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso Internacional de Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA/Universidade Federal do Pará – UFPA, 1990.

CONRAD, Joseph. O coração das trevas. Tradução: Luciano Alves Meira. São Paulo: Martins Claret, 2006.

FERNANDES, FLORESTAN. A função social da guerra na sociedade tupinambá. Prefácio: Roque Barros Laraia – 3ª edição – São Paulo: Globo, 2006.

GADAMER, Hans-George. Verdade e Método II. São Paulo: Editora Vozes, 2002.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2005.

JURANDIR, Dalcídio. Chove nos Campos de Cachoeira. 3ª Ed. Belém: Cejup, 1991. 294p. Corrigida

MARINHO, Carla Figueiredo. ENEIDA de Moraes para mulheres, sobre mulheres, a mulher ‘Dita’: contornos da imagem do feminino em Eneida, “a escritora que veio do Pará”. Dissertação de mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia – PPGSA da Universidade Federal do Pará – UPFPA, 2016, p, 220.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. Religião e medicina popular na Amazônia: A etnografia de um romance. Revista ANTHOPOLÓGICAS, ano 11, volume 18 (2): 153-182, 2007. http://www.revista.ufpe.br/revistaanthropologicas/index.php/revista/article/view/146/13

MENEZES, Bruno de. Batuque. Belém: [s.n], 2005. 113p.

MORAES. Eneida de. Aruanda – Banho de Cheiro. Ed. Especial. Belém: Cejup⁄Secult, 1997. 306p.

MUZART. Zahidé Lupinacci. A questão do cânone. In: Coleção ensaios brasileiros contemporâneos. (Org.) Carla Rodrigues, Luciana Borges e Tânia Regina Oliveira Ramos. Rio de Janeiro: Furnarte, 2016. 504 p.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 20, n. 42, p.377- 391, jul./dez.2014.

SANTOS, Eunice Ferreira dos. Eneida memória e militância política. 1ª Ed. Belém: GEPEM, 2009

SOUSA, Inglês de. Contos Amazônicos. São Paulo: Editora Martin Claret, 2005. 142p.

Publicado
2020-03-05
Seção
Dossiê Campos de extensão universitária na antropologia brasileira