Atravessando o “Corredor Polonês”: interdições e superação nas trajetórias das docentes do Instituto de Matemática da UFBA

Autores

  • Márcia Barbosa de Menezes

Resumo

A criação do Instituto de Matemática e Física da Universidade da Bahia (IMF) se deveu fundamentalmente à articulação de duas jovens mulheres que resolveram modernizar o ensino de matemática no Estado da Bahia: Arlete Cerqueira Lima e Martha Maria de Souza Dantas, que provocaram fraturas de gênero nas estruturas petrifi cadas do ensino matemático baiano criando um Instituto que, de modo inusitado, manteve de 1960 a meados de 2002 um corpo docente marcadamente feminino. Este artigo relata e analisa as trajetórias de algumas dessas mulheres pioneiras que consolidaram a obra de Arlete e Martha, destacando seus relatos quanto à educação familiar que receberam, fundamentada em estereótipos de gênero quanto à educação das mulheres, a “vocação” para a Matemática e os aspectos de suas carreiras acadêmicas construídas entre o ensino e a pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-21

Como Citar

BARBOSA DE MENEZES, M. Atravessando o “Corredor Polonês”: interdições e superação nas trajetórias das docentes do Instituto de Matemática da UFBA. Revista Ártemis, [S. l.], v. 20, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/27041. Acesso em: 21 mar. 2023.

Edição

Seção

Mulheres, ciência e tecnologia