Clodovis, Bornays e Deners: uma análise da “cruzada moral” contra os trejeitos e faceirices na televisão brasileira da ditadura militar

Autores

  • Thiago Barcelos Soliva

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2017v23n1.35782

Resumo

A partir da noção de “guerras sexuais” de Rubin (1984), analiso neste artigo algumas tensões e disputas relacionadas à construção de significados sobre convenções de gênero e sexualidade em um contexto de florescimento de dois fenômenos televisivos no Brasil, os programas de auditório e as novelas. Duas trajetórias serão examinadas: a do costureiro Dener, cuja participação no Programa Flávio Cavalcanti gerou debates sobre o seu “modo de ser”, e de Claudia Celeste, considerada a primeira “travesti” a fazer novela no Brasil. Busco analisar a relação instável desses sujeitos com esta tecnologia, a qual, no contexto da ditadura, contribuía para a produção de significados ambivalentes sobre essas performances: considerada como exótica, portanto estimulada pelo mercado de bens culturais, e, ao mesmo tempo, perigosa, em função dos supostos efeitos tóxicos à moral que poderia acarretar. Os dados que deram origem a este texto foram obtidos junto à fontes orais e material jornalístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-08-21

Como Citar

SOLIVA, T. B. Clodovis, Bornays e Deners: uma análise da “cruzada moral” contra os trejeitos e faceirices na televisão brasileira da ditadura militar. Revista Ártemis - Estudos de Gênero, Feminismos e Sexualidades, [S. l.], v. 23, n. 1, 2017. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2017v23n1.35782. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/35782. Acesso em: 1 ago. 2021.

Edição

Seção

Crise de paradigmas tradicionais: masculinidades oscilantes, novos conceitos