Casada consigo mesma: mulheres palhaças e a busca de uma comicidade feminista

Autores

  • Maria do Nascimento

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2018v26n1.42098

Resumo

O presente artigo realiza uma reflexão acerca da intervenção artística de palhaças “Casada Consigo Mesma”, criada pela Cia. Asfalto de Poesia. São subsídios para esta análise: o histórico da presença das mulheres na arte da palhaçaria, o estudo dos recursos específicos da linguagem da palhaçaria, as ideias de comicidade e riso e o conceito de paródia. Investiga-se os recursos empregados para a criação de repertório e a consequente renovação da dramaturgia existente nesta linguagem, esboçando o conceito de uma comicidade feminista. Também se analisa as maneiras pelas quais a intervenção artística desestabiliza as imposições ao gênero feminino referentes à instituição do casamento e a padrões de beleza, consolidando-se como uma ferramenta para experiências de uma comicidade feminista. Palhavras-chave: Mulher. Palhaçaria. Casamento. Comicidade feminista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

DO NASCIMENTO, M. Casada consigo mesma: mulheres palhaças e a busca de uma comicidade feminista. Revista Ártemis, [S. l.], v. 26, n. 1, p. 125–142, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2018v26n1.42098. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/42098. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

O humor das mulheres e as mulheres no humor