Dona Marcolina, uma megera indomada: representações e estereótipos de feminilidade nos quadrinhos de Alceu Chichôrro

Autores

  • Thaís Mannala
  • Marilda L. P. Queluz

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2018v26n1.42104

Resumo

Neste artigo, pretendemos refletir sobre a personagem Dona Marcolina, criada pelo jornalista e chargista Alceu Chichôrro (1896-1977), publicada no jornal curitibano O Dia, no período de 1926 a 1961. Na companhia de Chico Fumaça e do cachorro Totó, Dona Marcolina representa um tipo de feminilidade associado às mulheres, constituído de camadas de discursos normatizantes e hierarquizantes, com traços físicos caricatos, como também modos exagerados de agir, pensar e reagir a determinadas práticas sociais masculinas, ironizando os espaços de domínio das mulheres e questionando quem, de fato, deveria mandar na casa. Dentro da tradição do humor gráfico e das chamadas family strips do início do século XX, destacam-se personagens femininas – caracterizadas por serem tiranas, mandonas, mal-humoradas e fora dos padrões de beleza da época – que geralmente são descritas como feias. Além disso, são desenhadas altas, magras, em contraponto a seus pares, homens baixinhos e gordos. Estes contrastes e desproporções provocam o efeito cômico, evocando a comédia popular, e reiteram a inversão de papéis sociais esperados pela sociedade. Estas personagens mandam, controlam e batem nos homens. O pau/rolo de macarrão torna-se um artefato comum no desfecho das charges e tiras cômicas, usado no último quadrinho para golpear e punir os deslizes, travessuras dos homens. Palavras-chave: Representações. Estereótipos. Gênero. Tiras cômicas. Dona Marcolina. Alceu Chichôrro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

MANNALA, T.; QUELUZ, M. L. P. Dona Marcolina, uma megera indomada: representações e estereótipos de feminilidade nos quadrinhos de Alceu Chichôrro. Revista Ártemis, [S. l.], v. 26, n. 1, p. 175–192, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2018v26n1.42104. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/42104. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

O humor das mulheres e as mulheres no humor