Telejornalismo e desinformação

usos e apropriações do WhatsApp pela produção de TV em Belém (PA) na pandemia de covid-19

Autores

  • Elaide Martins Universidade Federal do Pará (UFPA) https://orcid.org/0000-0001-7723-7055
  • George Miranda Programa de Pós-graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCom), da Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2763-9398.2022v17n.63868

Palavras-chave:

Desinformação, Pandemia, Telejornalismo, Apuração, WhatsApp

Resumo

Este artigo busca compreender, a partir do contexto pandêmico, os procedimentos adotados pelos produtores de telejornalismo em seis emissoras de Belém (PA) para combater a desinformação em conteúdos recebidos via WhatsApp. As discussões são feitas à luz dos conceitos ‘Desordem Informacional’ (WARDLE e DERAKHSHAN, 2017; WARDLE, 2019) e ‘Pseudojornalismo’ (TRÄSEL, 2018). Para chegar aos objetivos desta pesquisa, adotou-se metodologia de abordagem qualitativa, aplicando-se um questionário online, entre os dias 12 e 23 de janeiro de 2022, que alcançou 28 respondentes – cerca da metade dos produtores de TV da capital paraense. Os principais resultados desta pesquisa indicam que todos os produtores utilizam o WhatsApp em suas rotinas de apuração e que o aplicativo ganhou relevância na crise sanitária do coronavírus. Sinalizam, ainda, que esses profissionais se sentem responsáveis pelo combate à desinformação, mas enfrentam conflitos na realização de seus trabalhos, sobretudo pelo acúmulo de funções e precarização do cargo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaide Martins, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Jornalista pela Universidade Federal do Pará (UFPA), mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo e doutora em Ciências Socioambientais pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos ? NAEA/UFPA. Possui experiência profissional em telejornalismo, ciberjornalismo, audiovisual e jornalismo impresso. É docente na Faculdade de Comunicação (Facom) e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCOM) da UFPA, desenvolvendo pesquisas sobre convergência, internet, jornalismo transmídia e inovações no jornalismo e atuando como orientadora nos cursos de graduação, mestrado, doutorado e na Iniciação Científica. Coordena o projeto de pesquisa Jornalismo Transmídia ? características e concepções na arqueologia de um conceito, o Grupo de Pesquisa Inovação e Convergência na Comunicação - InovaCom (CNPq/UFPA) e coordenou o Grupo de Pesquisa Interações e Tecnologias na Amazônia-ITA (CNPq/UFPA-UNAMA). É pesquisadora Pós-Doc no Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde também integra o Núcleo de Estudos e Produção Hipermídia Aplicados ao Jornalismo (Nephi-Jor). É sócia-pesquisadora da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), participando da Rede de Pesquisa Aplicada em Jornalismo e Tecnologias Digitais (JorTec).

George Miranda, Programa de Pós-graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCom), da Universidade Federal do Pará (UFPA)

George Miranda é graduado em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal do Pará (UFPA), e pós-graduado em Marketing Digital pela Universidade Estácio. É mestrando do Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCOM) da UFPA, da linha Processos Comunicacionais e Midiatização na Amazônia. Participa do grupo de pesquisa Inovação e Convergência na Comunicação (InovaCom), da mesma instituição. Atualmente, trabalha como editor de texto na Record TV Belém e é Assessor de Imprensa concursado da Prefeitura de Barcarena, nordeste paraense. É, ainda, diretor de conteúdo do jornal impresso mensal Barcarena Agora, que é distribuído gratuitamente no município. Tem experiência em agência de comunicação, assessoria de imprensa, rádio, TV, web e impresso.

Referências

BARCELOS, Thainá; MUNIZ, Luíza; DANTAS, Deborah; COTRIM JÚNIOR, Dorival, CAVALCANTE, João; FAERSTEIN, Eduardo. Análise de fake news veiculadas durante a pandemia de COVID-19 no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2021; 45:e65. https://doi.org/10.26633/RPSP.2021.65.

BISTANE, Luciana; BACELLAR, Luciane. Jornalismo de TV. 2.ed., 1ª reimpressão. - São Paulo: Contexto, 2008. – (Coleção Comunicação).

BOURDIEU, Pierre. Sobre a Televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

BUCCI, Eugênio. News não são fake – e fake news não são fakes. In: BARBOSA, Mariana (org.). Pós-verdade e fake news: reflexão sobre a guerra de narrativas. 1ª ed – Rio de Janeiro: Cobogó, 2019. Cap. 04, p. 37-48.

CARVALHO, Carlos Alberto de; LAGE, Leandro. Midiatização e reflexividade das mediações jornalísticas. In: MATTOS, Maria Ângela; JANOTTI JUNIOR, Jeder; JACKS, Nilda (orgs). Mediação & Midiatização. Salvador – Brasília: EDUFBA, Compós, 2012, pp. 245-270.

GEHRKE, Marília; BENETTI, Márcia. A desinformação no Brasil durante a pandemia de Covid-19: temas, plataformas e atores. revista Fronteiras – estudos midiáticos. V. 23(2):14-28, maio/agosto 2021. Unisinos – doi: 10.4013/fem.2021.232.02

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

MELLO, Patrícia Campos. A Máquina do Ódio: Notas de uma repórter sobre fake news e violência digital. 1ª ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

MERRIAM-WEBSTER. The Real Story of 'Fake News'. 2017. Disponível em: https://www.merriam-webster.com/words-at-play/the-real-story-of-fake-news. Acesso em: 04 jul. 2022.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ebola. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/e/ebola-1. Acesso em: 25 jun. 2022.

MONTEIRO, Jean. Whatsapp no jornalismo: uso, estratégias e prática. Revista Científica de Comunicação Social do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH) e-Com, Belo Horizonte, v. 14, p. 77-93, 2021. Disponível em: encurtador.com.br/fguDY.

PENA, Felipe. Teoria do Jornalismo. 3. Ed., 2ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2015.

SOARES, Felipe; RECUERO, Raquel.; VOLCAN, Tatiane; FAGUNDES, Giane; SODRÉ, Giéle. Como a desinformação sobre Covid-19 no WhatsApp foi utilizada para amenizar crises do governo federal. Ciência da Informação Express, [S. l.], v. 2, n. 9, 16 set. 2021.

TRÄSEL, Marcelo. A eficácia da checagem de fatos no combate à desinformação. Cadernos Adenauer, v. 19, n. 4, 2018, p. 69-87.

WARDLE, Claire. First draft’s essential guide to understanding information disorder. First Draft, 2019. Disponível em: https://shre.ink/zMi. Acesso em: 20 jan. 2022.

WARDLE, Claire; DERAKSHAN, Hossein. Information Disorder: Toward an interdisciplinary framework for research and policy making. Council of Europe, 2017.

WHATSAPP. Sobre o WhatsApp. 2022. Disponível em: https://www.whatsapp.com/about. Acesso em: 25 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Como Citar

MARTINS, E.; MIRANDA, G. Telejornalismo e desinformação: usos e apropriações do WhatsApp pela produção de TV em Belém (PA) na pandemia de covid-19. Culturas Midiáticas, [S. l.], v. 17, p. 23, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2763-9398.2022v17n.63868. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/cm/article/view/63868. Acesso em: 25 maio. 2024.