AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE ACADÊMICA

  • Maria Helena de Matos Lima Nunes Universidade Federal da Paraíba
  • Izabel França de Lima
Palavras-chave: Autoavaliação institucional. Avaliação transformadora. Avaliação integrada

Resumo

Investiga o processo da autoavaliação institucional baseada principalmente, nas Normas e na Legislação do MEC/INEP, nos trabalhos e nos estudos sobre a temática realizados por autores nacionais e internacionais. Compreende o estudo dos modelos teóricos da avaliação, o modelo meritocrático, focado na abordagem quantitativa, em que prevalece o ranking como referência de qualidade do processo avaliativo. Neste trabalho, argumenta-se que a teoria da avaliação transformadora tem uma abordagem qualitativa, e o processo de avaliação consiste em uma construção coletiva que busca a melhoria dos processos com foco na aprendizagem, que ocorre na construção e na reconstrução da instituição mediante a interação dialética com o contexto sociocultural. A pesquisa é uma revisão de literatura, em nível exploratório. Aponta, nas considerações finais, que a avaliação institucional, para ser efetiva, não deve estar centrada em modelos prontos que sejam empregados de forma contínua e imutável, e segundo, que, em relação ao processo da autoavaliação institucional a Comissão Própria de Avaliação tem o grande desafio de desenvolver e implantar uma metodologia de autoavaliação que possa ser um instrumento de aprendizagem institucional para agregar valor e traduzir os caminhos da Instituição, na construção e na reconstrução de sua identidade acadêmica.

 

Referências

ANGELONI, M.T. Gestão do conhecimento no Brasil: casos, experiências e práticas de empresas privadas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2008.

AVALIAÇÃO: revista da avaliação da Educação Superior. Campinas, v. 13, n. 1, mar. 2008 (On-line).

BARBOSA, L. Igualdade e meritocracia. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

BELLONI, I. A Universidade e o compromisso da avaliação institucional na reconstrução do espaço social. Avaliação, Campinas, v. 1, n. 2, p. 6-14, dez. 2000.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES – e dá outras providências. Diário Oficial da República Federal do Brasil, Brasília, D.F., 2004.

______. Ministério da Educação (MEC). Aprova, em extrato, os indicadores do Instrumento de Avaliação Institucional Externa para os atos de credenciamento, recredenciamento e transformação de organização acadêmica, modalidade presencial, do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES. Portaria nº 92, de 31 de janeiro de 2014. Diário Oficial da União, Brasília, D.F., 4 fev. 2014.

______. Ministério da Educação (MEC). Avaliação do ensino superior. Brasília, D.F.: MEC, 1988.

______. Ministério da Educação (MEC). Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES: bases para uma nova proposta de avaliação da educação superior. 2003.

______. Programa de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras (PAIUB), Brasília, D.F.: MEC, 1993

COUSINS, J.B.; EARL, L. (Ed.). Participatory evaluation in education: studies in evalua-tion use and organizational learning. London: Falmer, 1995.

CRANTON, P. Understanding and promoting transformative learning: a guide for educators of adults. 2nd ed. San Francisco: Jossey-Bass, 2006.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do Provão ao SINAES. Avaliação: revista da avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 15, n. 1, p. 195-224, 2010.

______. Avaliação educativa: produção de sentidos com valor de formação. Avaliação, revista da avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 13, n. 1, p. 193-207, mar. 2008.

______. Avaliação institucional: teorias e experiências. São Paulo: Cortez, 1995.

_______. Avaliação da educação superior. Petrópolis: Vozes, 2003.

DUTRA, J. S. Competências conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas, 2007.

FERNANDES, M. E. A. Avaliar a escola é preciso. Mas que avaliação? In: VIEIRA, S. L. (Org.). Gestão da escola: desafios a enfrentar. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

FONSECA, M. (Org.). Avaliação institucional: sinais e práticas. São Paulo, Xamã, 2008.

GADOTTI, M. Avaliação institucional: necessidade e condições para a sua realização. 2012. Disponível em: <http://www.drb-assessoria.com.br/Avali_Institucional.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2015.

GALDINO. M. N. D. A autoavaliação institucional no ensino superior como instrumento de gestão. 2012.

Disponível em: <http://www.uniaraxa.edu.br/assets/pdf/2015/artigo-avaliacao-institucional.pdf>. Acesso em: 14 maio 2015.

GAMA, Z. Avaliação institucional: primeiras aproximações. Teoria e crítica. Estudos em ava-liação educacional, São Paulo, v. 23, n. 52, p. 254-272, maio/ago. 2012

GOMES, E.; BRAGA, F. Inteligência competitiva: como transformar informação em um negócio lucrativo. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

HORTA. C. E. Ensino Superior. SINAES – avanços e desafios na avaliação da educação superior. Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior. Caderno 29, Brasília, D.F.: ABMES, 2014.

KERR, C. Os usos da universidade. 15. ed. Brasília, D.F.: Editora Universidade de Brasília, 2005.

LEITE, D. Avaliação institucional participativa: reformas universitárias: avaliação institucional participativa. Petrópolis: Vozes, 2004.

MEZIROW, J. Education for perspective transformation: women’s re-entry programs in community colleges. New York: Teacher’s College, Columbia University, 1978.

MOREIRA, E.G. Diagnóstico organizacional. Curitiba: IESDE Brasil, 2008.

MURIEL, R. Avaliação. In: CAPACITAÇÃO de avaliação institucional. 5. ed. Belo Horizonte: Carta Consulta, 2013.

O’SULLIVAN, E. Aprendizagem transformadora: uma visão educacional para o Século XXI. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2004. (Biblioteca Freireana, v. 8).

POLIDORI, M.M.; ARAUJO, C. BARREYRO, G. “SINAES: perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira”. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 53, out./dez. 2007.

RISTOFF, D.; GIOLO, J. (Org.). Educação superior brasileira 1991-2004. Brasília, D.F.: INEP, 2006.

RISTOFF, D. I. Algumas definições de avaliação. Avaliação: revista da rede de avaliação institucional da educação superior, v. 8, n. 1, p. 19-30, 2003.

ROCHA, C. E. (Org.). SINAES: avanços e desafios na avaliação da educação superior. Cadernos ABMES, Brasília, D.F., n. 29, 2014.

SANCHES, R. C. F. RAPHAEL, H. S. Projeto pedagógico e avaliação institucional: articulação e importância. Revista da Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior, ano 11, v. 11, n. 1, p. 103-113, mar. 2006.

SAUL, A. M. Avaliação emancipatória: desafio à teoria e à prática de avaliação e reformulação de currículo. São Paulo: Cortez, 1991.

SOUZA, ROSANA CURVELO DE. Autoavaliação institucional na dimensão do SINAES “comunicação com a sociedade”: estudo múltiplos casos em instituições de ensino superior do Rio Grande do Norte. 2013. 98 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.

STARKEY, K. Como as organizações aprendem: relato do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, 1997.

STUFFLEBEAM, D. L. The CIPP model for program evaluation. In: MADAUS, G.F.; SCRIVEN, M.; STUFFLEBEAM, D.L. (Ed.). Evaluation Models. Boston: Kluwer-Nijhoff, 1983.

TACHIZAWA, T.; ANDRADE, R. O. Gestão de instituições de ensino. 4. ed. rev. e amp. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

Publicado
2016-08-08
Seção
Artigos de Revisão