EPISTEME, SCIENTIA E CIÊNCIA: UMA TRAJETÓRIA

  • João Cardoso de Castro UFRJ
  • Murilo Cardoso de Castro UFRJ / Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3
Palavras-chave: Heidegger, science, episteme, scientia

Resumo

Segue-se o percurso, nos termos propostos por Heidegger, desde a episteme antiga, passando pela scientia medieval, até chegar a ciência moderna. O objetivo é constatar ou não uma eventual perda que possa responder pela acusada “pobreza” da ciência contemporânea, sugerida por Heidegger e outros, diante da aparente “riqueza” desta ciência que enche os olhos do homem moderno.

Biografia do Autor

João Cardoso de Castro, UFRJ
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (FIOCRUZ/UFRJ/UERJ/UFF), possui graduação em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2005) e mestrado em Educação em Ciências e Saúde pela UFRJ (2009). Atualmente é professor de Filosofia em cursos de graduação.
Murilo Cardoso de Castro, UFRJ / Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3
Possui graduação em Administração pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1976), mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1996), doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999), doutorado Sanduíche pela Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3 (1999) e doutorado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005).

Referências

ARJAKOVSKY, P., FÉDIER, F. & FRANCE-LEONARD, H. (org.), Le Dictionnaire Martin Heidegger. Paris: CERF, 2013.

BEAUFRET, Jean, Dialogue avec Heidegger IV. Paris: Minuit, 1985.

DE LIBERA, Alain, La philosophie médiévale. Paris: PUF, 1993.

EVERSON, Stephen (ed.), Epístemology. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

HAAR, Michel (dir.), Heidegger. Cahier de l’Herne. Paris: Editions de l’Herne, 1983.

HEIDEGGER, Martin, Les problèmes fondamentaux de la phénoménologie. Paris: Gallimard, 1985.

______ Qu’appelle-t-on penser?, Paris: PUF, 1992.

______ Introdução à Metafísica. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1999.

______ Seminários de Zollikon. Petrópolis: Vozes, 2001.

______ “A questão da técnica”, in Ensaios e Conferências. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Petrópolis: Vozes, 2002a.

______ “Ciência e pensamento do sentido”, in Ensaios e Conferências. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Petrópolis: Vozes, 2002b.

______ “O tempo da imagem no mundo”, in Caminhos de Floresta. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002c.

______ “O conceito de experiência em Hegel”, in Caminhos de Floresta. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002d.

______ Nietzsche II. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

______ Introdução à filosofia. Trad. Marco Antonio Casanova. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

______ Parmênides. Trad. Renato Kirchner. Petrópolis: Vozes, 2008b.

______ Platão: O Sofista. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

______ Contribuições à Filosofia. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Via Vérita, 2014.

JAEGER, Werner, Aristóteles. México: Fondo de Cultura Económica, 1995.

LAFFOUCRIÈRE, Odette, Le Destin de la Pensée et “La Mort de Dieu” selon Heidegger. The Hague: Martinus Nijhoff, 1968.

MAGNAVACCA, Silvia, Léxico Técnico de Filosofia Medieval. Buenos Aires: Miño y Dávila, 2005.

PELIKAN, Jaroslav, Christianity and Classical Culture. New Haven: Yale University Press, 1993

PETERS, F.E., Termos Filosóficos Gregos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983.

SAVIAN FILHO, Juvenal, Metafísica do ser em Boécio. São Paulo: Loyola. 2008.

SCHNEIDER, Paulo Rudi, O outro pensar. Ijuí: Unijuí, 2005.

Publicado
2016-12-17
Seção
Artigos