DISPOR-DE-SI-MESMO:

NOTAS SOBRE O MATAR-SE E A POSSIBILIDADE DA VIRTUDE NO SUICÍDIO

Palavras-chave: suicídio, decisão, ser-para-a-morte, Heidegger

Resumo

O objetivo deste trabalho é aportar notas filosóficas à relevante questão do dispor-de-si-mesmo, fundamento de qualquer exame do suicídio e inclusive da eutanásia. Para além do colorido macabro disseminado em torno do matar-se ao longo dos séculos, sobremodo à partir da cultura judaico-cristã, procuramos delinear a possibilidade de um matar-se como uma expressão virtuosa do ser-aí (Dasein), a verdade mais originária da presença porque a mais própria, que chamamos justamente de “dispor-de-si-mesmo” ou “decidir-sobre-si-mesmo” (statuere de se). Para levar a cabo esta empreitada, primeiro, procuramos investigar brevemente as diversas nuances deste conceito no interior do pensamento grego e, depois, na cultura romana. Na terceira parte do ensaio, a partir de um esforço de apropriação do conceito de ser-para-a-morte (Sein zum Tode) e o morrer (Sterben) - na filosofia de Martin Heidegger - concentramos nossas notas e argumentação em uma "outra" aproximação para o tema, enfatizando a possibilidade do suicídio enquanto decisão (Entschlossenheit), isto é, um modo privilegiado de abertura (Erschlossenheit) do ser-aí (Dasein).

Biografia do Autor

João Cardoso de Castro, UNIFESO
Doutor em Bioética pelo Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva - UFRJ, com período sanduíche [CAPES] na DePaul University (Chicago). Possui graduação em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2005) e mestrado em Educação em Ciências e Saúde pela UFRJ (2009). Atualmente é professor de Filosofia em cursos de graduação e Coordenador da Editora UNIFESO. Principais temas de atuação: filosofia antiga, Heidegger, fenomenologia, epistemologia, ética, bioética.
Murilo Cardoso de Castro
Possui graduação em Administração pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1976), mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1996), doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999), com período sanduíche na Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3 (1999) e doutorado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005).

Referências

ARJAKOVSKY, P., FÉDIER, F. & FRANCE-LEONARD, H. (org.). Le Dictionnaire Martin Heidegger. Paris: CERF, 2013.

CAEIRO. António. A arete como possibilidade extrema do humano. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2002.

HEIDEGGER, Martin. Língua de Tradição e Língua Técnica. Tr. Mário Botas. Lisboa: Vega, 1995a.

HEIDEGGER, Martin. Sobre o humanismo. Tr. Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995b.

HEIDEGGER, Martin. Prolegómenos para una Historia del Concepto de Tiempo. Madrid: Alianza Editorial, 2006.

HEIDEGGER, Martin, Parmênides. Tradução Sérgio Mário Wrublevski. Petrópolis: Vozes, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução Fausto Castilho. Campinas: Editora UNICAMP, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Platão: o sofista. Tradução Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense, 2012a.

HEIDEGGER, Martin. Contribuições à Filosofia. Tradução Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Via Vérita, 2014.

LÉVINAS, Emmanuel. Totalité et infini. Paris: Livre de Poche, 2000.

PLOTIN. Traités 7-21. Dir. Luc Brisson e Jean-François Pradeau. Paris: GF Flammarion, 2003.

SORABJI, Richard. The Philosophy of the Commentators 200-600 AD (3 volumes). New York: Cornell University Press, 2005.

VAN HOOFF, Anton. From Autothanasia to Suicide - Self-killing in Classical Antiquity. London: Routledge, 1990.

Publicado
2019-12-24
Seção
Artigos

Artigos mais lidos do (s) mesmo (s) autor (es)