IMPLICAÇÕES DA TECNIFICAÇÃO DA EXISTÊNCIA [TECHNISIERUNG DES DASEINS] EM HANNAH ARENDT E HANS JONAS

Palavras-chave: Hannah Arendt, Hans Jonas, Política, Ética, Tecnificação da Existência [Technisierungdes Daseins].

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar as implicações contidas na técnica moderna que tecnificam a existência humana. Nossa análise está fundamentada nas obras de Hannah Arendt e Hans Jonas, estabelecendo um diálogo entre os dois. Através dos inúmeros estágios de desenvolvimento da técnica e da tecnologia, a partir do século XVII, percebemos uma dependência e subordinação dos seres humanos à tecnologia. Esta ameaça a liberdade e a integridade humana das gerações futuras, e confere um fenômeno totalmente pós-moderno que chamaremos de tecnificação da existência [Technisierungdes Daseins], cunhado por Arendt em julho de 1954, em seu diário, Denktagebuch. Nestes termos, primeiramente analisaremos como Hannah Arendt compreende tais fenômenos, apresentando os passos da técnica e da tecnologia, suas consequências, e qual sua saída política para o mesmo; num segundo momento, sob a ótica de Hans Jonas, exploraremos as contribuições do autor sobre os efeitos da tecnologia na sociedade contemporânea, e explicitaremos como seu princípio ético da responsabilidade tem a capacidade de frear os impulsos tecnológicos. Por fim, após essas análises, poderemos afirmar que apenas uma política e uma ética voltada aos interesses humanos, são capazes de enfrentar os perigos contidos na tecnologia e salvaguardar a humanidade.

Biografia do Autor

Leonardo Nunes Camargo, Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Bacharel em Filosofia pela Faculdade Vicentina (2012), Especialização em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2014), mestrado em Filosofia pela Pontifícia Unversidade Católica do Paraná (2017), doutorando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná iniciado em agosto 2017. Docente na UEMG – Campus Passos. Universidade do Estado de Minas Gerais Bolsista CAPES.
Lara Emanuele da Luz, Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Bacharela em filosofia pela Faculdade São Luiz, Brusque, SC, Brasil. Mestra em filosofia, na área de ética e filosofia política pela UFSC, SC, Brasil. Doutoranda em filosofia, na área de ética e filosofia política da PUCPR, PR, Brasil. Docente no IFC Campus Blumenau – Instituto Federal Catarinense. Bolsista CAPES

Referências

ARENDT, H. (1958) “A condição humana”. Trad. Roberto Raposo. Rev. técnica Adriano Correia. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

______. (1994) “Compreender”: formação, exílio e totalitarismo (ensaios) 1930-54. Trad. Denise Bottmann. Org. Introd. e Notas Jerome Kohn. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

______. “Denktagebuch”. Bd. 1: 1950-1973. Bd. 2: 1973-1975.Piper, 2002.

______. (1987) Trabalho, Obra, Ação. Trad. Adriano Correia. Rev. TheresaCalvet de Magalhães. “Cadernos de Ética e Filosofia Política”, pp. 174-201, 2/2005.

CAMARGO, L. N. “Transumanismo”: desafios e perspectivas para a filosofia contemporânea. In.: GOUVEIA, S. S.; SOL, A. F. (Orgs.). “Bioética no século XXI”.1ª Ed. Charleston: CreateSpaceIndependentPublishing, pp. 415-429, 2018.

CORREIA, A.“Hannah Arendt e a modernidade”: Política, economia e a disputa por uma fronteira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

HEIDEGGER, M. (1953)“A questão da técnica”. Trad. Marco Aurélio Werle. “ScientiaeStudia”, São Paulo, v.5, n.3, p.375-398, 2007.

HÖLDERLIN, F. (1922) “SämtlicheWerke”. 6 Vol. Stuttgart: Kohlhammer, 1954.

JONAS, H. Actuar, conocer, pensar. La obra filosófica de Hannah Arendt. In.: BERTRÁN, J. B. “Hannah Arend”t:elorgullo de pensar. Barcelona: Gedisa, 2000, pp. 23-40.

______. (1992) O fardo e a benção da mortalidade. “Princípios”, Natal, v. 16, n.25, jan.-jun./2009, p. 265-281. Tradução de Wendell Evangelista Soares Lopes. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/450>. Acesso em: 20 jan. 2015.

______. (1979) “O princípio responsabilidade”:ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Tradução de Marijane Lisboa e Luiz Barros Montez. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. Puc-Rio, 2006.

______.(1966) “O princípio vida”: fundamentos para uma biologia filosófica. Tradução Carlos Almeida Pereira. Petrópolis: Vozes, 2004.

______. (1992) “Pensar sobre Dios y otros ensayos”. Tradução Angela Ackermann. Barcelona: Herder, 1998.

______.(1985) “Técnica, Medicina e Ética”:sobre a prática do princípio responsabilidade. Tradução Grupo de trabalho Hans Jonas da ANPOF. São Paulo: Paulus, 2013.

MAGALHÃES. T. C. Ação e pensamento em Hannah Arendt. “Filosofia do direito e o tempo”. Juiz de Fora: Editar, pp. 1-09, 2011.

OLIVEIRA, J. R. O homo faber: de usuário de ferramentas a objeto tecnológico.“Educação e Filosofia”, v.30, n.59, p.331-351, jan./jun. 2016.

POMMIER, E. Ética e Política em Hans Jonas e Hannah Arendt.“Revista de Filosofia Aurora”, Curitiba, v. 28, n. 43, pp. 227-248, jan./abr. 2016.

Publicado
2020-05-19
Seção
Artigos