O FASCISMO E AS MASSAS:

UMA ANÁLISE DA TEORIA FREUDIANA SOBRE O CONTÁGIO DO ÓDIO

Palavras-chave: Fascismo, Comportamento, Ser individual, Alma coletiva.

Resumo

O objetivo desse artigo consiste em abordar o fenômeno social do fascismo e do comportamento dos indivíduos em grupo pelo viés da teoria freudiana da psicologia das massas, fenômeno este que teve grande influência em alguns países no século XX, tendo seu surgimento na Itália, o qual serviu de inspiração para o nazismo na Alemanha. Tal ideologia foi adotada principalmente por seu forte caráter nacionalista e autoritário como meio de salvação para a crise econômica. Abordaremos a distinção entre o comportamento da vida psíquica do ser individual e a alma coletiva visando compreender as principais questões que surgem nesse estudo sobre o comportamento das massas, que são: como uma massa pode exercer influência na vida psíquica do ser individual? Em que consiste a modificação da psiqué que esta massa impõe ao indivíduo? De acordo com Freud, como veremos, o inconsciente possui um papel fundamental nas ações humanas, e segundo Le Bon o senso de responsabilidade dos atos dos indivíduos na massa não existe, dado que este se sente autorizado a ceder aos instintos inconscientes que controlava enquanto ser individual. Freud sustenta que os novos aspectos presentes no indivíduo da massa são exatamente o que antes, enquanto ser individual, não eram expostos e que ganha voz na massa. Outro ponto importante da abordagem de Freud e Le Bon são os aspectos do contágio e da sugestão presentes na massa, importantes para entender como o fascismo ganha adeptos ao discurso de ódio, contágio este que pode ser compreendido à luz dos estudos sobre hipnose de Freud. No presente artigo também serão abordados os conceitos de libido e identificação, no intuito de compreender o que une os indivíduos à massa e ao seu líder.

Biografia do Autor

Tayane Cristine Ferreira Clemente da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Possui bacharelado e licenciatura em Filosofia pela Universidade Federal de Campina Grande - PB. É mestranda em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba, na qual desenvolve pesquisa sobre as transformações do conceito de Inconsciente em Freud nas chamadas primeira tópica e segunda tópica. Tem interesse nas áreas de Ensino de Filosofia, Psicanálise e Política.

Iraquitan de Oliveira Caminha, Universidade Federal da Paraíba

Professor do Programa de Pós-graduação em Filosofia da UFPB.

Referências

ADORNO, W. T. Teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista. In___ Ensaios sobre psicologia social e psicanálise. Tradução Verlaine Freitas. São Paulo: Editora UNESP, 2015.

FREUD, S. Psicologia das massas e análise do Eu e outros textos (1920-1923). Tradução de Paulo César de Souza. – São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ECO, U. O fascismo Eterno. Disponível em:

< http 2019s://deusgarcia.files.wordpress.com/2018/06/eco-o-fascismo-eterno.pdf > Acesso em 09 de agosto de 2019.

LE BON, G. Psicologia das multidões. Disponível em: <https://filosoficabiblioteca.files.wordpress.com/2016/03/le-bon-gustave-psicologia-das-multidc3b5es.pdf> Acesso em 09 de agosto de 2019.

Torcida do Atlético-MG cita Bolsonaro e incentiva assassinato de homossexuais. Jovem Pan, 2018. Disponível em: < https://jovempan.uol.com.br/sem-categoria/torcida-do-atletico-mg-cita-bolsonaro-e-incentiva-assassinato-de-homossexuais.html> Acesso em 09 de agosto de 2019.

Publicado
2019-12-24
Seção
Artigos