TRAGÉDIA E NATUREZA. UM FRAGMENTO DA CORRESPONDÊNCIA DE HÖLDERLIN

  • Libanio Cardoso Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)
Palavras-chave: Hölderlin, Tragédia, Natureza

Resumo

O artigo examina passagem epistolar de Friedrich Hölderlin em torno da noção de Natureza, tendo em vista a apresentação de sua concepção do trágico. Liga-se o conceito hölderlineano aos de Necessário e Todo, títulos para a determinação metafísica da Liberdade. Para introduzir a apropriação conceitual proposta, observa-se, de início, a posição diderotiana sobre a arte dramática, cujo horizonte parece ser estético-pedagógico, o natural sendo concebido como meio e submetido à moral. Notas do conceito de “necessário”, em Aristóteles, são ligadas ao conceito de Todo, e servem de conexão para a interpretação da Natureza, na carta examinada. Se esta é referida ao Todo, então o corpo e a vida do homem são naturais sob o modo de sua pertença ao primeiro – a verdade do orgânico, assim como a unidade de sentido da vida humana, repousa na conexão com a Natureza concebida como totalidade metafísica. O trágico será mostrado, por conseguinte, como dinâmica de unificação com o Todo, e a tragédia, como apresentação dessa unidade mediante a ruptura do centro de sentido consignado no “herói”.

Biografia do Autor

Libanio Cardoso, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Departamento de Filosofia - UNIOESTE (PR)

 

Referências

ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução: Valentin García Yebra. Madrid: Gredos, 1990.

______. Poética. Tradução: Eudoro de Sousa. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1986.

DASTUR, Françoise. “Hölderlin: Tragédia e Modernidade”. In HÖLDERLIN, Friedrich. Reflexões. Tradução: Márcia Cavalcante; Antonio Abranches. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994. Pp. 145-214.

DIDEROT, Denis. “Paradoxo sobre o Comediante”. In Os Pensadores: Diderot. Tradução: J.Guinsburg. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

HEIDEGGER, Martin. “Assim como em dia santo”. In Explicações da filosofia de Hölderlin. Tradução: Cláudia Drücker. Brasília: Editora UnB, 2013.

HÖLDERLIN, Friedrich. Correspondencia completa. Tradução: Helena C. Gabaudán; Arturo Leyte Coello. Madrid: Ediciones Hipérion, 1990.

______. Reflexões. Tradução: Márcia Cavalcante; Antonio Abranches. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

______. Sämtliche Werke. 2.1. Stuttgart, 1951.

KANT, Immanuel. “Resposta à pergunta: Que é Esclarecimento?”. In Immanuel Kant: textos seletos. Tradução: Floriano de Sousa Fernandes. Petrópolis (TJ): Vozes, 1985.

MATTOS, Franklyn de. “A querela do teatro no século XVIII: Voltaire, Diderot, Rousseau”. In O que nos faz pensar. Revista de Filosofia. No. 25. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2009.

PRADO Jr., Bento. A retórica de Rousseau e outros ensaios. Tradução: Cristina Prado. São Paulo: Cosac e Naify, 2008.

SANTOS, Silvia Pereira. “Caminhos do drama burguês: de Diderot a Alexandre Dumas filho”. In Darandina, Revista eletrônica. Vol.02. No. 02. Juiz de Fora (MG): Universidade Federal de Juiz de Fora, 2009. Disponível em http://www.ufjf.br/darandina/files/2010/02/artigo20a.pdf Acessado em 13/11/2019.

SOUZA, Maria das Graças de. Natureza e Ilustração. Sobre o materialismo de Diderot. São Paulo: Editora UNESP, 2202.

WERLE, Marco Aurélio. Poesia e pensamento em Hölderlin e Heidegger. São Paulo: Editora UNESP, 2005.
Publicado
2019-12-24
Seção
Artigos