Políticas Públicas em Educação para Formação de Professores na EJA

  • Samira de Moraes Maia Vigano UFSC
  • Paula Cabral UFSC
Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos, Políticas Públicas em Educação, Formação de Professores.

Resumo

O presente artigo busca desenvolver uma discussão articulando as políticas públicas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e a formação de professores para essa modalidade da Educação Básica. Objetiva-se retomar aspectos legais do debate das políticas públicas do século XX e XXI, tendo como referência o contexto da reforma neoliberal e a onda gerencialista na educação, no intuito de refletir a respeito dos reflexos desse processo na formação de professores para a EJA. Trata-se de um estudo teórico cujo desenvolvimento se justifica por trazer à tona o polêmico debate da necessidade de formação de professores que atuem na EJA. Utilizam-se documentos oficiais da área e contribuições de pesquisadores como: Arroyo (2006), Shiroma e Evangelista (2011) e Laffin (2012; 2013). Constata-se como fundamental observar a trajetória, a constituição e como as “marcas” da própria EJA – de fragmentação das políticas públicas e descontinuidades – repercutem sobre as políticas de formação dos professores reduzindo, muitas vezes, essa modalidade à elevação de escolaridade e ao atendimento “às necessidades” do mercado de trabalho.

Biografia do Autor

Samira de Moraes Maia Vigano, UFSC

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2006), Mestra em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014) na Linha de Pesquisa Ensino e Formação de Educadores; atualmente é Doutoranda em Educação, pela UFSC - 2015/2019, e tutora presencial da Universidade Federal de Santa Catarina no curso de Especialização em Gênero e Diversidade na Escola - CFH/UFSC, vinculado ao Instituto de Estudos de Gênero (IEG). Membro do grupo de pesquisa denominado "Estudo e Pesquisa em Educação de Jovens e Adultos" (EPEJA). Com experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, Gênero, Educação de Jovens e Adultos e Diversidades Sociais.

Paula Cabral, UFSC
Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2007), Mestra em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013) na Linha de Pesquisa Ensino e Formação de Educadores; atualmente é Doutoranda em Educação, pela UFSC - 2015/2019. Membro do grupo de pesquisa "Estudo e Pesquisa em Educação de Jovens e Adultos" (EPEJA). Com experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, Educação de Jovens e Adultos e Ensino Superior.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzáles. Formar educadoras e educadores de jovens e adultos. In: SOARES, Leôncio. Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica/ SECAD - MEC/ UNESCO, 2006. p. 17-32.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Estado e educação popular: um estudo sobre a educação de adultos. São Paulo: Ática, 1982.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9394 de 20 dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, p. 027833, col. 1, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília. 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Brasília. 2001.

BRASIL. Conselho Nacional da Educação. Resolução CNE/ CEB n. 3, de 15 de junho de 2010.

Brasil. Plano Nacional de Educação (PNE). Plano Nacional de Educação 2014-2024 Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, 47(1) janeiro-abril, 1996. Disponível em: <http://blogs.al.ce.gov.br/unipace/files/2011/11/Bresser1.pdf>Acesso em: 25/nov/2012.

CHAUÍ, Marilena. A Universidade Pública Sob Nova Perspectiva. In ANPED, Poços de Caldas, SC: 5/10/2003 (CD-Room).

CURITIBA. Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: Secretaria de Estado e Educação - Superintendência da Educação, 2006.

FONTES, Virgínia. O Brasil e Capital-imperialismo: teoria e história. 2ª edição. EPSJV/Editora UFRJ, Rio de Janeiro, 2010.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Os delírios da Razão – crise do capital e metamorfose conceitual no campo educacional. In: GENTILI, Pablo. Pedagogia da exclusão – crítica ao neoliberalismo. 3 ed. São Paulo: Cortez, 1993. p. 77-108.

LAFFIN, Maria Hermínia Lage Fernandes (Org). Educação de jovens e adultos, diversidade e o mundo do trabalho. Ijuí: Ed. Unijuí, 2012.

____. A constituição da docência entre professores de escolarização inicial de jovens e adultos. Ijuí: Ed. Unijuí, 2013.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2ª edição. São Paulo:

Boitempo, 2008.

PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos. Temas Brasileiros 2, V. 1. São Paulo: Loyola 1973.

RODRIGUES, Marilda Merência. Educação ao Longo Da Vida: A Instituição de Um Novo Paradigma de Sistema Educacional e a Eterna Obsolescência Humana. PPGE/UFSC. Curso de Doutorado em Educação. Educação, História e Política. 2008Disponível em: Acesso em fevereiro de 2012.

ROMANELLI, Otaíza de Oliviera. História da Educação no Brasil (1930/1973). 34ª. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 41 ed. São Paulo: Autores Associados, 2009.

SHIROMA, Eneida Oto e EVANGELISTA, Olinda. Avaliação e responsabilização pelos resultados: atualizações nas formas de gestão de professores. Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 1, 2011, p. 127-160.

UNESCO. UNESCO: ¿Qué es la UNESCO? ¿Qué hace?. La UNESCO en 2009. Chile: UNESCO, 2009. Disponível em: . Acesso em: 03/dez/2012.

Publicado
2017-07-19