UNICEF e a implementação da Iniciativa Global Pelas Crianças Fora da Escola no Brasil

  • Thalita Franciely de Melo Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Thays Felipe David de Oliveira Universidade Federal da Paraíba
  • Joel Martins Cavalcanti Universidade Estadual da Paraíba
Palavras-chave: Educação, Políticas Públicas, Desenvolvimento do Milênio, UNICEF.

Resumo

A crescente necessidade de garantir a efetivação dos direitos das crianças e dos adolescentes fez com que tais direitos fossem regulamentados em vários intrumentos internacionais e nacionais. No âmbito internacional, a importância desse tema pode ser observada na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (1989) e na Declaração e nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (2000). No âmbito nacional, convém mencionar que o Fundo das Nações Unidas para a Infância constituiu-se como ator fundamental para a aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente no Brasil (1990) bem como para a implementação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (1992). Este artigo objetiva analisar a influência do Fundo das Nações Unidas para a Infância na construção de políticas públicas educacionais no Brasil, em especial a partir da implementação da Iniciativa Global pelas Crianças Fora da Escola, que tem como objetivo alcançar a educação primária universal no Brasil, conforme meta estabelecida na Declaração e nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Biografia do Autor

Thalita Franciely de Melo Silva, Universidade Federal de Pernambuco
Doutoranda em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco. Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Estadual da Paraíba (2014); Especialistas em Fundamentos da Educação: Práticas Pedagógicas Interdisciplinares pela Universidade Estadual da Paraíba (2014); Bacharel em em Relações Internacionais pela Universidade Estadual da Paraíba (2011); Membro do Núcleo de Estudo e Pesquisa sobre Deslocados Ambientais (Nepda). Coordenadora da Cátedra Sérgio Vieira de Mello em João Pessoa. Tem experiência com pesquisas na área de deslocados ambientais, migrantes e refugiados, Direitos Humanos, relações internacionais e Educação brasileira.
Thays Felipe David de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba
Possui graduação em Relações Internacionais pela Universidade Estadual da Paraíba (2011) e Mestrado em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (2014). Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Relações Internacionais, Antropologia da Criança, Socialização e Antropologia da Educação.
Joel Martins Cavalcanti, Universidade Estadual da Paraíba
Graduando em Relações Internacionais na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Membro do Núcleo de Estudo e Pesquisa sobre Deslocados Ambientais.

Referências

Albernaz Júnior, V. H., & Ferreira, P. R. V. (2011). Convenção sobre os Direitos da Criança. São Paulo: Malheiros, 2011.

Carvalho, M. P. O fracasso escolar de meninos e meninas: articulações entre gênero e cor/raça. In: Piscitelli, A., Melo, H. P., Maluf, S. W., & Puga, V. L. (Org.). (2009). Olhares feministas. Brasília: Ministério da Educação: UNESCO.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Dourado, L. F., Oliveira, J. F., & Santos, C. AL. (2007). A qualidade da educação: conceitos e definições. Cad. Cedes, 29 (78): 201-215.

Fernandes, L. A., & Gomes, J. M. M. (2003). Relatórios de pesquisa nas Ciências Sociais: características e modalidades de investigação. Contexto, 3 (4), 1-23.

Freitag, B. (1980). Escola, Estado e sociedade. 4. ed. São Paulo: Ed. Moraes.

Gandolfi, C. O Estatuto da Criança e do Adolescente, a Educação e a Escola: uma análise desta relação vinte anos após a promulgação da lei 8069. In: Oliveira, A. F., Pizzio, A., & França, G. (2010). Fronteiras da Educação: desigualdades, tecnologias e política. PUC: Goiás.

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Gusmão, J. B. B. (2010). Qualidade da educação no Brasil: consenso e diversidade de significados. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. 2010.

Kramer, S. (2003). A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 7 ed. São Paulo: Cortez.

Lopes, V. N. Racismo, Preconceito e Discriminação. (2005). In: Kabengele, M. (Org.). Superando o Racismo na Escola. Brasília: MEC/SEC.

Mead, L. M. (1995). Public Policy: Vision, Potential, Limits. Policy Currents, Fevereiro:1-4.

Medeiros, L. G. (2011). A objetivação da saúde da criança pelo UNICEF: problematizando tecnologias de biopoder na Amazônia. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Neri, M. (2009). O Tempo de Permanência na Escola e as Motivações dos Sem-Escola. Rio de Janeiro: FGV/IBRE, CPS.

Oliveira, A. F. Políticas Públicas Educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática. In: Oliveira, A. F., Pizzio, A. & França, G. (2010). Fronteiras da Educação: desigualdades, tecnologias e política. PUC: Goiás.

Peres, Claudio A., & Castanha, André P. (2006). Educação: do liberalismo ao neoliberalismo. Revista de Educação, 1 (1), 233-238.

Rede Brasil. (2017). Unicef lança plataforma para resgatar criança que estão for a da escola. Recuperado de http://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2017/06/unicef-lanca-plataforma-para-resgatar-criancas-que-estao-fora-da-escola.

Richi, A. (2012). Políticas públicas educacionais e a formação do cidadão na perspectiva da educação matemática. RPEM, 1 (1), 111-130.

Saldanha, J. R. L. (2006). Trabalho Infantil e Políticas Públicas de Erradicação. Recuperado de http://monografias.brasilescola.uol.com.br/direito/trabalho-infantil-politicas-publicas-erradicacao.htm

Santos, M. (2012, agosto). A abordagem das Políticas Públicas Educacionais para além da relação Estado e Sociedade. Anais do IX ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em

Educação da região Sul, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil. Recuperado de http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2046/147

Silva, J. P. C., & Ramalho, R. P. (2012). Programa de Erradicação do Trabalho Infantil-PETI desenvolvido no município de Gurinhém/PB: um estudo de caso sobre o contexto socioeducativo e assistencialista. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Shiroma, E. O., Moraes, M. C., & Evangelista, O. (2002). Política Educacional. 2ª Ed. Rio de Janeiro: DP&A.

Teixeira, E. C. (2002). O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Cadernos da AATR –BA (Associação de Advogados de Trabalhadores Rurais no Estado da Bahia), Bahia, 3-11.

Todos Pela Educação. (2015). Brasil ainda tem 2,5 milhões de crianças e jovens fora da escola, a maioria entre 15 e 17 anos. Recuperado de http://www.todospelaeducacao.org.br/reportagens-tpe/41690/brasil-ainda-tem-25-milhoes-de-criancas-e-jovens-fora-da-escola-a-maioria-entre-15-e-17-anos/.

Unicef. (2012). Iniciativa Global Pelas Crianças fora da Escola. Brasília, UNICEF.

Publicado
2017-12-22