A Festa Universitária como Prática Empreendedora: Economíadas em São Paulo

Rodrigo Guimarães Motta, Maria Amélia Jundurian Corá, Iara Cristina de Fatima Mola

Resumo


Este artigo se propõe a analisar como as festas universitárias – em especial, as Economíadas – podem contribuir para o fomento ao empreendedorismo estudantil. Concebida pelos alunos de Administração em 1991, as Economíadas são hoje realizadas pelos estudantes de universidades de Administração, Economia e Contabilidade do Estado de São Paulo, sendo que, dada a complexidade envolvida na sua realização, elas oferecem, além do protagonismo estudantil, uma oportunidade para que os alunos tenham uma vivência empreendedora na prática, uma vez que são eles os responsáveis pela organização anual do evento, que conta com aproximadamente 3.000 alunos e atletas. Os autores estudaram a festa por meio de estudo etnográfico e da análise de conteúdo dos dados obtidos através de observação participante dos pesquisadores, gravação de depoimentos e vivência de um dos autores que é atleta do evento desde a primeira edição. A partir do estudo, os autores concluíram que as Economíadas contribuem para a prática integradora dos seus participantes mediante três pilares, principalmente: o senso de pertencimento, o entusiasmo pela competição e a celebração da vida universitária por meio das festas que acontecem paralelamente às competições esportivas. Assim, esta festa termina por servir de forma espontânea como rito de passagem para a trajetória profissional daqueles que dela participam.

Palavras-chave


Economíadas. Festas universitárias. Empreendedorismo universitário.

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Cantillon, R. (1959). Essay on the nature of trade in general. Londres: Frank Cass.

Chang, Y. Y., Chang, Y. C. & Chen, C. W. (2017). Transformational leadership and corporate entrepre-neurship: cross level mediation moderation evidence. Leadership & Organization Development Jour-nal, (38), 6, 812-833.

Chanlat, J. F. (1995). Quais carreiras e para qual sociedade (I)? RAE – Revista de Administração de Em-presas, (35)6, 67-75.

Colbari, A. L. (2008). Os desafios da formação de empreendedores na sociedade brasileira. In: Anais… XXV Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Brasília, DF, Brasil.

Creswell, J. W. (2013). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco aborda-gens. Porto Alegre: Penso.

Endeavor Brasil. Quem somos. Recuperado de https://endeavor.org.br/quem-somos/.

FGV. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Sobre a EAESP. Recuperado de https://eaesp.fgv.br/sobre-eaesp.

Filion, L. J. (1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes

de pequenos negócios. Revista de Administração, (34)2, 5-28. Recuperado de https://www.academia.edu/1168821/Empreendedorismo_empreendedores_e_propriet%C3%A1rios-gerentes_de_pequenos_neg%C3%B3cios.

Filion, L. J. (2000). Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. RAE Light. RAE – Revista de Administração de Empresas, (7)3, 2-7. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rae/v40n3/v40n3a13.pdf.

G1. (2017). Com jogos e shows, 'Economíadas' deve movimentar R$ 5 milhões em São Carlos. Recupe-rado de https://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/com-jogos-e-shows-economiadas-deve-movimentar-r-5-milhoes-em-sao-carlos.ghtml.

Hisrich, R. & Peters, M. P. (1996). Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Hornaday, J. A. (1982). Research about living entrepreneurs. In Kent, C. A. et al (Orgs.). Encyclopedia of entrepreneurship (pp. 20-34). Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Meredith, G. G., Nelson, R. E. & Neck, P. A. (1982). The practice of entrepreneurship. Geneva, Interna-tional Labour Office.

Paiva Junior, F. G. (2004). O empreendedorismo na ação de empreender: uma análise sob o enfoque da fenomenologia sociológica de Alfred Schütz (Tese de Doutorado). Centro de Pós-Graduação e Pesqui-sas em Administração da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Plataforma Sucupira. (2019). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/index.xhtml.

Santos, A. L. (2015). Amor Preto e Amarelo. GVExecutivo. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/gvexecutivo/article/viewFile/49194/48007.

Say, J. B. (1983). Tratado de Economia Política. São Paulo: Abril Cultural.

Schumpeter, J. (1984). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

SciELO. (2019). Scientific Electronic Library Online. Recuperado de http://www.scielo.org.

Sebrae Nacional (2017). O empreendedorismo nas universidades brasileiras. Educação Empreendedo-ra. Recuperado de http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-empreendedorismo-nas-universidades-brasileiras,6ad3352450608510VgnVCM1000004c00210aRCRD.

Sebrae/IBPQ (2018). GEM 2018 – Global Entrepreneurship Monitor. Recuperado de https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2019/02/GEM-2018-Apresenta%C3%A7%C3%A3o-SEBRAE-Final-slide.pdf.

Souza, E. C. L. (2005). Empreendedorismo da gênese à contemporaneidade. In: Anais... EGEPE – Curiti-ba, Paraná, Brasil.

TIMMONS, J. A. (1978) Characteristics and role demands of entrepreneurship. American Journal of Small Business, (3)1, 5-17.




DOI: https://doi.org/10.21714/2019_v9i242273



TPA está presente nos seguintes Diretórios e Indexadores:

DIRETÓRIOS:

INDEXADORES:

REDIB
SPELL



TPA recomenda a leitura de:

Manual de Boas Práticas da Publicação Científica - ANPAD



Instituições de referência para a TPA:



Contato: tpa@ccsa.ufpb.br

TPA - Teoria e Prática em Administração

Licença Creative Commons
Os trabalhos publicados na Teoria e Prática em Administração (TPA) estão licenciados com uma
Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.



Projeto e direitos: Mariana Cantisani | Ronei Oliveira | Carlo Bellini