Buzinaços, Cânticos e Shows: o Empreendedorismo Cultural na Tradicional Festa do Caminhoneiro de Itabaiana-Sergipe

Gracyanne Freire de Araujo, Marcos Antônio de Souza Barbosa

Resumo


O empreendedorismo cultural tem assumido uma importância crescente no campo de estudos sobre empreendedorismo. Enquanto uma atividade que influencia a cultura, abre-se uma oportunidade de investigação do empreendedorismo cultural na organização de uma festa. Nesse intuito é que este estudo tem com o objetivo compreender como o empreendedorismo cultural se manifesta na realização da Festa do Caminhoneiro de Itabaiana, Sergipe. A relevância deste trabalho se dá pelo fato de avançar nos estudos sobre empreendedorismo cultural, carente de pesquisa e se favorece de uma pesquisa empírica realizada em uma festa em sua 53ª edição. A metodologia tem como base um estudo teórico-empírico em que foram utilizadas observação não participante e produção de vídeos como fontes primárias, complementadas por entrevistas e fotos. A Análise Temática é o método que permitiu a geração de temas a partir dos significados latentes contidos nos registros escritos ou gravados, bem como nas experiências individuais dos pesquisadores. Os resultados da pesquisa permitiram compreender que o empreendedorismo cultural se configura como uma atividade empreendedora a partir dos dois temas que emergiram em destaque: a) trabalho multifacetado e de várias motivações, e b) gestão baseada em relações sociais de prestígio. A organização, realização e manutenção da Festa do Caminhoneiro se caracteriza como um empreendimento cultural porque fomenta e desenvolve as forças empreendedoras da localidade, além de potencializar a cultura da cidade representada pela profissão do caminhoneiro e pela homenagem ao padroeiro.

Palavras-chave


Empreendedorismo Cultural. Atividade Empreendedora. Festa do Caminhoneiro.

Texto completo:

PDF

Referências


Alhojailan, M. I. (2012). Thematic Analysis: a critical review of its process and evaluation. West East Journal of Social Sciences, 1(1), 39-47.

Alves, E. P. M. (2016). As políticas de estímulo ao empreendedorismo cultural no Brasil o Sebrae como um agente estatal de mercado. Políticas Culturais em Revista, 9(2), 626-650.

Banks M., Lovatt, A., O’Connor, J., & Raffo, C. (2000). Risk and trust in the cultural industries. Geoforum, 31(4), 453-464.

Basu, A., & Altinai, E. (2002). The interaction between culture and entrepreneurship in London’s Immi-granting Businessess. International Small Business Journal, 20(4), 371-393.

Bendassoli, P. F., & Borges-Andrade, J. E. (2013). Desempenho Empreendedor nas Indústrias Criativas:

Propondo um Modelo Teórico. Temas em Psicologia, 21(1), 105 – 120.

Bendassolli, P. F., Wood Jr., T., Kirschbaum, C., & Cunha, M. P. (2009). Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 49(1), 10–18.

Bendassolli , P. F., & Wood Jr. T. (2010). O Paradoxo de Mozart: carreiras nas indústrias criativas. Revis-ta Organizações & Sociedade, 17(53), 259-277.

Benhamou, F. (2007) A economia da cultura. São Paulo: Ateliê Editorial.

Bjerke, B. (2007). Understanding Entrepreneurship. Chektenham: Edward Elgar.

Braun, V., & Clark, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research, 3(2), 77-101.

Campos, I. M. & Davel, E. P. B. (2017). Identidade, arte e gestão em prol do Empreendedorismo cultural: sarau Empreendedor como tecnologia social. RACE, 16(2), 783-808.

Costa, A. S. M., & Saraiva, L. A. S. (2012). Hegemonic discourses on entrepreneurship as an ideological mechanism for the reproduction of capital. Organization, 19(5), 587–614.

Cunliffe, A. L. (2011). Crafting Qualitative research: Morgan and Smircich 30 years on. Organizational Research Methods, 14, 647-673.

Cunliffe, A. L., & Karunanayake, G. (2013). Working within hyphen-spaces in ethnographic research: Implications for research identities and practice. Organizational Research Methods, 16, 364-392.

Cunningham, S. (2004). The creative industries after cultural policy: A genealogy and some possible preferred futures. International Journal of Culture Studies, 7(1), 105-115.

Davel, E. P. B., & Corá, M. A. J. (2016). Empreendedorismo cultural: cultura como discurso, criação e

consumo simbólico. Políticas Culturais em Revista, 9, 363–397.

Dimaggio, P. (1982). Cultural Entrepreneurship in nineteenth-century Boston: the creation of on orga-nizational base for high culture for America. Media, Culture and Society, 4, 33-50.

Elmeier, A. (2003). Cultural Entrepreneurialism: On the changing relationship Between the arts, culture and Employment. International Journal of Cultural Policy, 9(1), 3-16.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Artmed.

Gartner, W. B. (1988). Who is an entrepreneur is the wrong question. American Journal of Small Busi-ness, 11- 32.

Guarinello, N. L. (2001). Festa, trabalho e cotidiano. In: Jancsó, I. & Kantor, I. (Ed.). Festa: cultura e soci-abilidade na América Portuguesa. São Paulo: EDUSP/FAPESB/Imprensa Oficial.

Guerra, J. D. F. D. C., & Teodósio, A. D. S. D. S. (2014). Pedagogia empreendedora: uma crítica à luz das invenções do cotidiano. Farol: Revista de Estudos Organi zaci onai s e Sociedade, 1(2), 417-453.

Guerra, J. R. F., & Paiva Júnior, F. G. (2015). Produção Cultural e Empreendedorismo: uma abordagem crítica sob a perspectiva do circuito da cultura. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração. 39. Belo Horizonte-MG. Anais... Belo Horizonte.

Guerra, J. R. F., & Paiva Júnior, F. G. (2011). Empreendedorismo Cultural na produção cinematográfi-ca: a ação empreendedora de realizadores de filmes Pernambucanos. Revista de Administração e Ino-vação, 8(3), 78-99.

Heath, C., Hindmarsh, J., & Luff, P. (2010). Video em Qualitative Research Analysing Social Interaction in Everyday Life. London: SAGE.

Hjorth, D. (2011). On provocation, education and entrepreneurship. Entrepreneurship & Regional De-velopment, 23(1-2), 49-63.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (n.d.) Cidades. Recuperado em 27 de abril, 2019, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/se/itabaiana/pesquisa/38/46996?indicador=47008.

Judice, V. M. M., & Furtado, S. C. (2014). Gestão de empreendimentos criativos e culturais: estudo de uma organização de ensino e difusão de ritmos afro-brasileiros em São João DelRei (MG). Organizações & Sociedade, 21(69), 293-314.

Julien, P. A., Marchesnay, M., & Machado, H. V. (2010). Interdisciplinaridade da pesquisa em empreen-dedorismo e em PME: por uma teoria empreendedora que contemple diferenças culturais. Revista Ges-tão e Planejamento, 11(2), 355-368.

Knoblauch, H., Schnettler, B., & Raab, J. (2006). Video Analysis: Methodology and Methods. Qualitative Audiovisual Data Analysis in Sociology. Frankfurt: Peter Lang.

Landström, H., & Benner, M. (2010). Entrepreneurship research: a history of scholarly migration. In: Landstrom & Lohrke. Historical. Foundation of Entrepreneurship Research. Cheltenham: Edward El-gar.

Ländstrom, H., & Harichi, G. (2018). The social structure of entrepreneurship as a scientific field. Rese-arch Policy, 47, 650-662.

Lounsbury, M., & Glynn, M. A. (2001). Cultural Entrepreneurship: Stories, Legitimacy, and the Acquisi-tion of Resources. Strategic Management Journal, 22(6/7), 545-601.

Ludin, R. A., & Soderholm, A. (1995). A theory of the temporary organization. Scandinavian Journal of Management, 11, 437-455.

Machado, H. P. V., & Basaglia, M. M. (2013). Empreendedorismo e Cultura como campos de estudos complementares. In: Machado, H. P. V. Empreendedorismo, Oportunidades e Cultura: seleção de casos no contexto brasileiro. Maringá: Eduem.

Machado, H. V. (2013). Empreendedorismo, oportunidades e cultura. Maringá: Eduem.

Mendonça, C. (2015). A Evolução Comercial de Itabaiana. Aracaju: Infographics.

Michetti, M., & Burgos, F. (2016). Fazedores de cultura ou empreendedores culturais? Precariedade e desigualdade nas ações públicas de estímulo à cultura. Políticas Culturais em Revista, 9(2), 582-604.

Poorsoltan, K. (2012). Artists as entrepreneurs. International Journal of Entrepreneurship, 16, 83-100.

Reis, A. C. F. (2006). A Economia da Cultura e o Desenvolvimento Sustentável: o caleidoscópio da cultu-ra. São Paulo: Manolé.

Rentschler, R. (2007). Painting equality: female artists as cultural entrepreneurial marketers. Equal Opportunities International, 26(7), 665-677.

Serra, N., & Fernandez, F. S. (2014). Economia Criativa: da discussão do conceito à formulação de polí-ticas públicas. Revista de Administração e Inovação, 11(4), 355-372.

Shane, S., & Venkataraman, S. (2000). The promise of entrepreneurship as a field of research. Academy of Management Review, 25(1), 217-226.

Schumpeter, J. A. (1991). Comments on a plan for the study of entrepreneurship. In: Swedgerg (Ed.), Joseph A. Schumpeter: the economics and sociology of capitalism (pp. 406-428). Princeton: Princeton University Press.

Spilling, O. R. (1991). Entrepreneurship in a cultural perspective. Entrepreneurship & Regional Deve-lopment, 3, 33-48.

Scherdin, M., & Zander, I. (2011). Art entrepreneurship. Cheltenham: Edward Elgar Publishing Limited.

Steyart, C. (2007) “Entrepreneuring” as a conceptual attractor? A review of process theories in 20

years of entrepreneurship studies. Entrepreneurship and Regional Development, 19(6), 453–477.

Vale, G. M. V. (2014). Empreendedor: Origens, Concepções Teóricas, Dispersão e Integração.

Revista de Administração Contemporânea, 18(6), 874–89.

Vaismoradi, M., Jones, J., Turunen, H., & Snelgrove, S. (2016). Theme development in qualitative content analysis and thematic analysis. Journal of Nursing Education and Practice, 6(5), 398-405.




DOI: https://doi.org/10.21714/2019_v9i243250



TPA está presente nos seguintes Diretórios e Indexadores:

DIRETÓRIOS:

INDEXADORES:

REDIB
SPELL



TPA recomenda a leitura de:

Manual de Boas Práticas da Publicação Científica - ANPAD



Instituições de referência para a TPA:



Contato: tpa@ccsa.ufpb.br

TPA - Teoria e Prática em Administração

Licença Creative Commons
Os trabalhos publicados na Teoria e Prática em Administração (TPA) estão licenciados com uma
Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.



Projeto e direitos: Mariana Cantisani | Ronei Oliveira | Carlo Bellini