Festa, Cultura e Empreendedorismo Cultural: Uma Introdução

Eduardo Paes Barreto Davel, Fernando Gomes de Paiva Júnior

Resumo


As festas constituem traço marcante da cultura brasileira, mas ainda têm recebido pouca atenção por estudiosos de diversos campos de discussão alusivos a esse conhecimento. As festas também representam a essência da economia cultural e constituem exemplos típicos das áreas de organização e empreendedorismo que tratam de temáticas associadas a artes, empreendimentos culturais e diversão. Isso contempla a combinação de múltiplos interesses formativos e informativos atrelados à gestão em meio às humanidades. No entanto, nosso conhecimento ainda é limitado com respeito a reflexões referentes a conteúdos disciplinares circunscritos aos múltiplos saberes subjacentes ao empreendedorismo cultural que se encontra por traz das festas. Essa seção temática reúne um conjunto de artigos que contribuem para que o conhecimento sobre a relação entre festa, cultura e empreendedorismo cultural fique mais claro. Com isso, novos caminhos de pesquisa são propostos e discutidos.

Palavras-chave


Festa; Cultura; Empreendedorismo cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, R. d. C. d. M. P. (1998). Festa à brasileira: significados do festejar, no país que 'não é sério'. Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bureau, S., & Zander, I. (2014). Entrepreneurship as an art of subversion. Scandinavian Journal of Management, 30, 124-133.

Davel, E., & Corá, M. A. J. (2016). Empreendedorismo cultural: cultura como recurso retórico, processo de criação e de consumo simbólico. Políticas Culturais em Revista, 9(1), 363-397.

Duvignaud, J. (1983). Festas e civilizações. Fortaleza, Rio de Janeiro: EdUFCE, Tempo Brasileiro.

Farias, E. (2011). Ócio e negócio: festas populares e entretenimento-turismo no Brasil. Curituba: Appris.

Henry, C., & Bruin, A. d. (Eds.). (2011). Entrepreneurship and the creative economy: process, practice and policy. Cheltenham: Edward Elgar.

Hjorth, D. (2013). Public entrepreneurship: desiring social change, creating sociality. Entrepreneurship & Regional Development, 25(1-2), 34-51.

Lindgren, M., & Packendorff, J. (2003). A project-based view of entrepreneurship: towards action-orientation, seriality and collectivity. In C. Steyaert & D. Hjorth (Eds.), New movements in entrepreneurship. Cheltenham: Edward Elgar.

Miguez, P. (2012). A festa: inflexões e desafios contemporâneos. In L. Rubim & N. Miranda (Eds.), Estudos da festa. Salvador: EDUFBA.

Moraes Filho, M. (1979). Festas e tradições populares no Brasil. Belo Horizonte, São Paulo: Itatiaia, EDUSP.

Rindova, V., Barry, D., & Ketchen, J. D. J. (2009). Entrepreneuring as emancipation. Academy of Management Review, 34(3), 477-491.




DOI: https://doi.org/10.21714/2019_v9i246427



TPA está presente nos seguintes Diretórios e Indexadores:

DIRETÓRIOS:

INDEXADORES:

REDIB
SPELL



TPA recomenda a leitura de:

Manual de Boas Práticas da Publicação Científica - ANPAD



Instituições de referência para a TPA:



Contato: tpa@ccsa.ufpb.br

TPA - Teoria e Prática em Administração

Licença Creative Commons
Os trabalhos publicados na Teoria e Prática em Administração (TPA) estão licenciados com uma
Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.



Projeto e direitos: Mariana Cantisani | Ronei Oliveira | Carlo Bellini