Festa, Cultura e Empreendedorismo Cultural: Uma Introdução

  • Eduardo Paes Barreto Davel Universidade Federal da Bahia Escola de Administração
  • Fernando Gomes de Paiva Júnior Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Departamento de Ciências Administrativas.
Palavras-chave: Festa, Cultura, Empreendedorismo cultural.

Resumo

As festas constituem traço marcante da cultura brasileira, mas ainda têm recebido pouca atenção por estudiosos de diversos campos de discussão alusivos a esse conhecimento. As festas também representam a essência da economia cultural e constituem exemplos típicos das áreas de organização e empreendedorismo que tratam de temáticas associadas a artes, empreendimentos culturais e diversão. Isso contempla a combinação de múltiplos interesses formativos e informativos atrelados à gestão em meio às humanidades. No entanto, nosso conhecimento ainda é limitado com respeito a reflexões referentes a conteúdos disciplinares circunscritos aos múltiplos saberes subjacentes ao empreendedorismo cultural que se encontra por traz das festas. Essa seção temática reúne um conjunto de artigos que contribuem para que o conhecimento sobre a relação entre festa, cultura e empreendedorismo cultural fique mais claro. Com isso, novos caminhos de pesquisa são propostos e discutidos.

Referências

Amaral, R. d. C. d. M. P. (1998). Festa à brasileira: significados do festejar, no país que 'não é sério'. Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bureau, S., & Zander, I. (2014). Entrepreneurship as an art of subversion. Scandinavian Journal of Management, 30, 124-133.

Davel, E., & Corá, M. A. J. (2016). Empreendedorismo cultural: cultura como recurso retórico, processo de criação e de consumo simbólico. Políticas Culturais em Revista, 9(1), 363-397.

Duvignaud, J. (1983). Festas e civilizações. Fortaleza, Rio de Janeiro: EdUFCE, Tempo Brasileiro.

Farias, E. (2011). Ócio e negócio: festas populares e entretenimento-turismo no Brasil. Curituba: Appris.

Henry, C., & Bruin, A. d. (Eds.). (2011). Entrepreneurship and the creative economy: process, practice and policy. Cheltenham: Edward Elgar.

Hjorth, D. (2013). Public entrepreneurship: desiring social change, creating sociality. Entrepreneurship & Regional Development, 25(1-2), 34-51.

Lindgren, M., & Packendorff, J. (2003). A project-based view of entrepreneurship: towards action-orientation, seriality and collectivity. In C. Steyaert & D. Hjorth (Eds.), New movements in entrepreneurship. Cheltenham: Edward Elgar.

Miguez, P. (2012). A festa: inflexões e desafios contemporâneos. In L. Rubim & N. Miranda (Eds.), Estudos da festa. Salvador: EDUFBA.

Moraes Filho, M. (1979). Festas e tradições populares no Brasil. Belo Horizonte, São Paulo: Itatiaia, EDUSP.

Rindova, V., Barry, D., & Ketchen, J. D. J. (2009). Entrepreneuring as emancipation. Academy of Management Review, 34(3), 477-491.

Publicado
2019-07-28
Como Citar
Davel, E. P. B., & Paiva Júnior, F. G. de. (2019). Festa, Cultura e Empreendedorismo Cultural: Uma Introdução. TPA - Teoria E Prática Em Administração, 9(2), iii-ix. https://doi.org/10.21714/2238-104X2019v9i2-46427
Seção
Dossiê (Dossier)