O jovem Marx e a realização da filosofia

  • Ricardo Rojas Fabres Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Marx, Ética, Justiça

Resumo

O artigo acompanha o percurso filosófico do jovem Marx, que vai do hegelianismo de esquerda ao materialismo histórico e é profundamente influenciado por Feuerbach. Pretende-se demonstrar que o projeto marxiano está, em grande parte, vinculado à realização dos princípios filosóficos da tradição teórica que o antecedeu, em especial as ideias de Aristóteles e Kant. Ao fim, o trabalho reconstrói a gênese ontológica da revolução social em Marx, interpretando-a, nos termos do próprio autor, como um “imperativo categórico” (MARX, 2010a).

Biografia do Autor

Ricardo Rojas Fabres, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutorando em Filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

BEDESCHI, Giuseppe. Alienación y fetichismo en el pensamiento de Marx. Corazon, 1975.

BLOCH, Ernst. El principio esperanza, tomo I. Madrid: Aguilar,1977.

BRENKERT, George G. Marx's Ethics of Freedom. Routledge, 2013.

CHASIN, José. Marx: estatuto ontológico e resolução metodológica. São Paulo: Boitempo, 2009.

______. El principio esperanza, tomo II. Madrid: Editorial Trotta, 2007.

ENDERLE, Rubens. Introdução. In: Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.

ENGELS, Friedrick. Ludwig Feuerbach e o fim da filosofia clássica alemã. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 4, n. 2, p. 131-166, 2013.

FEUERBACH, Ludwig. Preleções sobre a essência da religião. Belo Horizonte; Papirus, 1989.

______. Princípios da Filosofia do Futuro. Lisboa; Lusosofia, 2008.

FLICKINGER, Hans; MARX, Karl. Marx: nas pistas da desmistificação filosófica do capitalismo. Porto Alegre; L & PM, 1985.

FREDERICO, Celso. O jovem Marx (1843-44): as origens da ontologia do ser social. São Paulo: Cortez, 2009.

______. Nas trilhas da emancipação. Marx, K. Contribuição à crítica da Filosofia do Direito de Hegel-Introdução. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2010.

FROMM, Erich. Marx y su concepto del hombre. México: Fondo de Cultura Económica, 1975.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1985.

______. Teoría de las necesidades en Marx. Barcelona: Ediciones Península, 1986.

KOWARZIK, Wolfdietrich Schmied. Práxis e responsabilidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

LEWIS, John. El Marxismo de Marx. Editorial Nuestro Tiempo: 1973.

LÖWY, Michael. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. São Paulo: Editora Cortez, 1992.

______. A teoria da revolução no jovem Marx. São Paulo: Vozes, 2002.

LUKÁCS, György. Ontologia do ser social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

MARCUSE, Herbert. Marx y el trabajo alienado. Barcelona: Editora Carlos Peres, 1969.

MÁRKUS, György. Marxismo y antropología. Barcelona: Grijalbo, 1974a.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

______. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2005.

______ and Friedrich Engels. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

______. Contribuição à crítica da Filosofia do Direito de Hegel - Introdução. São Paulo: Expressão Popular, 2010a.

______. Glosas Críticas Marginais ao Artigo “O Rei da Prússia e a Reforma Social” de um Prussiano. São Paulo: Expressão Popular, 2010b.

______. Sobre a questão judaica. São Paulo: Boitempo, 2010c.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

______. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2002b.

______. Filosofia, ideologia e ciência social: ensaios de negação e afirmação. São Paulo: Boitempo. 2008.

PETROVIC, Gajo. Necesidad de un concepto filosófico de revolución. In: La filosofia y las ciencias sociales. Grijalbo. 1976

TAYLOR, Charles. Hegel. Barcelona: Anthropos Editorial, 2010

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Filosofía y circunstancias. Madrid: Anthropos, 1997.

______. Filosofía de la praxis. México: Siglo XXI, 2003.

Publicado
2015-07-13
Como Citar
Fabres, R. R. (2015). O jovem Marx e a realização da filosofia. Aufklärung: Revista De Filosofia, 2(2), p.269-288. https://doi.org/10.18012/arf.2016.23962