A verdade cotidiana: qual a verdade científica?

  • Leilane Serratine Grubba Faculdade Meridional (IMED)
Palavras-chave: Epistemologia, Verdade, Conhecimento, Educação, Sankey

Resumo

Este artigo tem por objeto a noção verdade, utilizada no discurso cotidiano, e objetiva questionar a busca da ciência pelo conhecimento proposicional verdadeiro. Por meio do método dedutivo, o artigo problematiza o que significa a verdade no conhecimento proposicional do discurso cotidiano. A partir do pensamento de Howard Sankey, a hipótese é que a verdade adquire um caráter correspondencial realista, significando a correspondência entre o conhecimento proposicional e um determinado fato do mundo exterior. Para avaliar a hipótese apresentada, o artigo analisou a ideia de verdade que parece ser mais utilizada no discurso científico, isto é, a verdade do senso comum. Dessa avaliação, parece ser possível afirmar que a verdade utilizada pelo discurso científico é aquela que realiza uma correspondência entre a linguagem ou a representação mental com a realidade alheia à mente. Essa noção de verdade foi traduzida por Tarski no esquema-T (T-scheme). Para tanto, o primeiro capítulo dedicou-se a uma aproximação à busca da ciência pela verdade e o realismo científico. Por sua vez, o segundo capítulo dedicou-se a explicar o que é a verdade do discurso cotidiano ou verdade correspondencial.

Biografia do Autor

Leilane Serratine Grubba, Faculdade Meridional (IMED)
Doutora em Direito (UFSC) e Mestre em Direito (UFSC). Professora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da Faculdade Meridional (IMED).

Referências

BOHR, Niels. Física atômica e conhecimento humano: ensaios 1932-1957. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

LAUDAN, Larry. Beyond positivism and relativism. Boulder: Westview, 1996.

MUSGRAVE, Alan. The T-scheme plus epistemic truth equals idealism. In., Australian Journal of philosophy, 75 (1997), p. 490-496.

______. Essays on realism and rationalism. Amsterdam; Atlanta: Editions Rodopi, 1999.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 197-a.

______. O conhecimento e o problema corpo-mente. Lisboa: Edições 70, 2002.

______. Em busca de um mundo melhor. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SANKEY, Howard. Taxonomic incommensurability. In., International Studies in the Philosophy of Science. n. 12 (1). 1998. p. 7-16.

______. The language of Science: meaning variance and theory comparison. In., Language Sciences. n. 22 (2). 2000. p. 117-136.

______. Realism, method and truth. In., MARSONET, Michele (Ed.). The problem of realism. Ashgate: Aldershot, 2002.

______. Scientific realism and the rationality of science. Melbourne: Ashgate; MPG Books Ltd., 2008.

______. Semantic incommensurability and scientific realism. In., Studies in History and Philosophy of Science. n. 40 (2). 2009. p. 196-222.

TARSKI, Alfred. A concepção semântica da verdade. Tradução de Celso Reni Braida, Cezar Augusto Mortari, Jesus de Paula Assis e Luiz Henrique de Araújo Dutra. São Paulo: UNESP, 2007.

Publicado
2015-07-12
Como Citar
Grubba, L. S. (2015). A verdade cotidiana: qual a verdade científica?. Aufklärung: Revista De Filosofia, 2(2), p.207-228. https://doi.org/10.18012/arf.2016.24221