Cinema em Lukács: a atmosfera psíquica em movimento

Autores

  • José Deribaldo Gomes dos Santos Universidade Estadual do Ceará – FECLESC/UECE

DOI:

https://doi.org/10.18012/arf.v7i3.52408

Palavras-chave:

Cinema, Dupla mimese, Atmosfera cinematográfica, Lukács

Resumo

O artigo dialoga com o debate empreendido por Lukács sobre cinema. Para esse autor, o filme é fruto de uma classe de reflexo que duplica a mimese. Opta-se, metodologicamente, por um estudo de caráter teórico-bibliográfico em que se opera uma leitura imanente de parte da Estética do húngaro. Sob tais orientações, a comunicação tematiza os principais pontos pelos quais Lukács ergue seu entendimento sobre a arte cinematográfica: 1) relação com o desenvolvimento da técnica; 2) autenticidade cinematográfica; 3) tendência a minimizar a objetividade indeterminada: labilidade e elasticidade; 4) atmosfera psíquica; 5) “linguagem” cinematográfica. A exposição entende que o cinema, embora tenha nascido como um produto do capitalismo desenvolvido, guarda a contradição de possuir elevado nível de realismo, ao mesmo tempo em que pode trafegar as mais tacanhas ideologias burguesas.

Biografia do Autor

José Deribaldo Gomes dos Santos, Universidade Estadual do Ceará – FECLESC/UECE

Doutor em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará – UFC, Professor da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central da Universidade Estadual do Ceará – FECLESC/UECE, do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/UECE e do Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação e Ensino – MAIE/UECE. Pesquisador do Instituto de Estudos e Pesquisas do Movimento Operário – IMO/UECE, da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FUNCAP. Coordenador do Laboratório de Pesquisas sobre Políticas Sociais do Sertão Central – Lapps. Líder do Grupo de Pesquisa Trabalho, Educação, Estética e Sociedade – GPTREES/UECE/CNPq. Bolsista de pós-doutorado da CAPES na Universidad Complutense de Madrid – UCM. Endereço: Rua Francisco Pinheiro de Almeida, 2559, Quixadá, Ceará, 88-34451036. E-mail: deribaldo.santos@uece.br.

Referências

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

DUARTE, Elandia Ferreira. Cinema e educação: uma crítica onto-materialista. Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Acadêmico em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará, 2019.

KRACAUER, Siegfried. De Caligari a Hitler: uma história psicológica do cinema alemão. Rio de Janeiro, Zahar, 1988.

LISPECTOR, Clarice. Entrevista concedida a Júlio Lemer. São Paulo: TV Cultura, 1977.

LUKÁCS György. Lukács e o cinema. In: CHAGAS, Rodrigo (org). Cinema, Educação & Arte. Boa Vista: editora da UFRR, 2013. Tradução Lívia Contrim.

LUKÁCS, George. Estética: la peculiaridad de lo estético. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1966. v.1.

LUKÁCS, George. Estética: la peculiaridad de lo estético. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1966. v.2.

LUKÁCS, George. Estética: la peculiaridad de lo estético. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1967. V.3.

LUKÁCS, George. Estética: la peculiaridad de lo estético. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1967. v.4.

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Expressão Popular, 2008. O quarto de Jack. Lenny Abrahamson. A24. Estados Unidos. 118 min, 2015.

MÉSZÁROS, István (2000). A crise estrutural do capital. Outubro: Revista do Instituto de Estudos Socialistas, São Paulo, n. 4. pp. 07-15.

SANTOS, Deribaldo. Estética em Lukács: a criação de um mundo para chamar de seu. São Paulo: Instituto Lukács, 2018.

VIEIRA PINTO, Álvaro. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contrapontos, 2008.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-11-28

Como Citar

Gomes dos Santos, J. D. (2020). Cinema em Lukács: a atmosfera psíquica em movimento. Aufklärung: Revista De Filosofia, 7(3), p.133–146. https://doi.org/10.18012/arf.v7i3.52408

Edição

Seção

Artigos