Um debate sobre feminismos decoloniais e suas repercussões para pesquisas em povos indígenas no Brasil

Palavras-chave: Colonialidade, Gênero, América Latina, Sexualidade, Povos Indígenas

Resumo

Este texto procura apresentar um debate sobre os feminismos decoloniais, além da discussão acadêmica sobre a colonialidade. Meu objetivo é indicar caminhos possíveis para pesquisadorxs interessadxs nas chaves decoloniais, mas insatisfeitxs com suas limitações quando se deparam com situações empíricas. Desta forma, apresentarei de maneira geral o pensamento descolonial para trazer algumas reflexões sobre a colonialidade e gênero usando dois textos de autores latino-americanos (Ochy Curiel e Breny Mendoza). No final, traço algumas possibilidades teóricas e metodológicas, à luz tanto da discussão desses textos quanto da pesquisa que desenvolvi com povos indígenas no Brasil. Meus estudos com mulheres indígenas e com o movimento LGBTIQ indígena no Brasil têm apontado, até agora, para um movimento original e radical, além das discussões descoloniais, apontando novas possibilidades além daquelas indicadas pelas discussões teóricas aqui apresentadas.

Biografia do Autor

Estevão R. Fernandes, Universidade Federal de Rondônia
Doutor em Estudos Comparados sobre as Américas (UnB, 2015), Mestre em Antropologia (UnB, 2005)
Publicado
2019-12-17
Como Citar
FERNANDES, E. R. Um debate sobre feminismos decoloniais e suas repercussões para pesquisas em povos indígenas no Brasil. Revista Ártemis, v. 28, n. 1, p. 38-51, 17 dez. 2019.
Seção
Literatura indígena, pensamento decolonial e gênero