FIXAÇÃO BIOLÓGICA DO NITROGÊNIO NA CULTURA DO MILHO

Isabel Cristina Vinhal-Freitas, Mariana Bueno Rodrigues

Resumo


O nitrogênio é frequentemente o nutriente mais limitante à produção das culturas, uma vez que apenas uma fração do nitrogênio atmosférico é disponibilizado para as plantas através da fixação biológica de nitrogênio (FBN). Aumentar a capacidade de FBN às plantas que não são leguminosas seria uma tecnologia útil para aumentar o rendimento das culturas entre os agricultores com poucos recursos. As técnicas de manipulação genética podem ser utilizadas para a eficiência dessa tecnologia. Entretanto, quanto maior a compreensão sobre a bioquímica e fisiologia da FBN, parece menos provável que este objetivo seja alcançado “simplesmente” através da transferência de genes para a fixação de nitrogênio às culturas. Do N total aplicado a uma cultura, raramente mais do que 50% é assimilado, e muitas vezes a eficiência de utilização é muito menor. O processo natural de fixação biológica de nitrogênio (FBN) tem um papel fundamental no desenvolvimento de uma agricultura sustentável. Esse processo minimiza a necessidade de adubação nitrogenada, concomitante aos efeitos benéficos decorrentes sobre o ciclo global do nitrogênio, o aquecimento global, e contaminação no solo e da água. Esse processo natural é dependente de microorganismos em simbiose ou associação com as plantas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v31i2.4515

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional