Anúncios

Âncora recebe artigos para Dossiê Especial

 

 

 |Dossiê temático|

Governança da internet, o papel do jornalismo e as mídias sociais: entre vigilância, controvérsias e resistências

Data de envio dos artigos: 30 de abril de 2023

Publicação do dossiê: fim de julho de 2023

Editoras convidadas: Eliara Santana (Observatório da Eleições e da Democracia INCT/UFMG e IEL/Unicamp) e Silvia Garcia Nogueira (Mopri/ Centro de Estudos Avançados em Políticas Públicas e Governança -CEAPPG/ UEPB)

 

A governança da internet vem ganhando cada vez mais evidência nos últimos anos, devido principalmente a acontecimentos, mundialmente midiatizados, que têm revelado atividades controversas envolvendo atores privados, políticos e internautas. Um exemplo é o escândalo da Cambridge Analytica (Lagos, 2020; D’Andréa, 2020) ou ainda a Clearview (Rohr, 2020), que revelou a violação de privacidade de internautas por empresas que utilizam dados retirados das grandes plataformas digitais. A concentração da circulação, armazenamento e tratamento de dados massivos nas mãos dos atores privados que compõem o acrônimo GAFAM (Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft) é um fator que vem sendo criticado e combatido, fazendo os dirigentes dessas plataformas reagirem, como é o caso do fundador do Facebook que apresenta a rede como “neutra” e vislumbra sua atuação na construção de uma comunidade global[1]. Seja em período eleitoral ou não, já ficou evidente como as plataformas, mundialmente estabelecidas, podem atuar sobre os fluxos de notícias, dificultando a diversidade de informações e distanciando o usuário do que seria uma circulação livre e equilibrada na web.

Dessa forma, a governança da internet parece ser uma questão central para os estudos em comunicação, mas que é ainda pouco trabalhada na área (Montenegro, 2021), sendo que muitos deles  estão vinculados à área de relações internacionais, já que diferentes organizações e acordos de cooperação internacionais de alcance global atuam na temática, como o Working Group on Internet Governance (WGIG), um grupo de trabalho da Organização das Nações Unidas (ONU), em que o foco são questões regulatórias, internacionais e de soberania.

Por outro lado, essa questão se coloca como essencial para o jornalismo, em face dos desafios trazidos para a prática, mas também em função de temas e questões que emergem com bastante evidência e força com as mídias sociais, em especial a efervescência das redes sociais, como a liberdade de expressão, por exemplo. O tema, que continua a ser essencial, suscita defesas e ataques, além de uma reconfiguração conceitual que surge na interface ideológica dos grupos que se apropriam da abordagem e a ressignificam com novos matizes. 

A definição de governança da internet consiste na: “elaboração e aplicação pelos Estados, setor privado e sociedade civil, no âmbito de seus respectivos papeis, de princípios, normas, regras, procedimentos decisórios e programas comuns capazes de moldar a evolução e o uso da internet” (UN, 2005, p. 4). Assim, o Marco Civil da Internet (Lei 12.965, de 23 de abril de 2014) pode ser considerado um exemplo de governança, que alçou o Brasil ao reconhecimento mundial por ter criado uma das primeiras legislações que reconhecem a neutralidade da rede como direito da cidadania (Barros, 2016). O reconhecimento também veio um ano depois quando o país sediou, em 2015, em João Pessoa (PB), o evento internacional do IGF (Internet Governance Forum), o Fórum da Governança da Internet.

Este número da Revista Âncora tem como objetivo, portanto, reunir trabalhos que façam a articulação entre governança da internet, o papel do jornalismo e as mídias sociais, privilegiando uma abordagem interdisciplinar. Os artigos poderão combinar estudos sobre a a cobertura jornalística sobre as plataformas e sua atuação, bem como sobre escândalos ou controvérsias sobre vigilância digital, moderação de conteúdo pelas plataformas ou das novas normas que regem as plataformas e seus termos de uso (D’Andréa, 2020) e sua relação com a produção jornalística. Assim como temas e investigações ligados às políticas públicas e à legislação aplicada aos meios de comunicação e aos setores digitais, o que pode afetar o trabalho jornalístico. Além disso, as propostas poderão abordar ainda as mobilizações voltadas para a defesa das liberdades públicas ou fundamentais (liberdade de expressão, liberdade de imprensa), sobretudo diante de um cenário complexo em que usuários, jornalistas, dirigentes e empresas jornalísticas oscilam entre críticas e adesão às plataformas.

Nas propostas de artigos, a própria noção de governança, como é definida institucionalmente há mais de 15 anos (Musiani; Schafer, 2018), pode ser problematizada, já que pode ser articulada principalmente a dois outros conceitos: o de governança digital, que é estudada no Brasil em sua capacidade como serviço público – governo, aberto, público, eletrônico, serviços (Montenegro, 2021); e o de governamentalidade (Foucault, 2004), uma vez que a evolução da internet moldou, do ponto de vista socioeconômico e também técnico, uma governança baseada na vigilância, que é sobretudo evidenciada por meio das relações de poder que se desenrolam dentro dos dispositivos técnicos que os indivíduos usam diariamente. Sendo a governança da Internet um processo eminentemente político e social, poderíamos pensar também na governança da internet como um “problema público” (Neveu, 2015), definindo, a partir dessa concepção, quais enquadramentos, narrativas e argumentações contribuem para a construção desse tema na esfera pública.

Por fim, os artigos podem também apresentar estudos sobre iniciativas de resistências, ou táticas, da parte de usuários ou internautas que atuam, por exemplo, por diretrizes de acessibilidade; contra a coleta de dados operada pelas plataformas, contra a atuação delas no meio ambiente (Lefèvre; Wiart, 2021) ou que tenham desenvolvido “plataformas cidadãs” de cooperação entre diferentes atores. O desafio aqui é demonstrar quais oportunidades existem para resistir, questionar e tentar mudar a influência das plataformas globais já estabelecidas.

Assim, sugerem-se a seguir alguns temas, sem excluir outras propostas:

  • Discussões sobre o conceito de Governança da internet e Governança Digital; e aproximações com o conceito de governamentalidade;
  • Jornalismo e liberdade de expressão;
  • Governança da internet, moderação de conteúdos e conteúdos impulsionados;
  • Governança da internet e modos de regulação das indústrias midiáticas ou digitais (políticas públicas, legislação aplicada aos setores midiático e digital como a PL 2630, por exemplo);
  • Governança da internet, plataformas e controvérsias (escândalos, pandemia, desinformação);
  • Governança algorítmica; plataformas e termos de uso;
  • Governança da internet e mobilização social (contra coleta e armazenamento de dados, vigilância, spam, por exemplo);
  • Governança da internet e críticas ao digital/atores industriais digitais (GAFAM; Tencent, Alibaba...)
  • Governança da internet e acessibilidade.

 

***

Esta chamada conta com o apoio da FAPESQ, Termo de Outorga nº 3294/2021, Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (FAPESQ). Edital nº 006/2020 PDCTR-PB (MCTIC/CNPq/FAPESQ-PB).

 

Submissão de artigos completos (30 a 50 mil caracteres com espaço, incluindo referências e notas de rodapé) até 20 de março de 2023 pelo sistema da Revista: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ancora

A Comissão Editorial da Revista Latino-Americana de Jornalismo - ÂNCORA recebe em fluxo contínuo trabalhos acadêmicos inéditos de doutores e doutorandos do Brasil e do exterior. Autores fora desse espectro, excepcionalmente mestres e mestrandos, podem inscrever artigos em coautoria com autores doutores. Os artigos serão avaliados pelo processo de revisão cega pelos pares.

 

Referências

BARROS, S. A. R. Os desafios das consultas públicas online: lições do Marco Civil da Internet. Link em Revista, v. 12, n. 1, 2016.

D’ANDRÉA, C. Pesquisando plataformas online: conceitos e métodos. Salvador: EDUFBA. 2020.

FOUCAULT, M. La gouvernementalité. Dits et écrits 1954-1988, III, Paris : Gallimard, 2011.

GOOGLE NEWS lança Destaques, com notícias selecionadas pelos veículos. Folha de S.Paulo. 1 out. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/10/google-news-lanca-destaques-com-noticias-selecionadas-pelos-veiculos.shtml

LAGOS, C. P. Rendre visibles les conséquences de la surveillance numérique Le cas du « scandale » Cambridge Analytica. Communication, v. 37/2,  2020. DOI : https://doi.org/

10.4000/communication.13252

LEFEVRE, B., WIART, L. Les hubs eWTP d’Alibaba : une stratégie globale d’articulation d’écosystèmes locaux. Les Enjeux de l’Information et de la Communication, n°21/1, 2020, p.71 à 89, Disponível em : https://lesenjeux.univ-grenoble-alpes.fr/2020/varia/05-les-hubs-ewtp-dalibaba-une-strategie-globale-darticulation-decosystemes-locaux/

MONTENEGRO, L.M.B. Governança Digital do Combate à Violência Online de Gênero. Análise de estratégias de organizações de resistência sob a perspectiva do processo de construção do problema público. Tese (Doutorado em Comunicação), Universidade de Brasília, 2021.

MUSIANI, F.; SCHAFER, V. La gouvernance, un enjeu transversal d’Internet au numérique. Enjeux numériques, n. 4, 2018, Annales des Mines.

NEVEU E.. Sociologie politique des problèmes publics. Paris : Armand Colin, 2015.

ROHR, A. Empresa de reconhecimento facial Clearview notifica clientes sobre vazamento de dados. G1. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/tecnologia/blog/altieres-rohr/post/2020/02/27/empresa-de-reconhecimento-facial-clearview-notifica-clientes-sobre-vazamento-de-dados.ghtml. Acesso em: 19 jun. 2022.

  1. United Nations. General Assembly. Report of the Working Group on Internet Governance. Disponível em: http://www.wgig.org/docs/WGIGREPORT.pdf. Acesso em: 30 mar. 2022.

WAGNER, Flávio Rech; CANABARRO, Diego Rafael. A Governança da Internet: definição, desafios e perspectivas. In: PIMENTA, Marcelo Soares; CANABARRO Diego Rafael (orgs.). Governança Digital. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV, 2014, p. 191-209.

 

 

 

Revista Latino-americana de Jornalismo - Âncora

ÂNCORA: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ancora/

 

[1] Building Global Community. Disponível em: https://www.facebook.com/notes/3707971095882612/

  • CHAMADA PRORROGADA!!!

    2024-05-15

     

    A  Revista Âncora - Revista Latino-americana de Jornalismo do Programa em Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba - UFPB prorrogou a chamada de trabalhos para o v.11, n.1 (2024). Edição com Pauta Livre. 

     Submissões

    As submissões deverão ser encaminhadas para a revista por meio do site (https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ancora/index) até o dia 27 de maio de 2024, conforme as diretrizes para os autores. A edição da revista será publicada em julho de 2024.

    Saiba mais sobre CHAMADA PRORROGADA!!!
  • Lançamento do livro-coletânea “De GADANHO a CLOSES: memória, cinema Super-8, apagamentos e resistência cultural na Paraíba”

    2022-11-23

    É com grata satisfação acadêmica que a Revista Latino-americana de Jornalismo Âncora e o Programa de Pós-graduação em Jornalismo da UFPB encaminham o livro-coletânea “De GADANHO a CLOSES: memória, cinema Super-8, apagamentos e resistência cultural na Paraíba” (2022), organizado pelos professores João de Lima Gomes e Pedro Nunes.

    A obra conta com a participação de vários pesquisadores e pesquisadoras brasileiras com olhares interpretativos sobre o cinema Super-8 paraibano, no período de 1979 a 1985. O livro foca, principalmente, nos filmes Gadanho (1979) de João de Lima e Pedro Nunes, e Closes (1982) de Pedro Nunes e, também, apresenta como destaque outras obras que são referência cultural nessa fase final da Ditadura Civil-Militar.

    Integram a referida coletânea os seguintes pesquisadores e pesquisadoras:  Alexandre FIGUEIRÔA (UNICAPE), André Huchi DIB (UFPB), Arthur MORAIS, Bruno ROSSATO (UERJ), Claudio Cardoso PAIVA (UFPB), Deisy Fernanda FEITOSA (USP), Fernando Trevas FALCONE (UFPB), Hélder Paulo Cordeiro da NÓBREGA (UFPB), João Carlos MASSAROLO (UFScar), João de Lima GOMES (UFPB), Jomard Muniz de BRITTO (UFPE\UFPE), Kellyanne Carvalho ALVES (UFCG), Laércio Teodoro da SILVA (UFPE), Lauro NASCIMENTO (UFPB), Odécio ANTONIO JUNIOR (CEARTE), Pedro NUNES (UFPB), Vania PERAZZO BARBOSA (UFPB) e Vinicius Leite REIS (UNESA-RJ).

    Para maiores informações acessem o link:
    [http://www.ccta.ufpb.br/ppj/contents/noticias/seminario-de-lancamento-do-livro-201cde-gadanho-a-closes201d-de-autoria-de-joao-de-lima-gomes-e-pedro-nunes ]

     

    Solicitamos compartilhar o e-book com os demais professores. Anexamos a versão do livro em PDF.

    Atenciosamente,

    Programa de Pós-graduação em Jornalismo da UFPB.




    João Pessoa, 22.11.2022. 

    Saiba mais sobre Lançamento do livro-coletânea “De GADANHO a CLOSES: memória, cinema Super-8, apagamentos e resistência cultural na Paraíba”
  • ÂNCORA RECEBE ARTIGOS PARA DOSSIÊ SOBRE GOVERNANÇA DA INTERNET

    2022-10-28

    Revista Âncora, periódico editado pelo Programa em Pós graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), está com chamada de trabalhos aberta até 15 de dezembro para o dossiê temático "Governança da internet, o papel do jornalismo e as mídias sociais: entre vigilância, controvérsias e resistências".

    Editado por Eliara Santana (INCT-UFMG/IEL-Unicamp) e Silvia Garcia Nogueira (Mopri/CEAPPG-UEPB), além de Paula de Souza Paes (UFPB), editora da revista, o dossiê tem publicação prevista para o final de junho de 2023.

    Entre os temas sugeridos, estão:

    ● Discussões sobre o conceito de Governança da internet e Governança Digital; e aproximações com o conceito de governamentalidade;

    ● Jornalismo e liberdade de expressão;

    ● Governança da internet, moderação de conteúdos e conteúdos impulsionados;

    ● Governança da internet e modos de regulação das indústrias midiáticas ou digitais (políticas públicas, legislação aplicada aos setores midiático e digital como a PL 2630, por exemplo);

    ● Governança da internet, plataformas e controvérsias (escândalos, pandemia, desinformação);

    ● Governança algorítmica; plataformas e termos de uso;

    ● Governança da internet e mobilização social (contra coleta e armazenamento de dados, vigilância, spam, por exemplo);

    ● Governança da internet e críticas ao digital/atores industriais digitais (GAFAM; Tencent, Alibaba...)

    ● Governança da internet e acessibilidade.

    A chamada completa está publicada no site da revista.

    Saiba mais sobre ÂNCORA RECEBE ARTIGOS PARA DOSSIÊ SOBRE GOVERNANÇA DA INTERNET
  • CHAMDA DOSSIÊ PARA 2023 - Governança da internet, o papel do jornalismo e as mídias sociais: entre vigilância, controvérsias e resistências

    2022-07-08

    Data de envio dos artigos: 20 de junho 2022 – 20 de novembro 2022

    Publicação do dossiê: fim de junho de 2023

    Editoras convidadas: Eliara Santana (Observatório da Eleições e da Democracia INCT/UFMG e IEL/Unicamp) e Silvia Garcia Nogueira (Mopri/ Centro de Estudos Avançados em Políticas Públicas e Governança -CEAPPG/ UEPB)

    Saiba mais sobre CHAMDA DOSSIÊ PARA 2023 - Governança da internet, o papel do jornalismo e as mídias sociais: entre vigilância, controvérsias e resistências
  • Chamada para 2° Semestre de Âncora

    2019-07-02

    Eixo Temático: Estudos feministas e de gênero em jornalismo: história, metodologia e epistemologia

    Editoras convidadas: Glória Rabay (UFPB), Gabriela Almeida (UFSC) e Jéssica Gustafson (UFSC).

    A trajetória da relação ambígua e potente entre o feminismo e a academia é longa. Dos chamados estudos de mulheres, até a década de 1970, ao campo dos estudos de gêneros, que se intensificaram a partir da década de 1980, a atuação de feministas dentro das universidades provocou tensionamentos em alicerces importantes do que tradicionalmente se entendia por conhecimento válido, assim como o perfil e atributos esperados para caracterizar o então sujeito produtor do saber científico. As feministas ingressam na academia e não apenas passaram a pesquisar a situação da mulher na sociedade, mas também denunciar o caráter masculinista da produção de conhecimento, questionando se a lógica acadêmica e científica em vigor até o momento poderia realmente dar vazão aos projetos feministas: “A procura por novas maneiras de pensar a cultura e o conhecimento marca estes estudos, com o questionamento dos paradigmas das ciências e as definições tradicionais de sociedade, política, público, privado, autonomia, liberdade, etc.” (ZIRBEL, 2007, p. 19).

    Passadas décadas desta entrada nada despretensiosa, o movimento feminista e sua atuação dentro da esfera acadêmica têm se deparado com questões importantíssimas, como a consideração da diferença dentro da diferença, de feminismos dentro do feminismo. A desconsideração de outros marcadores sociais, como raça, classe, sexualidade, etnia e geração, demonstrou seguir a mesma lógica opressora que tentavam combater. Substituir a universalidade do sujeito homem-branco-heterossexual pela da mulher-branca-heterossexual se tornou armadilha para a potencialidade do pensamento feminista e dos estudos de gênero. O conceito de interceccionalidade, cunhado por Kimberlé Crenshaw (2004) e lapidado por diversas outras teóricas, não pode ser mais desconsiderado. O resgate e disseminação da produção de feministas chicanas e latino-americanas vem proporcionando mais um salto político e teórico, trazendo o que Simone Pereira Schmidt (2015) chama de caminho ao Sul, uma “possibilidade para os estudos de gênero, em seu percurso nômade e contestador, descentrado, na fronteira, no exílio, e na intersecção” (SCHMIDT, 2015, p. 494).

    Essa breve introdução não foi escrita apenas para situar o momento e percurso dos estudos feminista e de gênero na academia, mas para embasar a pergunta: e o jornalismo com tudo isso? Na comunicação, as relações com os estudos feministas e de gênero no início da década de 2000 eram ainda pouco exploradas (ESCOSTEGUY;MESSA, 2008). Só na virada para a década de 2010, com volume e constância de pesquisas, que o espaço dos estudos feministas e de gênero no campo é reforçado. A institucionalização desse espaço ganhou expressividade nos encontros do ano de 2018 da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, com a criação do Grupo de Trabalho Comunicação, Gêneros e Sexualidade, e da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, com a mesa de trabalhos Mulheres e questões de gênero.

    Podemos afirmar que os estudos feministas e de gênero atravessam por completo o jornalismo, da sua produção à recepção, na maior parte do mundo. Prova dessa afirmativa são alguns dos estudos produzidos ao longo dos anos 2000. São pesquisas que buscam identificar o lugar das questões de gênero na notícia (FERNANDES, 2015; COSTA, 2015; MARTINS, 2010; VEIGA DA SILVA, 2010), na profissão do jornalismo (PORTELA, 2015; DIAS, 2001; MATOS, 2006; CRIADO, 2001) e investiga o conhecimento do jornalismo a partir de uma perspectiva feminista (VEIGA DA SILVA, 2015). Além disso, os estudos apresentam dados de proporções globais (VELOSO, 2013).

    Saiba mais sobre Chamada para 2° Semestre de Âncora
  • Âncora prorroga prazo para envio de artigos

    2019-02-14

    O Dossiê "Jornalismo, Ciências Sociais e Humanas: intersecções, transversalidades e fronteiras", que tratará sobre o campo reflexivo do jornalismo e os contributos fundamentais das áreas das ciências humanas e sociais. 

    A nova data limite para o envio de artigos: 26 de março de 2019

    Link pra submissão: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ancora/about/submissions#onlineSubmissions

    Saiba mais sobre Âncora prorroga prazo para envio de artigos
  • PROGRAME-SE: ÂNCORA lança chamadas para 2019

    2018-12-12


    Para o 1° Semestre o  Eixo Temático será: "Jornalismo, Ciências Sociais e Humanas: intersecções, transversalidades e fronteiras."
    http://bit.ly/2QNieXP

    No 2° Semestre, Eixo Temático será:
    "Estudos feministas e de gênero em jornalismo: história, metodologia e epistemologia."
    Editoras convidadas: Glória Rabay (UFPB), Gabriela Almeida (UFSC) e Jéssica Gustafson (UFSC).
    http://bit.ly/2UCjYCy

    Saiba mais sobre PROGRAME-SE: ÂNCORA lança chamadas para 2019
  • ÂNCORA lança chamada para o 2º semestre de 2019

    2018-12-12

    Eixo Temático: Estudos feministas e de gênero em jornalismo: história, metodologia e epistemologia

    Editoras convidadas: Glória Rabay (UFPB), Margarete Almeida (UFPB), Gabriela Almeida (UFSC) e Jéssica Gustafson (UFSC).

    A trajetória da relação ambígua e potente entre o feminismo e a academia é longa. Dos chamados estudos de mulheres, até a década de 1970, ao campo dos estudos de gêneros, que se intensificaram a partir da década de 1980, a atuação de feministas dentro das universidades provocou tensionamentos em alicerces importantes do que tradicionalmente se entendia por conhecimento válido, assim como o perfil e atributos esperados para caracterizar o então sujeito produtor do saber científico. As feministas ingressam na academia e não apenas passaram a pesquisar a situação da mulher na sociedade, mas também denunciar o caráter masculinista da produção de conhecimento, questionando se a lógica acadêmica e científica em vigor até o momento poderia realmente dar vazão aos projetos feministas: “A procura por novas maneiras de pensar a cultura e o conhecimento marca estes estudos, com o questionamento dos paradigmas das ciências e as definições tradicionais de sociedade, política, público, privado, autonomia, liberdade, etc.” (ZIRBEL, 2007, p. 19).

    Saiba mais sobre ÂNCORA lança chamada para o 2º semestre de 2019
  • Appel à articles Vol.6, n. 1, 2019 - Dossier thématique Journalisme, sciences sociales et humaines : intersections, transversalité et frontières

    2018-12-03

    Dossier Thématique

    Journalisme, sciences sociales et humaines : intersections, transversalité et frontières

    Le domaine de réflexion du journalisme, tout au long de sa trajectoire, a reçu des contributions fondamentales des sciences humaines et sociales, dans un débat qui a favorisé des intersections pertinentes pour sa compréhension en tant que domaine de connaissance. Des chercheurs de différents pays e domaine d'études s'intéressent aux interfaces entre le journalisme et la littérature (Martinez, 2016, Ruellan, 2007, 1997), la sociologie (Goulet, Ponet, 2009, Tavernier, 2009) entre autres domaines.

    Il est vrai qu’au cours des cinquante dernières années, en particulier au Brésil, avec l’expansion de l’enseignement supérieur et le renforcement des réseaux de recherche, le domaine d’étude sur le journalisme a acquis une autonomie et une spécificité sans pour autant mettre à l’écart les espaces interdisciplinaire et multidisciplinaire qui le constitue comme un champ de connaissance.

    Saiba mais sobre Appel à articles Vol.6, n. 1, 2019 - Dossier thématique Journalisme, sciences sociales et humaines : intersections, transversalité et frontières
  • ÂNCORA lança nova chamada internacional para Vol. 6, n. 1, 2019

    2018-12-03

    Jornalismo, Ciências Sociais e Humanas: intersecções, transversalidades e fronteiras

    O campo reflexivo do jornalismo, ao longo da sua trajetória histórica, recebeu contributos fundamentais das áreas das ciências humanas e sociais, num debate que promoveu intersecções relevantes para a sua compreensão como um campo de conhecimento. Pesquisadores de diferentes áreas de estudo e países se interessam às interfaces do jornalismo com a literatura (Martinez, 2016; Ruellan, 2007; 1997), a sociologia (Goulet; Ponet, 2009; Tavernier, 2009), a história (Romancini, 2010) entre outras áreas.

    É certo que, nos últimos cinquenta anos, sobretudo no Brasil, com a ampliação dos cursos de graduação e pós-graduação na área, e o fortalecimento das redes de pesquisa, o campo jornalístico foi ganhando autonomia e especificidade sem, entretanto, abdicar do relevante espaço inter e multidisciplinar que o constituiu como campo de saber.

    Saiba mais sobre ÂNCORA lança nova chamada internacional para Vol. 6, n. 1, 2019
  • Colabore com novo dossiê de Âncora

    2018-08-01

    O Vol.5. N.1 da Revista Âncora teve que reestruturar sua última chamada, em razão dos conjuntos dos artigos que recebeu em fluxo contínuo. Assim, o próximo número relativo aos meses Jan-Jun 2018 terá o seguinte Eixo Temático: Jornalismo Profissional: processos, práticas e técnicas.

    Estamos em fase adiantada de editoração, mas ainda podemos receber colaborações, abarcando o jornalismo profissional, suas práticas, suas técnicas, impactadas pelos processos tecnológicos.

    Saiba mais sobre Colabore com novo dossiê de Âncora
  • ÂNCORA divulga chamada para seu Vol.5 N.2: IMPRENSA, Mídia e Poder

    2018-06-11

    Os episódios recentes que marcaram o cenário político brasileiro, culminando, 
    em 31 de agosto de 2016, com o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, mobilizaram quatro grandes instâncias de poder: o judiciário, o legislativo, o econômico e o midiático que abarca a imprensa e vários formatos jornalísticos. Toda essa dinâmica de poderes associada a uma cena política   com traços visivelmente conservadores, influenciou segmentos da opinião pública que se posicionaram através de vertentes polarizadas com a produção  e circulação de narrativas díspares e, por vezes, inconciliáveis.

    De um lado, estavam os partidários do impeachment que encontraram principalmente na esfera da grande mídia, uma narrativa hegemônica predominantemente favorável à destituição da presidenta. De  outro, os adeptos e produtores de conteúdos vinculados às  mídias "independentes", com destaque a um conjunto diversificado  de experiências materializadas no universo digital, centradas   em narrativas críticas, contestando o que foi enunciado como “golpe”.

    Saiba mais sobre ÂNCORA divulga chamada para seu Vol.5 N.2: IMPRENSA, Mídia e Poder
  • Laboratório de Jornalismo e Editoração da UFPB | Lançamento de livros

    2017-12-20

    No decorrer dos anos 2016 e 2017, o Laboratório de Jornalismo e Editoração (Laje), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), lançou seis livros em formato eletrônico, publicou um Anais do I Simpósio Internacional sobre Jornalismo em Ambientes Multiplataforma e disponibilizou seis edições da Revista Latino-americana de Jornalismo - ÂNCORA (B1 - Educação e B4 - Comunicação e Informação).

    As publicações acadêmicas marcaram o período de gestão do professor Pedro Nunes frente a coordenação do Laje. O referido laboratório e a Revista ÂNCORA serão coordenados pela professora Joana Belarmino (2018-2019). 

    Saiba mais sobre Laboratório de Jornalismo e Editoração da UFPB | Lançamento de livros
  • Prorrogada a Chamada de Artigos e Relatos Profissionais em Jornalismo para a Revista ÂNCORA Vol 4, N.2, 2017

    2017-10-10

    O debate clássico pensou o jornalismo como ofício e como narrativa de mediação social. A partir desse pressuposto, esta edição da revista Âncora propõe refletir como, na atualidade, o campo jornalístico vivencia uma das mais agudas crises quanto ao seu modelo de negócios, no que diz respeito às práticas, processos e produtos, começando a adaptar-se à era da convergência com narrativas marcadas por exigências dos dispositivos multiplataforma, gerando um conjunto amplo de reflexões e produções.

    Nesse cenário contemporâneo, ampliam-se os suportes e os modos de narrar as esferas da produção e da circulação, nas quais fatos encenados em narrativas são distribuídos e consumidos como notícia. Há, agora,  uma audiência ativa, participativa, que colabora, replica, dissemina, cria, produz e, muitas vezes,  chega antes do jornalista ao próprio acontecimento.

    Saiba mais sobre Prorrogada a Chamada de Artigos e Relatos Profissionais em Jornalismo para a Revista ÂNCORA Vol 4, N.2, 2017
  • Revista ÂNCORA publica chamada de trabalhos para 2017 | Jornalismo de Esportes

    2016-03-16

    ► Chamada de Artigos, Volume 4, Número 2 (2017)

    Eixo Temático: JORNALISMO DE ESPORTES: o campo, o corpo e a comunicação

    Revista ÂNCORA | Vol 4 – Nº 2 | 2017 recebe artigos, relatos acadêmicos, resenhas e entrevistas sobre o tema JORNALISMO DE ESPORTES: o campo, o corpo e a comunicação, tendo como eixo norteador os seguintes tópicos: História, constituição e transformações do campo do jornalismo de esportes em suas várias plataformas de operação: veículos impressos, cinema, televisão, rádio e redes digitais. Dinâmicas e linguagens do Jornalismo de Esportes em diferentes Mídias, Hipermídias canais abertos e fechados. Ética, publicidade e mershandising nas coberturas jornalísticas de esportes. Atuação profissional do Jornalista de Esportes. Construção de narrativas midiáticas que tomam o campo do esporte como protagonista. Coberturas jornalísticas de Copas do Mundo no Brasil (1950 e 2014). Coberturas jornalísticas dos Jogos Olímpicos e sua relação com o evento no Brasil em 2016 | Brasil. Convergência e Mobilidades no Jornalismo de Esportes. Jornalismo de Esportes na televisão pública e sua relação com a disseminação de práticas esportivas fomentadas pelo Estado. Coberturas jornalísticas: Manifestações das torcidas e suas disseminações pelas redes sociais. Práticas corporais institucionalizadas ou não e sua presença na mídia esportiva. Editor Convidado – Professor Dr. Edônio Alves do Nascimento – UFPB. Envio de artigos em regime de fluxo contínuo. Os artigos recebidos até o final de março de 2017 serão encaminhados para esta edição de Jul. a Dez. de 2017 tendo como Eixo Temático JORNALISMO DE ESPORTES: o campo, o corpo e a comunicação.

    Os artigos devem ser enviados para revistaancoraufpb@gmail.com, com CÓPIA para edonioalves@gmail.com (Editor Convidado) ou através do próprio sistema da Revista ÂNCORA em regime de fluxo contínuo.

    Confira as outras chamadas: 

    Revista ÂNCORA | Chamada de trabalhos para 2016 e 2017 Saiba mais sobre Revista ÂNCORA publica chamada de trabalhos para 2017 | Jornalismo de Esportes
  • Depoimentos | O futuro do Jornalismo

    2015-12-03

    Por ocasião do II Simpósio Internacional sobre Jornalismo em ambientes Multiplataforma realizado pelo Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFPB e Revista ÂNCORA no período de 23 a 25 de novembro de 2015, o jornalista, Emerson Saraiva realizou uma série de entrevistas sobre o futuro do jornalismo. Disponibilizamos trechos dessas entrevistas com os professores doutores João Canavilhas - UBI Portugal, Lívia Cirne - UFMA e Suzana Barbosa - UFBA.

    Depoimento – João Canavilhas | O futuro do Jornalismo

    Depoimento - Lívia Cirne | O futuro do Jornalismo

     

    Depoimento – Suzana Barbosa | O futuro do Jornalismo

    Depoimento - Juliana Colussi | O futuro do Jornalismo

    Saiba mais sobre Depoimentos | O futuro do Jornalismo
  • Revista ÂNCORA publica chamada de trabalhos para 2017

    2015-09-02

    A Revista Latino-americana de Jornalismo - ÂNCORA realiza chamada de trabalhos acadêmicos para as próximas  três edições (2016 e 2017) tendo como que tenham de  reflexões tema JORNALISMO em ambientes MULTIPLATAFORMA.  O Volume 3, Número 1 (2016) de ÂNCORA será  dedicado aos estudos relacionados aos Conceitos e experiências de Jornalismo Multiplataforma . O Volume 3, Número 2 (2016) terá eixo temático - Mobilidades no Jornalismo e o Volume 4, Número 1 (2017) versará sobre Jornalismo e Acessibilidade em Ambientes Multiplataforma .

    Saiba mais sobre Revista ÂNCORA publica chamada de trabalhos para 2017
  • Mestrado em Jornalismo da UFPB finaliza semestre letivo de 2015 com a defesa de 16 dissertações

    2015-06-26
    O Programa de Pós-graduação em Jornalismo - PPJ e a Revista Âncora da Universidade Federal da Paraíba disponibilizam relação das dissertações defendidas no primeiro semestre letivo do ano de 2015. O PPJ, é o primeiro mestrado de natureza profissional do país na área do jornalismo, tendo aprovado a sua primeira turma no ano de 2013. Saiba mais sobre Mestrado em Jornalismo da UFPB finaliza semestre letivo de 2015 com a defesa de 16 dissertações