O lugar do afeto na produção do “homoafetivo”: sobre aproximações ao familismo e à aceitabilidade moral

Autores

  • Ricardo Andrade Coitinho Filho

Resumo

Neste artigo é problematizado o processo social de formação da identidade “homoafetivo”. Neste sentido, almeja-se discutir qual o sentido do seu uso em detrimento da categoria homossexual. A especificidade deste processo se faz num recorte histórico-social de luta por reconhecimento dos direitos sexuais de gays e lésbicas no Brasil, como o direito à conjugalidade e à parentalidade. Na esteira desta atuação, perpassam discussões e enfretamentos sociais e políticos que atentam aos múltiplos sentidos atribuídos às identidades divergentes da heteronormatividade. Assim, o foco da análise se desdobra no estranhamento da categoria homoafetivo, emergente em discursos jurídicos, mas atualmente utilizado em espaços distintos. Aventa-se que esta seja uma forma de valorização e/ou aceitação do homossexual, desde que ajustado ao modelo familista e moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-10-16

Como Citar

COITINHO FILHO, R. A. O lugar do afeto na produção do “homoafetivo”: sobre aproximações ao familismo e à aceitabilidade moral. Revista Ártemis, [S. l.], v. 19, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/artemis/article/view/26212. Acesso em: 19 maio. 2024.