Black Feminism Reimagined: After Intersectionality

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2019v28n1.49322

Resumo

No livro Black feminism reimagined, Jennifer C. Nash engaja-se com a noção de interseccionalidade, central para as discussões do feminismo negro, de maneira afetiva, mas também crítica. O ponto de vista da teórica parte de sua experiência e leituras como acadêmica, logo, muito de sua discussão é centrada no fazer acadêmico e suas mais recentes ligações com o campo da interseccionalidade. Entendendo a universidade como um lugar que não foi historicamente um espaço de apoio à produção intelectual de mulheres negras, Nash pondera sobre as práticas ainda coloniais nesses espaços: o uso da interseccionalidade para boa imagem corporativa, o enquadramento periférico de teóricas que trabalham com a temática, a fetichização de mulheres negras e a consequente contribuição para violências sistêmicas a elas direcionadas. Nash acredita que é possível ler e pensar interseccionalidade de uma perspectiva que pressupõe compromisso e cuidado, onde seja possível e imprescindível o diálogo e a reinvenção, a partir de mudanças sociais e globais que tem ampliado a percepção feminista sobre as mulheres negras e de cor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliza de Souza Silva Araújo, UFPB

Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Letras na Universidade Federal da Paraíba. Atua na área de concentração Literatura, Teoria e Crítica e na linha de pesquisa Estudos Culturais e de Gênero, sob orientação da Profa. Dra. Liane Schneider.

Downloads

Publicado

2019-12-17

Como Citar

ARAÚJO, E. de S. S. Black Feminism Reimagined: After Intersectionality. Revista Ártemis - Estudos de Gênero, Feminismos e Sexualidades, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 250–252, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2019v28n1.49322. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/artemis/article/view/49322. Acesso em: 28 jul. 2021.