Dialogando com as línguas selvagens: contribuições de Gloria Anzaldúa para pensar o feminismo decolonial

Autores

  • Vivian da Veiga Silva Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/Campus do Pantanal

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2021v31n1.53919

Resumo

A decolonialidade é uma proposta epistemológica construída a partir da obra de Aníbal Quijano (1930-2018) que busca romper com a colonialidade imposta às sociedades colonizadas, de maneira a criar e manter hierarquizações e classificações subalternizantes. Diversas teóricas feministas levaram essa perspectiva teórica para o campo feminista, forjando o que podemos denominar de feminismo decolonial. Sua proposta central é construir uma agenda feminista focada nas vozes e nas experiências das mulheres situadas ao Sul, nas sociedades que sofreram intrusões coloniais. Nessa perspectiva, a proposta do presente artigo é estabelecer um diálogo entre o feminismo decolonial e a teórica chicana Gloria Anzaldúa (1942-2004), considerada um dos expoentes do feminismo descolonizado.

Palavras-chave: Gloria Anzaldúa. Decolonialidade. Feminismo decolonial. Norte. Sul

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-07-11

Como Citar

DA VEIGA SILVA, V. Dialogando com as línguas selvagens: contribuições de Gloria Anzaldúa para pensar o feminismo decolonial . Revista Ártemis, [S. l.], v. 31, n. 1, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2021v31n1.53919. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/artemis/article/view/53919. Acesso em: 27 jan. 2022.