Gênero como forma de vir a ser: uma análise do livro A ciência jurídica e seus dois maridos frente à edificação de um pensar complexo no direito

Autores

  • Noli Bernardo Hahn Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Santo Ângelo - RS - URI https://orcid.org/0000-0003-2637-5321
  • Bianca Strücker Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI, Campus de Santo Ângelo, RS http://orcid.org/0000-0002-0413-2524
  • Thaís Maciel de Oliveira Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, URI, Campus de Santo Ângelo, RS http://orcid.org/0000-0003-2850-6022

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2021v31n1.54351

Palavras-chave:

Gênero. Complexidade. Castração. Surrealismo. Ambivalência.

Resumo

No presente estudo, através da imaginação literária, convida-se o leitor a um pensar complexo no Direito. Assim, gênero em um viés simplista/dicotômico deriva da poda de um desejo, de um devir castrado por uma ideologia cartesiana, de uma racionalidade centrada, logocêntrica. A castração como personificação das podas das subjetividades, plenifica o indivíduo a partir de suas certezas. A visão de gênero como vir a ser abre a perspectiva do vazio, do abrir-se a novas perspectivas do vir a ser complexo e paradoxal. Desse modo, a partir de uma abordagem complexo-paradoxal se problematiza as ambiguidades que são inerentes ao ser. Em outras palavras, como vamos falar sobre democracia se a linguagem castra seu devir ambivalente? Esta questão apresenta-se central na imaginação literária ao se pensar o Direito numa lógica surrealista na perspectiva de Luis Alberto Warat.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Noli Bernardo Hahn, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Santo Ângelo - RS - URI

Pós-doutor pela Faculdades EST, São Leopoldo, RS; Doutor em Ciências da Religião, pela UMESP. Graduado em Filosofia e Teologia. Possui formação em Direito. Professor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Campus de Santo Ângelo, RS. Integra o Corpo Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu – Mestrado e Doutorado em Direito. Lidera junto com o Dr. André Leonardo Copetti Santos o grupo de pesquisa “Novos Direitos em Sociedades Complexas”, vinculado ao CNPq. Pesquisa temas inter-relacionando Direito, Cultura, Gênero e Religião. https://orcid.org /0000-0003-2637-5321. E-mail: nolihahn@san.uri.br

Bianca Strücker, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI, Campus de Santo Ângelo, RS

Acadêmica do Curso de Doutorado em Direito do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI, pesquisadora bolsista da CAPES, advogada. E-mail: biancastrucker@hotmail.com. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-0413-2524

Thaís Maciel de Oliveira, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, URI, Campus de Santo Ângelo, RS

Acadêmica do Curso de Doutorado em Direito do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI, pesquisadora bolsista da CAPES, advogada. E-mail: adv.thaismaciel@gmail.com. ORCID https://orcid.org/0000-0003-2850-6022

Downloads

Publicado

2021-07-11

Como Citar

HAHN, N. B.; STRÜCKER, B.; MACIEL DE OLIVEIRA, T. Gênero como forma de vir a ser: uma análise do livro A ciência jurídica e seus dois maridos frente à edificação de um pensar complexo no direito. Revista Ártemis, [S. l.], v. 31, n. 1, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2021v31n1.54351. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/artemis/article/view/54351. Acesso em: 26 set. 2022.