E viveram felizes para sempre

  • Vitória Brito Santos Universidade Feevale
  • Saraí Patricia Schmidt Universidade Feevale
Palavras-chave: Meninas, Casamento, Mídia

Resumo

O artigo versa sobre a relação entre cultura midiática e construção de identidades infantis femininas, tendo como foco as histórias de princesas recorrentemente narradas nos filmes de animação da Disney, alinhadas com o sonho do casamento propagado nas novelas brasileiras. Em termos metodológicos, o estudo parte de uma entrevista semiestruturada realizada com sete meninas do 5º ano de uma escola municipal do Rio Grande do Sul. Na segunda etapa, as análises do material das entrevistas privilegiaram a discussão sobre a maneira como as narrativas midiáticas (filmes de animação e novelas) contribuem na construção de um ideal de felicidade do público feminino infantil. O estudo aponta e problematiza a noção de “felizes para sempre” propagada na cultura midiática, noção essa que contribui na maneira como o sujeito infantil constrói a sua identidade, pautando formas de “ser” e “estar” no mundo.

Biografia do Autor

Vitória Brito Santos, Universidade Feevale

Doutoranda em Diversidade Cultural e Inclusão Social na Universidade Feevale, na linha de pesquisa Linguagem e Tecnologia. Bolsista Capes. Mestra pelo mesmo programa. Graduanda em Jornalismo pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). 

Saraí Patricia Schmidt, Universidade Feevale

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente dos Programas de Pós-Graduação Processos e Manifestações Culturais e Diversidade Cultural e Inclusão Social da Universidade Feevale.

Referências

ARIÈS. Phillipe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: LTC Editora S.A, 1981.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2019.

COLLING, Ana. A construção histórica do masculino e do feminino. In: STREY, Marlene N.; CABEDA, Sonia T. Lisboa; PREHN, Denise R. (Orgs.). Gênero e Cultura: questões contemporâneas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 13-38.

COSTA, Marisa Vorraber. Paisagens escolares no mundo contemporâneo. In: SOMMER, Luiz Henrique; BUJES, Maria Isabel E. Educação e Cultura Contemporânea: articulações, provocações e transgressões em novas paisagens. Canoas: Editora da Ulbra, 2006. p. 177-195.

O COMEÇO DA VIDA. Direção: Estela Renner, Produção: Maria Farinha Filmes, Brasil: UNICEF, Instituto Alana, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Fundação Bernard Van Leer, 2016. 1 DVD (1h 37min) son., color.

PERRAUT, Charles. Cinderela. [S.l.] 1967.

DOMÍNGUEZ, Carmen Pereira. Un ejemplo del Cine como instrumento de educación en valores. El catoblepas Revista Crítica del Presente. v. 48, n. 23, fev. 2006. Disponível em: <http://nodulo.org/ec/2006/n048p23.htm>. Acesso em: 12 mar. 2019.

MARCHI, Rita de Cássia; SARMENTO, Manuel Jacinto. Infância, normatividade e direito das crianças: transições contemporâneas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 141, p. 951-964, out./ dez., 2017.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e Educação: teoria e política. In: LOURO G.; NECKEL J.F.; GOELLNER, S. V. (Org). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na Educação. Petrópolis (RJ): Vozes, 2003. p. 9-27,

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de janeiro: Graphia, 1999.

SARMENTO, Manuel José. Sociologia da Infância: Correntes e Confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVÊA, Maria Cristina Soares de (Orgs.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 17-39.

SCHMIDT, Sarai; PETERSEN, Michele. Mídia, escola e cultural infantil – a pedagogia do consumo em operação. In: KIRCHOF, Edgar Roberto; WORTMANN, Maria Lúcia; COSTA, Marisa Vorraber (Orgs.). Estudos Culturais e Educação: contingências articulações, aventuras e dispersões. Canoas: Ed. Ulbra, 2015. p. 115-129.

STEIMBERG, Shirley; KINCHELOE, Joel L. Cultura Infantil: A construção corporativa da infância. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2004.

ZIBERMAN, Regina. Literatura Infantil: autoritarismo e emancipação. 2. ed. São Paulo: Ática, 1984.

Publicado
2020-12-18
Como Citar
SANTOS, V. B.; SCHMIDT, S. P. E viveram felizes para sempre. Culturas Midiáticas, v. 13, n. 2, p. 242-260, 18 dez. 2020.
Seção
Comunicação e Identidade