Por que choras, jogador?

A luta por representatividade nas campanhas contra o assédio de mulheres nos jogos digitais

Autores

  • Diego Granja do Amaral Universidade Federal Fluminense (UFF) https://orcid.org/0000-0002-1785-5131
  • Natalia Catherine Moura Ferreira Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
  • Jhonnatan Oliveira dos Santos Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Palavras-chave:

Games, Gênero, Gamergate, Mulheres, Resistência

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar os efeitos do Gamergate nas discussões relacionadas à participação das mulheres na cultura dos jogos digitais, através das campanhas brasileiras de sensibilização contra o assédio Ainda seremos lembradas por vocês e My name my game. Para tanto, a pesquisa parte do caso Gamergate e explora suas implicações na cultura dos jogos, especialmente no contexto feminino. O percurso metodológico da pesquisa caracteriza-se como um estudo de caso sobre as campanhas em plataformas digitais, além de investigar o impacto das campanhas mencionadas na conscientização e combate ao assédio entre os/as jogadores/as.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Granja do Amaral, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Doutor em comunicação pela Universidade Federal Fluminense em cotutela com a Universidade de Tübingen.

Natalia Catherine Moura Ferreira, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Mestranda do programa de Pós-Graduação em Comunicação da Univrsidade Federal do Maranhão, Campus Imperatriz.

Jhonnatan Oliveira dos Santos, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Mestrando do programa de Pós-Graduação em Comunicação da Univrsidade Federal do Maranhão, Campus Imperatriz.

Referências

BRISTOT, Paula Casagrande et al. “Representatividade Feminina nos Games”. In: XVI Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital – SBGames, 2017, Curitiba- PR [Online]. Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2017/papers/CulturaFull/175394.pdf [4]. Acesso em: 09 jun. de 2022.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CASSEL, Justine; JENKINS, Henry. From Barbie to Mortal Kombat. Cambridge. The MIT Press, 1998.

CHESS, Shira; SHAW, Adrienne. A conspiracy of fishes, or, how we learned to stop worrying about# Gamergateand embrace hegemonic masculinity. Journal of Broadcasting & Electronic Media, v. 59, n. 1, p. 208-220, 2015.

DUTRA, Zeila A. P.. A primavera das mulheres: ciberfeminismo e os movimentos feministas. Revista Feminismos, vol. 6, n. 2, mai-ago. 2018. www.feminismos.neim.ufba.br. Acesso em: 02 de ago. 2023.

FALCÃO, Thiago.; KUTZ, Grabriela.; MACEDO, Tarcízio; Conservadorismo e masculinidade tóxica na cultura gamer: uma aproximação a Magic: The Gathering. Revista Matrizes, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 251-277, maio-ago., 2021. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/issue/view/12112/2116. Acesso em 23 abr. 2023.

GALDINO, Renata Jéssica; SILVA, Tarcisio Torres. Violência contra as mulheres nos games: território de tensões e resistências. Revista Fronteiras - estudos midiáticos. Unisinos. ed.23, p. 245-258, mai.-ago.,2021.

GOULART, Lucas; NARDI, Henrique. Gamergate: cultura dos jogos digitais e a identidade gamer masculina. Revista Mídia e Cotidiano. Artigo Seção Livre, v. 11, n. 3, p. 250-268, dez 2017. Disponível em: Acesso em: 02 set. 2022.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade – 1°ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

JUNIOR, Jairo. Mulheres nos e-sports cobram para não serem lembradas só um dia no ano. The Enemy. Brasil, 09 de março de 2022. Disponível em: https://www.theenemy.com.br/esports/mulheres-nos-esports-cobram-para-nao-serem-lembradas-so-um-dia-no-ano. Acesso em: 01 de agosto de 2023.

KURTZ, Gabriela Birnfeld “Respeita aí”: os discursos e a subversão das regras como manifestações de violência simbólica de gênero nos jogos digitais Dota 2 e League of Legends. Tese (Doutorado) -- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Porto Alegre, BR-RS, 2019.

______. Manifestações de violência simbólica contra a mulher nos videogames: uma revisão bibliográfica. Revista Metamorfose, vol. 2, n 1, maio de 2017, p. 90-109. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/metamorfose/article/view/21312 . Acesso em: 01 ago. 2022.

LIMA, Alessandro; RAMOS, Fernando Dononi; SENNA, Susana el al. A participação de mulheres no universo dos esportes eletrônicos. Anais do GamePad [recurso eletrônico]. Seminário de Games e Tecnologia/ coordenação Guilherme Theisen Schneider... [et al.]. - Novo Hamburgo: Feevale, 2017. Disponível em: < https://docplayer.com.br/76207179-Anaisv-10.html > Acesso em: 01 set. 2022.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Revista Pro-Posições, v. 19, n. 2 (56), maio/ago. 2008. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/a-fe/publicacoes/periodicos/pro-posicoes. Acesso em: 10 set. 2022.

MASSANARI, Adrienne. #Gamergateand the fappening: how Reddit’s algorithm, governance, and culture support toxic technocultures. New Media & Society, v. 19, n. 03, p. 01 –18, 2015.

MORTENSEN, Torill Elvira. Anger, fear, and games: the long event of #GamerGate. New Media & Society, IT University of Copenhagen, Copenhagen, Denmark, p. 01-18, 2015.

O’DONNELL, Jessica. Militant meninism: the militaristic discourse of Gamergate and Men’s Rights Activism. Media, Culture & Society, vol. 42(5), p. 654–674, 2020.

REACH3 Insights’ new research reveals 59% of women surveyed use a non-gendered/male identity to avoid harassment while gaming. REACH3 Insights. Chicago, 19 de maio de 2021. Disponível em: https://www.reach3insights.com/women-gaming-study. Acesso em: 03 de maio de 2023.

SANTOS, Luiza; TOMAZ, Renata. Ódio contra mulheres na internet: das definições às alternativas de combate no cenário brasileiro. 3ª edição da Coletânea de Artigos TIC, Governança da Internet, Gênero, Raça e Diversidade. p. 65-84, 2023. Disponível em: https://cgi.br/publicacao/3-coletanea-de-artigos-tic-governanca-da-internet-genero-raca-e-diversidade-tendencias-e-desafios/. Acesso em: 01 de ago. de 2023.

SHERMAN, Sharon R. Perfil of the princess: gender and genre in video games. In: Western Folklore, Long Beach, v.56, n° ¾,, p. 243-258, 1997.

SX GROUP; GO GAMERS. Pesquisa Game Brasil. São Paulo, 2023. Disponível em: https://www.pesquisagamebrasil.com.br/pt/. Acesso em: 01 de ago. de 2023

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2023-12-22

Como Citar

AMARAL, D. G. do; MOURA FERREIRA, N. C. .; OLIVEIRA DOS SANTOS, J. Por que choras, jogador? : A luta por representatividade nas campanhas contra o assédio de mulheres nos jogos digitais . Culturas Midiáticas, [S. l.], v. 20, p. 41–60, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/cm/article/view/67990. Acesso em: 23 jun. 2024.