Características fisico-quimicas e compostos bioativas de umbú-caja em dois estados de maturação

Autores

  • Francinalva Cordeiro de Sousa IFAL
  • Luzia Marcia de Melo Silva IFAL
  • Inácia dos Santos Moreira ufcg
  • Deise de Souza Castro
  • Analha Dyalla Feitosa Lins
  • Ana Paula Trindade Rocha
  • Ernane Nogueira Nunes

Resumo

A região Nordeste é um berço natural de frutas tropicais e exóticas. A umbu-cajazeira, na região nordestina apresenta potencialidades de cultivo e perspectivas de comercialização, o que objetivou este trabalho avaliar a qualidade física, química e físico-química da polpa in natura de seus frutos em dois estádios de maturação. Com a polpa pode produzir diversos produtos como, sucos com alto teor de polpa, suco em pó, sorvetes, doces, geleia, compotas, bebidas mistas. O processamento desses frutos tem sido uma alternativa viável para favorecer a diminuição de perdas por ser um produto perecível e agregar valor aos subprodutos, além da geração de renda aos pequenos produtores rurais. Os resultados obtidos permitiram concluir que os frutos semimaduros apresentaram maior acidez total, pH baixo e menor teor de sólidos solúveis e açúcares redutores, no entanto esses frutos apresentaram em sua constituição química maiores resultados para flavonoides, vitamina C e taninos condensados, demostrando que a colheita deve ser realizada neste estádio de maturação, favorecendo o processo de comercialização garantido qualidade nutritiva. Estes resultados demonstram a capacidade antioxidante dos frutos de umbu-cajá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Instituto Adolfo Lutz. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 4ª ed. Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, Brasil, 1020p, 2008.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Laboratório Nacional de Referência Animal (LANARA). Métodos analíticos oficiais para controle de produtos de origem animal e seus ingredientes. II. Métodos Físico Químicos. Brasília, 1981.

BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Instrução Normativa no 122, de 10 de setembro de 1999. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 13 de set. de 1999. Seção 1, p. 72-76.

CARVALHO, A. V. et al. Physical and chemical characteristics of matrices of yellow mobin fruits in the state of Pará. Alimentos e Nutrição, v.22, n.1, p.45-53, 2011.

CARVALHO, P. C. L. et al. Características morfológicas, físicas e químicas de frutos de populações de umbucajazeira no estado da Bahia. Revista Brasileira de Fruticultura, v.30, n.1, p.140-147, 2008.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2. ed. Lavras: UFLA, 2005. 785 p.

DAMATTO JÚNIOR, E. R. Et al. Qualidade de pimentões amarelos colhidos em dois estádios de maturação. Revista Científica Eletrônica de Agronomia, v.17, n.1, p.23-30, jun, 2010

GADELHA, A. J. F. et al. Avaliação de parâmetros de qualidade físico-químicos de polpas congeladas de abacaxi, acerola, cajá e caju. Revista Caatinga, v.22, n.1, p. 115-118, 2009.

GAVA, A. J; SILVA, C. A. B; FRIAS, J. R. G. Tecnologia de alimentos: princípios e aplicações. Nobel. pag.301. São Paulo. 2008.

MOREIRA, A. C. C. G. et al. Bioactive phytochemicals in fruits from genotypes of “cajá-umbuzeiras. ” Alimentos e Nutrição, v.23, n.2, p.235-241, 2012.

QUEIROZ, E. R.; ABREU, C. M. P.; OLIVEIRA, K. S. Constituintes químicos das frações de Lichia in natura e submetidas a secagem: potencial nutricional dos subprodutos. Revista Brasileira de Fruticultura. v.34, n.4, p1174-1179, 2012.

MONTEIRO, J. M.; et al. Taninos: uma abordagem da química à ecologia. Revista Química Nova, vol. 28, n. 5, 892-896, 2005.

NASSER, M. D.; ZONTA, A. Caracterização de frutos de genótipos de aceroleira em função de estádios de maturação. Tecnologia & Ciência Agropecuária, v.8, n.5, p.76-78, dez. 2014.

RITZINGER, R.; SOARES FILHO, W. dos S.; CARVALHO, P.C.L. de. Evaluation of umbu-caja germplasm in the state of Bahia, Brazil. Crop Breeding and Applied Biotechnology, v.8, p. 181-186, 2008.

SANTOS, M. B. et al. Caracterização e qualidade de frutos de umbu-cajá (Spondias tuberosa X S. mombin) provenientes do Recôncavo sul da Bahia. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 32, n. 4, p. 1089-1097, 2010.

SILVA, L. R. et al. Qualidade de frutos de genótipos de umbu-cajazeiras (Spondias sp.) oriundos da microrregião de Iguatu, Ce. Scientia plena, v.7, n.8 2011.

SOUSA, F. C. et al. Parâmetros físicos e físico-químicos da polpa de pequi. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.6, n.1, p. 2 – 15, 2012.

SCHWARTZ, E. et al. Avaliação de populações de Butia capitata de Santa Vitória do Palmar. Revista Brasileira de Fruticultura, v.32, n.3, p. 736-745, 2010.

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

CORDEIRO DE SOUSA, F.; DE MELO SILVA, L. M.; DOS SANTOS MOREIRA, I.; DE SOUZA CASTRO, D.; FEITOSA LINS, A. D.; TRINDADE ROCHA, A. P.; NOGUEIRA NUNES, E. Características fisico-quimicas e compostos bioativas de umbú-caja em dois estados de maturação. Gaia Scientia, [S. l.], v. 10, n. 4, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/24591. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais