Germinação de sementes e crescimento de Ormosia arborea em diferentes temperaturas e substratos

Autores

  • Ademir Kleber Morbeck Oliveira Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Juliana Santos Souza Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Júnior Manoel Braga Carvalhho Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Simone Alves Souza Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Ricardo Anghinoni Bocchese Universidade Anhanguera-Uniderp

Palavras-chave:

Crescimento inicial, espécies nativas, Fabaceae, sementes florestais

Resumo

A espécie olho-de-cabra pertence à família Fabaceae, ocorrendo principalmente na Floresta Pluvial Atlântica e latifoliada semidecídua; sua madeira é indicada para construção de móveis e a árvore é recomendada para arborização urbana, além de ser considerada medicinal. Levando-se em consideração seu potencial de utilização, este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de verificar o efeito de diferentes temperaturas e substratos sobre as taxas de germinação e crescimento radicular inicial. As sementes utilizadas foram coletadas em áreas de Cerrado, Mato Grosso do Sul e submetidas a seis temperaturas, constantes de 20, 25, 30 e 35 °C e alternadas, 20-30 e 25-35 °C, em três tipos de substratos, areia, vermiculita e rolo de papel, em câmaras de germinação. O delineamento estatístico utilizado foi o inteiramente casualizado e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5%. Os dados obtidos indicaram que a espécie necessita de um período de tempo maior que 15 dias para a formação de sua parte aérea e que o desenvolvimento do seu sistema radicular é mais rápido, com maior percentagem de germinação e vigor das sementes na temperatura de 30 °C, substrato areia. O melhor desenvolvimento das plântulas foi observado na temperatura alternada de 25-35 °C, também no substrato areia, sendo seus resultados estatisticamente superiores aos demais tratamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademir Kleber Morbeck Oliveira, Universidade Anhanguera-Uniderp

Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional - Universidade Anhanguera-Uniderp

Juliana Santos Souza, Universidade Anhanguera-Uniderp

Curso de Ciências Biológicas - Universidade Anhanguera-Uniderp

Júnior Manoel Braga Carvalhho, Universidade Anhanguera-Uniderp

Curso de Ciências Biológicas - Universidade Anhanguera-Uniderp

Simone Alves Souza, Universidade Anhanguera-Uniderp

Curso de Ciências Biológicas - Universidade Anhanguera-Uniderp

Ricardo Anghinoni Bocchese, Universidade Anhanguera-Uniderp

Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional -Universidade Anhanguera-Uniderp

Referências

Abud HF, Gonçalves NR, Pereira NS, Pereira DS, Reis RGE and Bezerra AME. 2012. Germination and morphological characterization of the fruits, seeds, and seedlings of Pilosocereus gounellei. Brazilian Journal of Botany, 35(1): 11-16.

Bewley JD, Bradford KJ, Hilhorst H and Nonogaki K. 2013. Physiology of development, germination and dormency. 3nd ed., New York: Springer eBooks. 392 p.

Brancalion PHS, Novembre ADLC e Rodrigues RR. 2010. Temperatura ótima de germinação de sementes de espécies arbóreas brasileiras. Revista Brasileira de Sementes 32(4): 15-21.

Brasil. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Secretaria de Defesa Agropecuária, Mapa. 399 p.

Frausin G, Trujillo E, Correa MA y Gonzalez VH. 2008. Semillas usadas en artesanías por una población indígena Emberá-Katío desplazada por la violência en Colombia. Caldasia, 30(2): 315-323.

Fernandes AV, Ramos MV, Gonçalves JFC, Maranhão PAC, Chevreuil LR and Souza LAG. 2011. Seeds of amazonian Fabaceae as a source of new lectins. Brazilian Journal of Plant Physiology, 23(3): 237-244.

Lima CR, Pacheco MV, Bruno RLA, Ferrari CS, Braga Júnior JM e Bezerra AKD. 2011. Temperaturas e substratos na germinação de sementes de Caesalpinia pyramidalis Tull. Revista Brasileira de Sementes, 33(2): 216 - 222.

Lopes JC, Dias PC e Macedo CMP. 2006. Tratamentos para acelerar a germinação e reduzir a deterioração das sementes de Ormosia nitida Vog. Revista Árvore, 30(2): 171-177.

Lorenzi H. 2008. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Vol. 1, 5ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 384 p.

Marques MA, Rodrigues TJD e De Paula RC. 2004. Germinação de sementes de Ormosia arborea (Vell.) Harms submetidas a diferentes tratamentos pré-germinativos. Científica, 32(2): 141-146.

Oliveira AKM, Alves FF e Gadum G. 2009. Avaliação do tipo de substrato e do período de armazenamento para a germinação de sementes de Cordia glabrata (Mart.) DC. (Mart.) DC. Acta Scientiarum. Biological Sciences, 31(3): 301-305.

Oliveira AKM, Ribeiro JWF, Pereira KCL and Silva CAAS. 2013. Effects of temperature on the germination of Diptychandra aurantiaca (Fabaceae) seeds. Acta Scientiarum. Agronomy, 35(2): 203-208.

Oliveira AKM e Pereira KCL. 2014. Efeito de diferentes temperaturas na germinação e crescimento radicular de sementes de jatobá-mirim (Guibourtia hymenaefolia (Moric.) J. Léonard). Ciência Florestal, 24(1): 111-116.

Pacheco MV, Araújo FS, Ferrari CS e Bruno RLA. 2014. Germinação de sementes de Combretum leprosum Mart. Revista Caatinga, 27(1): 154-162.

Pony I, Batut M, Vendier L, David B, Yi S, Sautel F, Arimondo PB and Massiot G. 2014. Cytisine-like alkaloids from Ormosia hosiei Hemsl. & E. H. Wilson. Phytochemistry, 107: 97-101.

Ribeiro JWF, Oliveira AKM, Rodrigues APAC and Rondon EV. 2015. Germination and morphology of seeds and seedlings of Parkia gigantocarpa Fabaceae: Mimosoidae. Floresta, 45(3): 303 - 314.

Rosseto J, Figueiredo e Albuquerque MC, Rondon Neto RM e Silva ICO. 2009. Germinação de sementes de Parkia pendula (Willd.) Benth. ex Walp. (Fabaceae) em diferentes temperaturas. Revista Árvore, 33(1): 47-55.

Salomão NA, Sousa-Silva JC, Davide AC, Gonzáles S, Torres RAA, Wetzel MMVS, Firetti F e Caldas LS. 2003. Germinação de sementes e produção de mudas de plantas do cerrado. Brasília: Rede de sementes do Cerrado. 96 p.

Silva AL, Dias DCFS, Lima LB and Morais GA. 2014. Methods for overcoming seed dormancy in Ormosia arborea seeds, characterization and harvest time. Journal of Seed Science, 36(3): 318-325.

Teixeira FW, Fagan EB, Casaroli D, Canedo SC e Barbosa KA. 2011. Avaliação de métodos para superação de dormência na germinação de Ormosia arborea (Vell.) Harms. Biotemas, 24(4): 25-29.

Zpevak FA, Perez SCJGA and Buckeridge MS. 2012. Isothermal seed germination of Adenanthera pavonina. Brazilian Journal of Botany, 35(4): 401-408.

Downloads

Publicado

2016-09-30

Como Citar

OLIVEIRA, A. K. M.; SOUZA, J. S.; CARVALHHO, J. M. B.; SOUZA, S. A.; BOCCHESE, R. A. Germinação de sementes e crescimento de Ormosia arborea em diferentes temperaturas e substratos. Gaia Scientia, [S. l.], v. 10, n. 4, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/26413. Acesso em: 24 jan. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)