Balanço energético da produção de etanol e açúcar no Piauí a partir da cana de açúcar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2019v13n1.33420

Resumo

Avaliou-se energeticamente a produção de etanol e de açúcar originados da cana de açúcar no Piauí. Para tanto, realizou-se pesquisa de campo em usina com destilaria, e com a colheita executada manualmente, de janeiro a dezembro de 2015. Analisou-se o consumo energético referente às fases agrícola, industrial e de distribuição. Verificou-se que o custo energético total da produção agrícola correspondeu a 9.707,54 MJ/ha.ano, sendo que a aplicação de fertilizantes foi a mais onerosa, com 30% do total. Na etapa industrial, o consumo energético foi de 2.131,07 MJ/ha.ano e a energia investida na construção da Usina representou 16% do total. Já na fase de distribuição, o dispêndio energético foi de 1.607,70 MJ/ha.ano. Ressalta-se que o custo energético total foi de 13.446,31 MJ/ha.ano e que a energia fornecida pelo etanol produzido totalizou 138.398,26 MJ, resultando em um balanço energético de 10,3:1 no Piauí em 2015.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian de Castro Moraes Pinto, Universidade Federal do Piauí

Graduada em Ciências Biológicas - Bacharelado e Licenciatura, pela UnB; Especialista em Análise Ambiental e Desenvolvimento Sustentável; Mestranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente na UFPI

Referências

Alves, BJR, Boddey, RM e Urquiaga, S. 2009. Mitigação das emissões de gases efeito estufa pelo uso de etanol da cana de açúcar produzido no Brasil. Circular Técnica, EMBRAPA, Seropedica - RJ, 13 p.

Bartra, J et al. 2007. Air pollution and allergens. Journal of investigational allergology and clinical immunology, Spain, v. 17, n. 2, p. 3-8.

BEN. 2015. Balanço Energético Nacional. Ministério de Minas e Energia, Brasília, 155p.

BNDES. 2008. Bioetanol de cana de açúcar - Energia para o desenvolvimento sustentável. CEPAL, v. 1, Rio de Janeiro, p. 72-76.

Boddey, RM et al. 2008. Biofuels, solar and wind as renowable energy sistems. Bio-ethanol production in Brazil. In: PIMENTEL, D. (Ed.), New York, USA, Springer, p. 321-356.

Brasil. MINISTÉRIO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. 2011. Brasil é líder mundial no setor de agroenergia. Brasília: MAPA. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/infraestrutura/2011/12/brasil-e-lider-mundial-no-setor-de-agroenergia>. Acesso em: 10 set. 2015.

Brasil. MINISTÉRIO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. 2017. Projeções do Agronegócio Brasil 2011-2012 a 2021-2022. Brasília: MAPA. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio-brasil-2011-2012-a-2021-2022-sintese.pdf/view>. Acesso em: 12 set. 2015.

Clancy, JS. 2008. Are biofuels pro-poor? Assessing the evidence. The European journal of development research, The Netherlands, v. 20, n. 3, p. 416-431.

COMVAP. 2015. Comparativo de safras: resumo anual. Relatório. Teresina.

COMVAP. 2016. Relatório acerca da safra 2015. Teresina.

CONAB. COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. 2014. Séries históricas de área plantada, produtividade e produção, relativas às safras 2005/06 a 2014/15 de cana-de-açúcar. Relatório. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1252&ordem=produto>. Acesso em: 24 fev. 2015.

Giampietro, M e Pimentel, D. 1990. Assessment of the energetics of human labor. Agriculture, Ecosystems and Environment, Amsterdam, v. 32, p. 257-272.

Leite, RC e Cortez, LAB. 2013. O etanol combustível no Brasil. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf>. Acesso em 26 fev. 2016.

Macedo, IC et al. 2004. Balanço das emissões de gases do efeito estufa na produção e no uso do etanol no Brasil. São Paulo: Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo, 37 p.

MACEDO, IC et al. 2008. Greenhouse gases emissions in the production and use of ethanol from sugarcane in Brazil: The 2005/2006 averages and a prediction for 2020. Biomass and Bioenergy, v. 32, n. 7, p. 582 - 595.

MAPA. 2013. Perfil do setor do açúcar e do álcool no Brasil. Edição para a safra 2011-2012. Brasília, v.5, p. 1 - 88.

Marconi, MA e Lakatos, EM. 2010. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas. 320 p.

Marconi, MA e Lakatos, EM. 2009. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas. 228 p.

Marconi, MA e Lakatos, EM. 2007. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 6. ed. 290 p.

Pearce, F. 2002. O aquecimento global. São Paulo-SP: Publifolha. 72 p.

Pimentel, D. 1980. Handbook of energy utilization in agriculture. 487 p.

Pimentel, D e Patzek, T. 2007. Ethanol production: energy and economic issues related to U.S. and Brazilian sugarcane. Natural Resources Research, v. 16, n. 3, p. 235 - 242.

Salla, DA e Cabello, C. 2010. Análise energética de sistemas de produção de etanol de mandioca, cana-de-açúcar e milho. Energia na Agricultura, v. 25, n. 2, p. 32-53.

Salla, DA et al. 2009. Avaliação energética da produção de etanol utilizando como matéria-prima a cana-de-açúcar. Ciência Rural, Santa Maria, v.39, n.8, p.2516-2520.

Urquiaga, S, Alves, BJR e Boodey, RM. 2005. Produção de biocombustíveis: A questão do balanço energético. Revista de Política Agrícola, ano XIV – n. 1.

Vergara, S. 2009. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2019-07-31

Como Citar

MORAES PINTO, L. de C.; MONTEIRO, M. do S. L. Balanço energético da produção de etanol e açúcar no Piauí a partir da cana de açúcar. Gaia Scientia, [S. l.], v. 13, n. 1, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2019v13n1.33420. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/33420. Acesso em: 18 jan. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)