Gilka Machado, poeta moderna

  • Anélia Montechiari Pietrani Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Gilka Machado, Poesia moderna brasileira, Crítica literária feminista, Consciência poética

Resumo

Tomando por relevo as relações político-textuais e político-contextuais dos estudos literários, este artigo tem por objetivo interpretar poemas de Gilka Machado (1893-1980), cuja produção teve início naquele momento nomeado por alguns críticos historiográficos como pré-modernismo, um período de transição que reúne tendências conservadoras e renovadoras no início do século XX brasileiro. A poesia de Gilka Machado estabelece diálogos com essas tendências literárias, mas constrói uma voz poética muito própria, marcada por intensa carga de erotização e por reflexões sobre o papel social e cultural das mulheres – temáticas já amplamente estudadas pela fortuna crítica da autora, que podem ser bastante enriquecidas quando conjugadas à abordagem sobre a consciência poética que ela expressa em sua poesia. Exemplo significativo dessa comunhão de aspectos se encontra no poema “Lépida e leve”, publicado em Meu glorioso pecado (1928), cuja leitura interpretativa dos traços imagéticos, estilísticos e vanguardistas aponta-o em direção à poesia moderna de Gilka Machado em seu “momento futurista”, no sentido estudado por Marjorie Perloff a partir do termo cunhado por Renato Poggioli.

Biografia do Autor

Anélia Montechiari Pietrani, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora Associada de Literatura Brasileira na UFRJ e coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos das Mulheres na Literatura (NIELM/UFRJ). Mestre em Literatura Brasileira (UFF) e Doutora em Literatura Comparada (UFF), suas publicações e organizações de livros incluem: O enigma mulher no universo masculino machadiano (EdUFF, 2000), Experiência do limite: Ana Cristina Cesar e Sylvia Plath entre escritos e vividos (EdUFF, 2009), Euclides da Cunha: presente e plural (EdUERJ, 2010), Euclides: mestre-escola (EdUERJ, 2015), Crônica Trovada da Cidade de Sam Sebastiam e Cantata da Cidade do Rio de Janeiro de Cecília Meireles (Global, 2019), além de artigos publicados em periódicos especializados.

Referências

ABRAMS, M. H. The fourth dimension of a poem and other essays. New York; London: W.W. Norton & Company, 2012.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Gilka, a antecessora. Jornal do Brasil, RJ, p.7, 18 dez. 1980.

ANDRADE, Mário de. Poesias completas. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2005.

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. 3ª. ed. São Paulo, Ars Poética, 1993.

ATHAYDE, Tristão de. Contribuição à história do modernismo: o pré-modernismo. Vol. I. Rio de Janeiro: José Olympio, 1939.

BANDEIRA, Manuel. Apresentação da poesia brasileira. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1957.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Trad. Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. 8ª. ed. São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 2000.

COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico de escritoras brasileiras (1711-2001). São Paulo: Escrituras, 2002.

DUCHAMP, Marcel. Anémic-cinéma. Disponível em:<https://www.youtube.com/watch?v=LpJJsQ3OQ4U>. Acesso em: 01 set. 2019.

MACHADO, Gilka. Dados autobiográficos de Gilka Machado. In: Poesias completas. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL/MEC, 1978. p. IX-XI.

MACHADO, Gilka. Poesias completas. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL/MEC, 1978.

MARINETTI, Filippo Tommaso. Manifesto técnico da literatura futurista. In: TELLES, Gilberto Mendonça. Vanguarda europeia e modernismo brasileiro: apresentação dos principais poemas, manifestos, prefácios e conferências vanguardistas de 1857 a 1972. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. p. 95-99.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PERLOFF, Marjorie. O momento futurista: avant-garde, avant-guerre e a linguagem da ruptura. Trad. Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993. [Texto & Arte 4].

PY, Fernando. Prefácio. In: MACHADO, Gilka. Poesias completas. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL/MEC, 1978. p. XIX-XXVIII.

SADLIER, Darlene J. O locus eroticus na poesia de Gilka Machado. Revista Brasileira. Fase

VIII, Ano II, nº. 75, p. 237-244, abril-maio-junho 2013.

SAINT-POINT, Valentine de. Manifesto della donna futurista: risposta a F.T. Marinetti. Disponível em: <https://www.wdl.org/pt/item/20029/#institution=university-library-ofpadua>. Acesso em: 01 set. 2019.

_____________. Manifesto futurista della lussuria. Disponível em:<https://www.wdl.org/pt/item/20035/#institution=university-library-of-padua>. Acesso em: 01 set. 2019.

SILVA, Domingos Carvalho da. Vozes femininas da poesia brasileira. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1959.

SOARES, Angélica. A paixão emancipatória: vozes femininas da liberação do erotismo na poesia brasileira. Rio de Janeiro: Difel, 1999.

VALÉRY, Paul. Questões de poesia. In: Variedades. Trad. Maíza Martins de Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 1991. p. 177-186.

Publicado
2020-01-11
Como Citar
PIETRANI, A. M. Gilka Machado, poeta moderna. Revista Graphos, v. 21, n. 2, p. 79-95, 11 jan. 2020.