Agremiação nacional e conflitos oligárquicos

formação, atividade eleitoral e dissolução do diretório paranaense do Partido Republicano Conservador (1915-1918)

Autores

  • Sandro Aramis Richter Gomes Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.57488

Palavras-chave:

Estado do Paraná, Oligarquias, Partidos políticos, Primeira República

Resumo

Neste artigo desenvolve-se uma investigação sobre os processos de formação e extinção do diretório paranaense do Partido Republicano Conservador (PRC). Esses processos ocorreram entre os anos de 1915 e 1918. O objetivo desta análise é produzir conhecimento acerca da organização interna e da ação eleitoral dos partidos nacionais que existiram no Brasil ao tempo da Primeira República. Há três argumentos sustentados neste trabalho. Primeiro, é evidenciado que a criação do referido diretório foi decorrente da abertura de uma dissidência no partido governista do Paraná. Nesse estado, portanto, o PRC pertenceu ao campo da oposição. Segundo, cumpre ressaltar que o diretório paranaense do PRC conseguiu recrutar correligionários em municípios do interior do estado. Todavia, esses filiados eram eleitoralmente pouco competitivos. Terceiro, trata-se de destacar que o fraco desempenho eleitoral e as rivalidades entre dirigentes levaram o diretório a se dissolver. Por consequência, uma parcela dos filiados do PRC paranaense retornou ao partido situacionista do estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Aramis Richter Gomes, Universidade Federal do Paraná

Graduado (2009), mestre (2012) e doutor (2017) em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Realiza estágio de Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em História da UFPR. 

Referências

ABREU, Alzira Alves de (Coord.). Dicionário histórico-biográfico da Primeira República (1889-1930). Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2015.

ALVES, Alessandro Cavassin. A Província do Paraná: a classe política, a parentela no Governo (1853-1889). Curitiba, 2014. 495 p. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas, 2014.

ARRUDA, Larissa Vacari. Disputas oligárquicas: as práticas políticas das elites mato-grossenses (1892-1906). São Carlos: Ed. da UFSCar, 2015.

BORGES, Vera Borgéa. Morte na República: os últimos anos de Pinheiro Machado e a política oligárquica (1909-1915). Rio de Janeiro: Ed. IHGB, 2004.

CHARLE, Christophe. Prosopografia ou biografia coletiva: balanço e perspectivas. In: HEINZ, Flávio (Org.). Por outra história das elites. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 2006, p. 41-54.

DEVINCENZI, Diego Speggiorin. A crista do Chantecler: José Gomes Pinheiro Machado no jogo das mediações políticas brasileiras (1889-1915). Porto Alegre, 2018. 220 p. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2018.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Em busca da Idade do Ouro: as elites políticas fluminenses na Primeira República (1889-1930). Rio de Janeiro: UFRJ/Tempo Brasileiro, 1994.

FIGUEIREDO, Vítor Fonseca. Voto e competição política na Primeira República: o caso de Minas Gerais (1889-1930). Curitiba: CRV, 2017.

GLASSER, Roberto. Discursos: Congresso Legislativo do Estado (1914-1915). Curitiba: Papelaria Requião, 1955.

GUIMARÃES, Manuel de Alencar. Política do Paraná. Curitiba: s/e, 1915.

GOULART, Mônica Helena Harrich Silva. A dança das cadeiras: análise do jogo político na Assembleia do Paraná (1889-1930). Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Da Monarquia à Oligarquia: história institucional e pensamento político brasileiro (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2014.

MACEDO, José; VARGAS, Túlio. O juiz integral. Curitiba: SEEC/AMP, 1982.

MARTINY, Carina. O chefe político dos mais avançados: Júlio de Castilhos e o processo de construção da República (1882-1903). Porto Alegre, 2018. 382 p. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2018.

NEGRÃO, Francisco. Genealogia paranaense. Vol. 3. Curitiba: Imprensa Oficial, 2004.

NOLL, Maria Izabel; TRINDADE, Hélgio. Estatísticas eleitorais do Rio Grande da América do Sul (1823-2002). Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2004.

OLIVEIRA, Ricardo Costa de. O silêncio dos vencedores: genealogia, classe dominante e Estado do Paraná (1853-1930). Curitiba: Moinho do Verbo, 2001.

PINTO, Surama Conde Sá. A correspondência de Nilo Peçanha e a dinâmica política da Primeira República. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

RIBEIRO, Paula Vanessa Paz. “A terceira estrela da federação”: a bancada gaúcha no contexto político-eleitoral dos anos 1920 a 1924. Porto Alegre, 2019. 299 p. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2019.

RICCI, Paolo; ZULINI, Jaqueline Porto. Partidos, competição política e fraude eleitoral: a tônica das eleições na Primeira República. Dados, v. 57, n. 2, p. 443-479, 2014.

SACCOL, Tassiana Maria Parcianello. De líderes históricos a opositores: as dissidências republicanas e o jogo político regional (1890-1907). Porto Alegre, 2018. 198 p. Tese (Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Escola de Humanidades, 2018.

SAMPAIO, Consuelo. Os partidos políticos na Bahia da Primeira República: uma política da acomodação. Salvador: Ed. UFBA, 1999.

SOARES, Lívia Freitas Pinto Silva; VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. Votos, partidos e eleições na Primeira República: a dinâmica política a partir das charges de O Malho. Revista História, n. 177, p. 1-31, 2018.

STONE, Lawrence. Prosopografia. Revista de Sociologia e Política, v. 19, n. 39, p. 115-137, 2011.

VANALI, Ana Christina. “Ao povo paranaense”: a vida do cidadão Manoel Corrêa de Freitas. Curitiba, 2017. 790 p. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas, 2017.

WITTER, José Sebastião. O Partido Republicano Federal. São Paulo: Brasiliense, 1987.

ZACARIAS, Audenice Alves dos Santos. A República oligárquica em Pernambuco: montagem e declínio do domínio político de Francisco de Assis da Rosa e Silva. Recife, 2017. 198 p. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Pernambuco. Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 2017.

ZULINI, Jaqueline Porto. Modos do bom governo na Primeira República brasileira: o papel do Parlamento no regime de 1889-1930. São Paulo, 2016. 323 p. Tese (Doutorado em Ciência Política). Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, 2016.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

GOMES, S. A. R. Agremiação nacional e conflitos oligárquicos: formação, atividade eleitoral e dissolução do diretório paranaense do Partido Republicano Conservador (1915-1918). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 155–174, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.57488. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/57488. Acesso em: 7 dez. 2021.