Deslocamentos e territorializações no Império português (XVI-XIX)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2023v28n49.69330

Palavras-chave:

Deslocamentos, Territorializações, Império português

Resumo

A proposta de publicação do dossiê temático intitulado “Deslocamentos e territorializações no Império português (XVI-XIX)” teve como objetivo principal reunir artigos no campo de pesquisa pela relevância para os estudos historiográficos, aprofundando o debate ampliando assim, a produção histórica sobre o tema. A proposta do dossiê avaliou artigos que compõem a publicação deste periódico buscando historicizar empiricamente as experiências históricas em relação as elites, escravizados e pobres como agentes históricos em suas diversas relações sociais, mobilidades, conflitos, traços arquitetônicos mapeando os vários eventos culturais para entender como se estabeleceram as diversas formas de diásporas, migrações geográficas e sociais procurando dimensionaromo foram se organizando os modos de vida dos diversos indivíduos ao longo da história a partir da análise de conjuntos documentais específicos por meio das novas concepções empíricas da História.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reinaldo Forte Carvalho, Universidade de Pernambuco

Reinaldo Forte Carvalho é graduado em História pela Universidade Federal do Ceará (2001), fez mestrado no Programa de Pós-Graduação em História e Culturas pela Universidade Estadual do Ceará – UECE (2008), realizou seu doutorado no Programa de Pós-Graduação em Hitória do Norte e do Nordeste pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE (2015). É professor Adjunto do curso de História da Universidade de Pernambuco – UPE Campus Petrolina desde 2011. Especialista nas áreas de História da América colonial, História Indígena, História Contemporânea. Atualmente está realizando Estágio Pós-Doutoral na Universidade Federal do Ceará UFC sob orientação do professor Dr. Almir Leal de Oliveira com o projeto intitulado: “Deslocamentos e territorializações: aldeamentos, vilas e sesmarias indígenas na capitania do Siará Grande (XVIII)”.

Almir Leal de Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Almir Leal de Oliveira é bacharel em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), mestre (1998) e doutor (2001) em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: Ceará, semi-árido brasileiro, Ceará colonial, pensamento social, historiografia e história da ciência e tecnologia. Realizou estágio pós doutoral no Departamento de Biologia e no Center for Latin American Studies da Universidade de Stanford, Estados Unidos, onde ocupou a Chair Joaquim Nabuco in Brazilian Studies (2010-2011). É líder do Grupo de Pesquisa Ceará Colonial: economia, memória e sociedade desde 2003 e Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira e do Programa de Pós-Graduação em História.

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ARNAUD, Expedito. Curt Nimuendajú: aspectos de sua vida e obra. Revista do Museu Paulista. São Paulo, Nova Série, XXIX, p. 55-72.

CUNHA, Manoela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: FAPESP/Cia. das Letras, 1992.

DANTAS, Beatriz Góis; MARIZ, Marlene da Silva; PORTO ALEGRE, Maria Sylvia (orgs.). Documentos para a História Indígena no Nordeste: Ceará, Rio Grande do Norte e Sergipe. São Paulo: FAPESP, NHII-USP, 1994.

DATAS de Sesmarias. Fortaleza: Typographia Gadelha. 1926, 11 volumes.

FRAGOSO, João. La guerre est fini: notas para a investigação em História Social na América lusa entre os séculos XVI e XVII. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maira de Fátima (orgs.). Coleção o Brasil Colonial (1443-1580). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014, vol. 1, p. 01-37.

GASPAR NETO, Verlan Valle. A outra face do crânio: antropologia biológica no Brasil hoje. Niterói: UFF/ICHF, 2012.

JUCÁ, Gisafran Nazareno da Mota. Catálogo dos Documentos Manuscritos Avulsos da capitania do Ceará (1618-1832). Fortaleza: UFC/Fundação Demócrito Rocha, 1999.

LEITE NETO, João. Índios e terras. Ceará 1850-1880. Tese (Doutorado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2006.

LIMA, Marcos Galindo. O governo das almas. A expansão colonial no país dos Tapuia – 1651-1798. Tese (Doutorado em História). Leiden: Universidade de Leiden, 2004.

MONTEIRO, John Manuel. Armas e armadilhas: história e resistência dos índios. In: NOVAES, Adauto (org.). A outra margem da história. São Paulo: Cia. das Letras, 1999, p. 237-249.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra. São Paulo: Cia. das Letras, 1994.

OLIVEIRA, João Pacheco de. O nascimento do Brasil: revisão de um paradigma historiográfico. Anuário Antropológico. Brasília, UNB, vol. 10, n. 1, p. 11- 40, 2010.

PINHEIRO, Francisco José. CEARÁ em documentos. Guia de fontes para a história do Ceará colonial. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2019, vol. 8.

PINHEIRO, Francisco José. Documentos para a história colonial do Ceará especialmente a indígena (1690-1825). Fortaleza: Fundação Ana Lima, 2012.

PINHEIRO, Francisco José. Notas sobre a formação social do Ceará (1680-1820). Fortaleza: Fundação Ana Lima, 2008.

POMPA, Cristina. Religião como tradução: missionários, Tupi e Tapuia no Brasil colonial. Bauru: Edusc/Anpocs, 2003.

PORTO ALEGRE, Maria Sylvia. Documentos para a história indígena do Nordeste. São Paulo: NHII-USP/Fapesp, 1994.

PUNTONI, Pedro. A guerra dos bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão do nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec, 2002.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Rondônia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1935.

SANJAD, Nelson. “Nimuendajú, a senhorita doutora e os “etnógrafos berlinenses”: rede de conhecimento e espaços de circulação da etnografia alemã na Amazônia do início do século XX”. Asclepio. Revista de Historia de la Medicina y de la ciencia, vol. 71 (2), p. 01-25, 2019.

SILVA, Isabelle Braz Peixoto da. Vilas de índios no Ceará Grande: dinâmicas locais sob o Diretório Pombalino. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2003.

SOBRINHO, Thomaz Pompeu. Pré-história cearense. Fortaleza: Instituto do Ceará, 1955.

SOBRINHO, Thomaz Pompeu. Manual de Antropologia. Fortaleza: Impressa Universitária do Ceará, 1961.

SOBRINHO, Thomaz Pompeu. Sesmarias cearenses, distribuição geográfica. Fortaleza: SUDEC, 1979.

STUDART FILHO, Carlos. Aborígenes do Ceará. Revista do Instituto do Ceará, p. 153-217, 1962.

STUDART FILHO, Carlos. Notas históricas sobre os Baiacu do Ceará. Revista do Instituto do Ceará, p. 15-34, 1958, t. 72.

STUDART FILHO, Carlos. Notas históricas sobre os indígenas do Ceará. Revista do Instituto do Ceará, p. 53-103, 1931, t. 45.

VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

Downloads

Publicado

2024-02-28

Como Citar

CARVALHO, R. F.; OLIVEIRA, A. L. de. Deslocamentos e territorializações no Império português (XVI-XIX). Saeculum, [S. l.], v. 28, n. 49, p. 93–104, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2023v28n49.69330. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/69330. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Deslocamentos e territorializações no Império português (XVI-XIX)