“Não era dor / o que sentia / era abismo”: cartografias de um eu em A vida invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha

Autores

  • Maximiliano Torres Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ-FFP)

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2020v29n1.53999

Palavras-chave:

Ecocrítica, Feminismo, Opressão

Resumo

O presente artigo busca, pelo viés da teoria crítica feminista e do ecofeminismo, ler as assimetrias de gênero, legitimadas pela cultura sexista como adequadas e essenciais para a ordem vigente, a partir das experiências da protagonista do romance A vida invisível de Eurídice Gusmão (2016), de Martha Batalha. Ele procura, por meio do signo casa, e de suas representações pejorativas numa sociedade heteropatriarcal, levantar as denúncias cristalizadas nas relações gendradas, nas quais homens são associados à cultura, e por isso humanos e superiores, enquanto mulheres e não humanos são comparados à natureza e, consequentemente, subservientes e controláveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-07-17

Como Citar

TORRES, M. “Não era dor / o que sentia / era abismo”: cartografias de um eu em A vida invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha. Revista Ártemis - Estudos de Gênero, Feminismos e Sexualidades, [S. l.], v. 29, n. 1, p. 46–61, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2020v29n1.53999. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/53999. Acesso em: 5 ago. 2021.

Edição

Seção

Dossiê literatura e ecologia: vozes feministas e interseccionais