Gestão dos recursos hídricos e conflito: estudo de caso da comunidade Mãe D’água, na bacia hidrográfica Piranhas-Açu, Paraíba

Autores

  • Juliana Fernandes Moreira Universidade Federal da Paraíba
  • Pedro Costa Guedes Vianna Universidade Federal da Paraíba
  • Maristela Oliveira de Andrade
  • Válter Félix da Silva Filho Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2018v12n3.36681

Resumo

O semiárido nordestino vem sofrendo há cinco anos um período de escassez hídrica com graves repercussões na vida dos seus habitantes, nas atividades econômicas e no ambiente. Torna-se vital em uma situação como essa, uma gestão de recursos hídricos eficiente para minimizar ou contornar as situações de conflito pelo direito ao acesso à água que surgem. A presente pesquisa teve como objetivo analisar a gestão dos recursos hídricos na Bacia Hidrográfica Piranhas-Açu e um conflito por acesso à água que vem ocorrendo na Comunidade Mãe D’Água, localizada no município de Coremas-PB. Para tanto se fez uso da pesquisa bibliográfica, documental e de campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Fernandes Moreira, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda pelo PRODEMA/UFPB, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UFPB); Especialista em Direito Administrativo Econômico (MACKENZIE/SP); Professora Adjunto I do Departamento de Gestão Pública/UFPB

Pedro Costa Guedes Vianna, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Geografia Física pela USP. Professor da UFPB junto ao Departamento de Geografia/CCEN

Maristela Oliveira de Andrade

Professora Titular aposentada da UFPB, vinculada ao Departamento de Ciências Sociais

Válter Félix da Silva Filho, Universidade Federal da Paraíba

Graduando junto ao curso de Direito da UFPB. Membro do grupo de Pesquisa “Direito ao acesso à água em tempos de crise hídrica” junto ao Instituto de Pesquisa e Extensão Perspectivas e Desafios de Humanização do Direito Civil-Constitucional (IDCC)

Referências

AB’SÁBER, Aziz. Os domínios de Natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003

AESA. Disponível em: http://site2.aesa.pb.gov.br/aesa/volumesAcudes.do. Acesso em: 18 mar. 2017.

________. Disponível em: http://www.aesa.pb.gov.br/comites/piranhasacu/. Acesso em: 13 mar. 2017.

POMPEU, Tomanik. Águas doces no direito brasileiro. In: POMPEU, Tomanik. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. São Paulo: Escrituras, 1999. p. 602.

AMORIM, Alcides Leite de. Mecanismos de Resolução de Conflitos em Bacias Hidrográficas Compartilhadas: o caso das Bacias dos rios Piranhas-Açu (Brasil) e Tejo (Península Ibérica). Tese de Doutorado. Campina Grande, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), 2016.

ANA. Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Piranhas-Açu. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2014.

APARECIDA, Maria. Maria Aparecida: depoimento [nov. 2016]. Entrevistadores: O. Maria, L. Laryssa, M. Juliana, S. F. Valter. Paraíba: Coremas, 2016. Entrevista concedida ao Grupo de Pesquisa Direito de Acesso à Água em Tempos de Crise Hídrica do IDCC – Instituto de Pesquisa e Extensão Perspectivas e Novos Desafios de Humanização do Direito Civil – Constitucional.

ARTICULAÇÃO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Disponível em: < http://www.asabrasil.org.br/acoes/p1-2>; < http://www.asabrasil.org.br/acoes/p1mc#categoria_img>. Acesso em: 15. Mar. 2017.

BEVILÁCQUA, Clóvis. Código Civil. 3 ed. São Paulo: Francisco Alves, 1927. v. 1.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 16 e Julho de 1934. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm>. Acesso em: 14 mar. 2017.

_______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 31 de mar. 2017.

_______. Decreto nº 24.643 de 10 de Julho de 1934. Decreta o Código de Águas. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d24643.htm >. Acesso em: 14 mar. 2017.

_______. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em: 22 mar. 2017.

_______. Lei nº 9.433 de 8 de janeiro de 1997. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm>. Acesso em: 15 mar. 2017.

_______. Resolução nº 407 de 11 de abril de 2016 da Agência Nacional de Águas (ANA). Disponível em: < http://arquivos.ana.gov.br/resolucoes/2016/407-2016.pdf >. Acesso em: 18 mar. 2017.

CAMPOS, Valéria Nagy de Oliveira e FRACALANZA, Ana Paula. Governança das águas no Brasil: conflitos pela apropriação da água e a busca da integração como consenso. Ambient. soc. [online]. 2010, vol.13, n.2, pp.365-382

CANO, Wilson. Crise e industrialização no Brasil entre 1929 e 1954: a reconstrução do Estado Nacionale a política nacional de desenvolvimento. Rev. Econ. Polit. [online]. 2015, vol.35, n.3

COELHO, Antonio Hamilton. O bem ambiental, sua propriedade e os tribunais de contas. In Revista do Tribunal de Contas de Minas Gerais. ago/set/out/2012. P. 35-58. Disponível em: http://revista.tce.mg.gov.br/

COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS. A história das barragens no Brasil – Séculos XIX, XX e XXI: Cinquenta anos do Comitê Brasileiro de Barragens. Rio de Janeiro: Sindicato Nacional dos Editores de Livro, 2011.

CORREIA, Francisco Nunes. Prefácio à Edição Portuguesa. In: BARRAQUÉ, Bernard. As águas na Europa. Trad. Fernanda Oliveira. Lisboa: Instituto Piaget, 1996, p. 12.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Comunidades Remanescentes de Quilombos (CRQ’s). Disponível em: < http://www.palmares.gov.br/?page_id=37551>. Acesso em: 22 mar. 2017.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Direito de Águas. 4 ed. São Paulo: Atlas S.A., 2014.

IBGE. Atlas do Censo Demográfico 2010. Disponível em: < http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?uf=25&dados=29>. Acesso em: nov/2015

IBGE. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=250400>. Acesso em: 19 mar. 2017.

_______. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=250480>. Acesso em: 13 mar. 2017.

LANNA, A. Eduardo. Aspectos Conceituais da Gestão das Águas. Disponível em:< https://www.passeidireto.com/arquivo/1000547/lanna-cap1> . Acesso: jun. 2017 , 1999, p.5

LEDERACH, Joh Paul. Transformação de Conflitos. 1 ed. São Paulo: Palas Athena, 2012.

LEITE, Sérgio. A gestão dos recursos hídricos no Brasil. Disponível em: http://www.campomagro.pr.gov.br/wp-content/uploads/2015/03/A-gest%C3%A3o-dos-recursos-h%C3%ADdricos-no-Brasil.pdf. Acesso: agosto 2017.

LIMA, Valéria Raquel Porto de. Conflito pelo Uso da Água do Canal da Redenção: Assentamento Acauã – Aparecida –PB. João Pessoa: UFPB, 2006.

MOREIRA, Juliana. Legislação Ambiental e Conflitos Sócio-Ambientais: o caso da atividade carcinicultura na APA da Barra do Rio Mamanguape-PB. Dissertação (Mestrado) – UFPB/PRODEMA, 2008

PENA, Rodolfo F. Alves. Irrigação e economia de água. Brasil Escola. Disponível em < http://brasilescola.uol.com.br/geografia/irrigacao-economia-agua.htm>. Acesso em 13 de abril de 2017.

POMPEU, Cid Tomanik. Direito de Águas no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010. p. 315.

RODRIGUES, William Costa. Metodologia Científica. Disponível em: http://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/33851445/metodologia_cientifica.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1501720688&Signature=8vs6rnOJWpur02dS1I8C1BJhKm0%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DMetodologia_Cientifica_Conceitos_e_Defin.pdf . Acesso em: Julho/2016.

SANTIN, Janaína Rigo; GOELLNER, Emanuelle. A gestão dos recursos hídricos e a cobrança pelo seu uso. Sequência (Florianópolis). Scientific Electronic Library Online. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-70552013000200008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 mar. 2017.

SASSO DE LIMA, Telma Cristiane; TAMASO MIOTO, Regina Célia. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, v. 10, 2007, p. 38.

SECRETARIA DE ESTADO DA MULHER E DA DIVERSIDADE HUMANA. Relatório I Seminário Estadual de Políticas Publica para Comunidades Quilombolas do Estado da Paraíba. Paraíba: 2011.

SIMMEL, G. Conflito e estrutura de grupo. São Paulo: Ática, 1983

TUÍCA, Geralda. Geralda Tuica: depoimento [abr. 2016]. Entrevistadores: M. Juliana, S. F. Valter. Paraíba: Coremas, 2017. Entrevista concedida ao Grupo de Pesquisa Direito de Acesso à Água em Tempos de Crise Hídrica do IDCC – Instituto de Pesquisa e Extensão Perspectivas e Novos Desafios de Humanização do Direito Civil – Constitucional.

Downloads

Publicado

2018-12-28

Como Citar

FERNANDES MOREIRA, J.; COSTA GUEDES VIANNA, P.; OLIVEIRA DE ANDRADE, M.; DA SILVA FILHO, V. F. Gestão dos recursos hídricos e conflito: estudo de caso da comunidade Mãe D’água, na bacia hidrográfica Piranhas-Açu, Paraíba. Gaia Scientia, [S. l.], v. 12, n. 3, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2018v12n3.36681. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/36681. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Ciências Ambientais