As plantas medicinais, a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do SUS e Projeto Farmácia Verde em São Lourenço, MG

Rodrigo Framil de Souza, Maria Alice Fernandes Corrêa Mendonça, Eliana Alcântra

Resumo


A implantação da PNPIC-SUS reforça a importância de se identificar e reconhecer o conhecimento popular sobre as plantas medicinais. No sentido de aproximar o sistema público de saúde da população usuária e também, de incorporar a esse sistema, seus valores de saúde, suas práticas e quintais. Objetivou-se com esse trabalho mapear o cultivo e uso de plantas medicinais entre os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), cadastrados no Programa Saúde da Família(PSF), no município de São Lourenço, Minas Gerais. Como método de pesquisa, realizaram-se entrevistas com 50 participantes. Cada participante respondeu duas entrevistas com um roteiro tipo 1 e um tipo 2. Ainda, foram coletadas amostras das plantas cultivadas, as quais foram devidamente identificadas com seus nomes científicos e famílias. Como resultado, revelou-se um mapa etnobotânico da área da UBS Vila Nova em São Lourenço, com o levantamento das plantas medicinais mais utilizadas para tratamentos diversos. Catalogaram-se 180 amostras de 46 espécies distintas.. Conclui-se que os dados desta pesquisa podem contribuir para o reconhecimento do saber popular sobre as plantas medicinais. Além disso, reitera a importância social, econômica e cultural das políticas públicas ao se destacar também os desafios para o pleno conhecimento e usufruto das mesmas pela população.

Palavras-chave


plantas medicinais; terapias complementares; etnobotânica.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Formulário Nacional. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2006. 175 p.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução da diretoria colegiada - RDC Nº 18, DE 03 DE ABRIL DE 2013

Albuquerque UP, Cruz da Cunha LVF, Lucena RFP, Alves RRN. 2014. Methods and techniques used to collect ethnobiological data. In: Methods and techniques in Ethnobiology and Ethnoe-cology. Humana Press, New York, NY. p. 15-37.

Almeida MZ. 2011. Plantas Medicinais. 3. ed. Salvador: EDU FBA. I SBN 978-85-232-1216-2.

Amorozo MCM e Gely AL. 1988. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo Amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica, v.4, n.1, p.47-131.

Amorozo MCM, Reis MS e Ferri PH. 1996. A Abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DI STASI, L.C. (Org.). Plantas medicinais: arte e ciência - um guia de estudo inter-disciplinar. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista. p.47-68.

Amorozo MCM. 2002. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v.16, n.2, p.189-203.

Araújo I. 1999. A medicina popular. 3.ed. Natal: Editora da UFRN, 118p.

Barreto JA, Nunes JG e Aroucha EBL. 2014. Um olhar trimembrado sobre a implantação de serviços de práticas integrativas e complementares em saúde. In: Práticas integrativas em saúde: proposições teóricas e experiências na saúde e educação. Recife: UFPE. p. 155-174.

Bianchi RV. 2012. Farmácia da natureza: um modelo eficiente de farmácia viva. 2012. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. Disponível em: Acesso em: 16 jun. 2018.

BRASIL. 2005. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 267, de 22 de setembro de 2005. Regu-lamento Técnico de Espécies Vegetais para o Preparo de Chás. Disponível em: .Acesso em: 29 out. 2018.

BRASIL. 2006. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, PNPIC, SUS. Brasília: Ministério da Saúde. 92p.

BRASIL. 2012. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Bási-ca/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasí-lia: Ministério da Saúde. 156 p.:il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica ; n. 31)

BRASIL. 2015. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de amplia-ção de acesso / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Bá-sica. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde. 96 p.

BRASIL. 2009. RESOLUÇÃO SES-MG Nº 1885, DE 27 DE MAIO DE 2009.

Calábria L, Cuba GT, Hwang SM, Marra JCF, Mendonça MF, Nascimento RC, Oliveira MR, Porto JPM, Santos DF, Silva BL, Soares TF, Xavier EM, Damasceno AA, Milani JF, Rezende CHA, Barbosa AAA e Canabrava HAN. 2008. Levantamento etnobotânico e etnofarmacológico de plantas medicinais em Indianópolis, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.10, n.1, p.49-63.

Carvalho LM de. 2015. Orientações Técnicas para o Cultivo de Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares. Circular técnica n. 70, Embrapa Tabuleiros Costeiros.

Castellucci, S, Lima MIS, Nordi N e Marques JGW. 2000. Plantas medicinais relatadas pela comunidade residente na Estação Ecológica de Jataí, município de Luís Antônio - SP: uma abordagem etnobotânica. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.3, n.1, p.51-60.

Costa VP e Mayworm MAS. 2011. Plantas medicinais utilizadas pela comunidade do bairro dos Tenentes - município de Extrema, MG, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.13, n.3, p.282-92.

Cunha AP da., Silva AP da e Roque OR. 2003. Plantas e produtos vegetais em fitoterapia. Lis-boa: Fundação Calouste Gulbenkian.

De Mello Botelho J, Do Nascimento Lamano-Ferreira AP e Lamano Ferreira M. 2014. Prática de cultivo e uso de plantas domésticas em diferentes cidades brasileiras. Ciência Rural, v. 44, n. 10.

Dorigoni PA, Ghedini PC, Fróes LF, Baptista KC, Ethur ABM, Baldisseroto B, Burger ME, Al-meida CE, Lopes AMV e Záchia RA. 2001. Levantamento de dados sobre plantas medicinais de uso popular no município de São João do Polêsine, RS, no período de agosto de 1997 a dezembro de 1998. I – Relação entre enfermidades e espécies utilizadas. Revista Brasileira de Plantas Medi-cinais, Botucatu, v. 4, n. 1, p. 69-79.

Fonseca-Kruel VS e Peixoto AL. 2004. Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, brasil. Acta Botânica Brasílica, porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 177-90.

Fonseca VS e Sá CFC. 1997. Situación de los estudios etnobotánicos en ecosistemas costeros de Brasil. In: Memorias del simposio ecuatoriano de etnobotánica y botánica económica, 2. Arraial do Cabo: Serviço Social Rural. p.57-81.

Hanazaki N, Leitão Filho HF e Begossi A. 1996. Uso de recursos na Mata Atlântica: o caso da Ponta do Almada. Interciência, v.21, n.6, p.268-76.

IBGE. 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico. Minas Gerais.

IBGE. 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico. Minas Gerais.

Jacoby C, Coltro EM, Sloma DC, Müller J, Dias LA, Luft M, Beruski P e Rondon Neto RM. 2002. Plantas medicinais utilizadas pela comunidade rural de Guamirim, Município de Irati, PR. Revista de Ciências Exatas e Naturais, v.4, n.1, p.79-89.

Joly AB. 1998. Botânica: introdução à taxonomia vegetal. 12.ed. São Paulo: Editora Nacional.

Kffuri CW. 2008. Etnobotânica de plantas medicinais no município de Senador Firmino, Minas Gerais. 88p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa

Lins Julio AB. 2009. A cidadania e a prática de saúde da família. In: Pinheiro R e

Martins P. Avaliação em saúde na perspectiva do usuário: abordagem multicêntrica. CEPESC – IMS/UEJ – Recife: Editora Universitária UFPE – São Paulo: ABRASCO. p. 325-331. ISBN 978-85-89737-51-7.

Oliveira FC de, Albuquerque UP de, Fonseca-Kruel VS da e Hanazaki N. 2009. Avanços nas pes-quisas etnobotânicas no Brasil. Acta bot. bras, v. 23, p. 590-605.

Schenkel GP. 2004. Cuidados com os medicamentos. 4 ed. Santa Catarina: UFSC. 224p.

Sousa IMC de, Bodstein RC de A, Tesser CD, Santos F de A da S e Hortale VA. 2012. Práticas integrativas e complementares: oferta e produção de atendimentos no SUS e em municípios selecio-nados. Cad. Saúde Pública [online]. vol.28, n.11, p.2143-2154. Disponível em: . Acesso em: 24 de ago. 2018.

Lorenzi H e Matos FJA. 2008. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odes-sa, SP: Instituto Plantarum.

Marodin SM e Baptista LR de M. 2002. Plantas medicinais do Município de Dom Pedro de Alcân-tra, estado do Rio Grande do Sul, Brasil: espécies, famílias e usos em três grupos da população hu-mana. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 5, n. 1, p. 1-9.

Martin GJ. 1995. Ethnobotany, a methods manual. Chapman & Hall, Londres. 268 p.

Matos FJA. 2002. Farmácias Vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pe-quenas comunidades. 4. ed. Rev. e Ampl. Fortaleza: UFC. 267p.

Trindade C, Sartório ML e Rezende P. 2008. Farmácia Viva: utilização de plantas medicinais. Viçosa: CPT. 246p.

Pasa MC, Soares JJ e Guarim Neto G. 2005. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil). Acta Botânica Brasilica, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p.195-207.

Pereira JBA, Rodrigues MM, Morais IR, VIEIRA CRS, Sampaio JPM, Moura MG, Damasceno MFM, Silva JN, Calou IBF, Deus FA, Peron AP, Abreu MC, MILITÃO GCG e Ferreira PMP.2014. O papel terapêutico do Programa Farmácia Viva e das plantas medicinais no centro-sul piauiense, Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v.17, n.4, p.550-561.

Rodrigues AG, Santos MG e De Simoni C. 2011. Fitoterapia na Saúde da Família. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (Org.). Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade (PROMEF). Porto Alegre: Artmed/Panamericana. p. 131-165.

Rodrigues VGS. 2004. Cultivo, uso e manipulação de plantas medicinais. Porto Velho: Embrapa Rondônia. 25 p. (Documentos / Embrapa Rondônia, ISSN 0103-9865 ;91).

Santos MRA, Lima MR e Ferreira MGR. 2008. Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia. Horticultura Brasileira, v.26, n.2, p.244-250.

Silva-Almeida MF e Amorozo MCM. 1998. Medicina popular no Distrito de Ferraz, Município de Rio Claro, SP. Brazilian Journal of Ecology, v.2, n.1, p.36-46.

Silva FS, Macedo RLG, Venturim N., Morais V de M e Gomes JE. 2005. Levantamento etnobotânico das plantas medicinais da zona rural do município de Piumhi, Minas Gerais. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, v.3, n.6, p.1-4.

Silva MD, Dreveck S e Zeni ALB. 2009. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela população rural no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí - Indaial. Revista Saúde e Ambiente, v.10, n.2, p.54-64.

Souza C. 2006. Políticas públicas: uma revisão da literatura.

Yarza O. 1982. Plantas que curam & plantas que matam. São Paulo: Hemus. 228




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2019v13n1.43949

Revista Gaia Scientia - ISSN 1981-1268

Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=6



Licença Creative Commons

Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional