Levantamento etnobotânico do jatobá (Hymenaea courbaril L., Fabaceae) no norte do estado de Mato Grosso, Brasil

Poliana Vicente Tiago, Ana Aparecida Bandini Rossi, Eliane Cristina Moreno de Pedri, José Martins Fernandes, Auana Vicente Tiago, Joameson Antunes Lima

Resumo


O jatobá (Hymenaea courbaril L.), pertencente à família Fabaceae, é uma planta arbórea que possui potencial madeireiro, alimentar e medicinal. Este estudo teve por objetivo realizar um levantamento etnobotânico do jatobá (Hymenaea courbaril) na região norte do Estado de Mato Grosso, Brasil. Dados socioeconômicos e etnobotânicos foram obtidos a partir de perguntas fechadas e abertas com os entrevistados. Os resultados foram avaliados quali e quantitativamente. Os entrevistados, em sua maioria, nasceram no Sul do Brasil, mas residem há mais de 20 anos no norte de Mato Grosso, com predominância de agricultores familiares. Os entrevistados relataram conhecer a espécie, principalmente, pelas características das folhas, casca e fruto. A espécie é utilizada nas categorias alimentar, artesanato, ecológica, madeireira, medicinal e tecnológica, totalizando 42 tipos de usos, sendo que destes, 83% foram incluídos na categoria medicinal. As maiores concordâncias de uso entre os entrevistados foram para o tratamento de gripe (CUPc=68), anemia (CUPc=56) e farinha do fruto para alimento (CUPc=48). Os resultados indicam que H. courbaril é uma espécie de uso múltiplo, sendo utilizado, principalmente, como medicinal e que os entrevistados possuem amplo conhecimento sobre a espécie nativa da Amazônia Brasileira.

Palavras-chave


Amazônia, conservação, uso múltiplo.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque UP, Andrade LHC. 2002. Conhecimento botânico tradicional e conservação em uma área de caatinga no Estado de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, 16(3):273-285. DOI: 10.1590/S0102-33062002000300004

Albuquerque UP, Lucena RFP. 2004. Seleção e escolha dos informantes. In: Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: Livro Rápido/NUPEEA, p. 19-35.

Alvares CA, Stape JL, Sentelhas PC, Gonçalves JLM, Sparovek G. 2013. Koppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22(6):711–728. DOI: 10.1127/0941-2948/2013/0507

Alvino PO, Silva MFF, Rayol BP. 2005. Potencial de uso das espécies arbóreas de uma floresta secundária, na zona Bragantina, Pará, Brasil. Acta amazônica, 35(4):413-420. DOI: 10.1590/S0044-59672005000400005

Amorozo MCM, Gély A. 1988. Uso de plantas medicinais por caboclos do Baixo Amazonas. Barcarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Emílio Goeldi, 4:47-129.

Andrade JKB, Andrade ABA, Azevêdo SMA, Pessoa RMS, Costa Júnior DS. 2013. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no município de Poço de José de Moura–PB. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 8(4):253-257. DOI: 10.18378/rvads.v8i4.2712

APW. Angiosperm phylogeny website. Disponível em: http://www.mobot.org/MOBOT/ research/APweb/. Acesso em: 12 de julho de 2019.

Barroso GM. 1991. Sistemática de angiospermas do Brasil. Viçosa: Imprensa Universitária, 326 p.

Batista AG, Esteves EA, Dessimoni-Pinto NAV, Oliveira LG, Pires ST, Santana RC. 2011. Chemical composition of jatobá-do-cerrado (Hymenaea stigonocarpa Mart.) flour and its effect on growth of rats*. Alimentos e Nutrição, 22(2):173-180.

Bezerra GP, Góis RWS, Brito TS, Lima FJB, Bandeira MAM, Romero NR, Magalhães PJC, Santiago GMP. 2013. Phytochemical study guided by the myorelaxant activity of the crude extract, fractions and constituent from stem bark of Hymenaea courbaril L. Journal of Ethnopharmacology, 149(1):62–69. DOI: 10.1016/j.jep.2013.05.052

BFG - The Brazil Flora Group. 2018. Brazilian Flora 2020: Innovation and collaboration to meet Target 1 of the Global Strategy for Plant Conservation (GSPC). Rodriguésia, 69(4): 1513-1527. DOI: 10.1590/2175-7860201869402

Brasil. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. 2009. Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS: RENISUS. Disponível em:

/junho/06/renisus.pdf>. Acesso em 14 jan 2019.

Campos LZ, Albuquerque UP, Peroni N, Araújo EL. 2015. Do socioeconomic characteristics explain the knowledge and use of native food plants in semiarid environments in Northeastern Brazil?. Journal of Arid Environments, 115: 53-61. DOI: 10.1016/j.jaridenv.2015.01.002

Castellen MS. Avaliação do estado de conservação de populações naturais de Jatobá (Hymenaea courbaril. L) por meio de análise de estrutura genética e correlação espacial. 2005. 104 f. Tese (Doutorado em Ecologia) - Escolar Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2005.

Cunha SA, Bortolotto IM. 2011. Etnobotânica de Plantas Medicinais no Assentamento Monjolinho, município de Anastácio, Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 25(3):685-698. DOI: 10.1590/S0102-33062011000300022

Fagundes NCA, Oliveira GL, Souza BGD. 2017. Etnobotânica de plantas medicinais utilizadas no distrito de Vista Alegre, Claro dos Poções–Minas Gerais. Fitos, 11(1):1-118. DOI: 10.5935/2446-4775.20170007

Ferreira ALS, Batista CAS, Pasa MC. 2015. Levantamento etnobotânico nas diferentes realidades de ensino. Biodiversidade, 14(3):60-73.

Ferreira FMC, Lourenço FJDC, Baliza DP. 2014. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais na comunidade quilombola Carreiros, Mercês-Minas Gerais. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 9(3):205-212.

Fidalgo O, Bononi VLR. 1989. Técnicas de coleta, preservação e herborização do material botânico. São Paulo: Instituto de Botânica, 61 p.

Gandolfo ES, Hanazaki N. 2011. Etnobotânica e urbanização: conhecimento e utilização de plantas de restinga pela comunidade nativa do distrito do Campeche (Florianópolis, SC). Acta Botanica Brasilica, 25(1):168-177. DOI: 10.1590/S0102-33062011000100020

Guarim Neto G. 1997. A importância da flora amazônica para uso medicinal. Horticultura Brasileira, 15:159-161.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama - Alta Floresta, IBGE 2018. Disponível em: . Acesso em 08 jan 2019.

Lacerda AEB, Sebbenn AM, Kanashiro M. 2008. Long-pollen movement and deviation of random mating in a low density continuous population of Hymenaea courbaril in the Brazilian Amazon. Biotropica, 40(4):462–470.

Lee YT, Langenheim JH. 1975. Systematics of the genus Hymenaea L. (Leguminosae; Caesalpinioideae; Detarieae). University of California Publications in Botany, 69:1-105.

Lewis GP, Schrire BD, Mackinder BA, Lock JM. 2005. Leguminosae of the World. Royal Botanic Gardens, Kew, 577 p.

Lima HC, Pinto RB. 2015. Hymenaea in: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: . Acesso em 09 Jul 2019.

Lisboa PLB, Terezo EFM, Silva JCA. 1991. Madeiras amazônicas: considerações sobre exploração, extinção de espécies e conservação. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 7(2):521-542.

Macêdo DG, Ribeiro DA, Coutinho HD, Menezes IR, Souza MM. 2015. Práticas terapêuticas tradicionais: uso e conhecimento de plantas do cerrado no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas, 14(6):491-508.

Messias MCTB, Menegatto MFM, Prado ACC, Santos BR, Guimarães MFM. 2015. Uso popular de plantas medicinais e perfil socioeconômico dos usuários: um estudo em área urbana em Ouro Preto, MG, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(1):76-104. DOI: 10.1590/1983-084X/12_139

Moraes Rego CAR, Rocha AE, Oliveira CA, Pacheco FPF. 2016. Levantamento etnobotânico em comunidade tradicional do assentamento Pedra Suada, do município de Cachoeira Grande, Maranhão, Brasil. Acta Agronómica, 65(3):2016. DOI: 10.15446/acag.v65n3.50240

Pasa MC, Soares JJ, Guarim Neto G. 2005. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 19(2):195-207. DOI: 10.1590/S0102-33062005000200001

Pereira ZV, Fernandes SSL, Sangalli A, Mussury RM. 2012. Usos múltiplos de espécies nativas do bioma Cerrado no Assentamento Lagoa Grande, Dourados, Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia,7(2):126-136.

Perin, CL. Escola, colonização e formação da identidade do colono: História e memórias da terra prometida de Alta Floresta-MT (1976-1982). 2015. 108f. Dissertação (Mestrado em Educação na Área História da Educação e Memória) - Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2015.

Prado ACC, Rangel EB, Sousa HC, Messias MCTB. 2019. Etnobotânica como subsídio à gestão socioambiental de uma unidade de conservação de uso sustentável. Rodriguésia, 70:1-10. DOI: 10.1590/2175-7860201970019

Ramires M, Clauzet M, Begossi A. 2012. Folk taxonomy of fishes of artisanal fishermen of Ilhabela (São Paulo/Brazil). Biota Neotropica, 12(4):29-40. DOI: 10.1590/S1676-06032012000400002

Roboredo D, Bergamasco SMPP, Tosetti LL, Gervásio W, Souza ALA, Domingues TR. (2017). Conflitos socioambientais para a preservação de recursos hídricos na Microbacia Hidrográfica Mariana da Amazônia Matogrossense, 2011 e 2012. Informações Econômicas, 47(3):27-39.

Salman AKD, López GFZ, Bentes-Gama MM, Andrade CMS. 2008. Espécies arbóreas nativas da Amazônia Ocidental Brasileira com potencial para arborização de pastagens. Porto Velho: Embrapa Rondônia. 2008. 20 p. (Documentos, 127).

Seluchinesk RDR. De heróis a vilões: imagem e auto-imagem dos colonos da Amazônia Mato-Grossense. 2008. 263f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília. Brasília, 2008.

Shanley P, Medina G. 2005. Frutíferas e Plantas Úteis na Vida Amazônica. Belém: CIFOR, Imazon, 300 p.

Silva CG, Marinho MGV, Lucena MFA, Costa JGM. 2015. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em área de Caatinga na comunidade do Sítio Nazaré, município de Milagres, Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(1):133-142. DOI: 10.1590/1983 084X/12_055

Silva LL. Substratos para a produção de mudas de jatobá (Hymenaea courbaril L.). 2017. 73f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Sementes) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel - Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, 2017.

Silva MR, Lamarca EV. 2018. Registros etnobotânicos e potenciais medicinais e econômicos do jatobá (Hymenaea courbaril). Revista da Universidade Ibirapuera, 15(1):8-12.

Toledo RM. Modelagem espacial do fluxo gênico de sementes de Jatobá (Hymenaea courbaril), através de marcadores moleculares, na paisagem fragmentada do Pontal do Paranapanema, SP. 2005. 73f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Agroecossistemas) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - Universidade de São Paulo. São Paulo, 2005.

Vásquez SPF, Mendonça MS, Noda SN. 2014. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, 44(4):457-472. DOI: 10.1590/1809-4392201400423




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2019v13n1.44089

Revista Gaia Scientia - ISSN 1981-1268

Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=6



Licença Creative Commons

Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional