Etnoconhecimento dos apicultores de um município do semiárido potiguar, Nordeste do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2021v15n1.57230

Resumo

Objetivou-se registrar o etnoconhecimento dos apicultores em relação aos recursos florestais e os impactos das mudanças climáticas sobre a flora do município de Marcelino Vieira, Rio Grande do Norte. As ações da pesquisa ocorreram no período de março a julho/2018 e contou com a participação de 20 apicultores selecionados por meio de amostragem não-probabilística a partir dos dados da Associação Comunitária Jefferson Fernandes de Medeiros. Para a obtenção dos dados utilizou-se de observação participante, listas livres, turnês-guiadas, diário de campo e aplicação de formulário estruturado. O uso das plantas foi classificado conforme descritores pré-estabelecidos. Constatou-se que os apicultores fazem uso de 68 espécies vegetais agrupadas em cinco descritores: alimentar, madeireiro, medicinal, combustível e forragem. A maioria das espécies (54) tem utilidade medicinal, com destaque para Anacardium occidentale L./ Cajueiro (0,45) e Astronium urundeuva (M.Allemão) Engl./ Aroeira (0,4) que apresentaram os maiores valores de uso (VU). A maioria dos apicultores (85%) acreditam que as temperaturas mais elevadas e escassez de chuvas estão associadas com a redução das áreas florestais no município. Conclui-se que os apicultores detêm importante conhecimento sobre os recursos naturais manejados, e devem ser valorizados para a implementação de ações de sustentabilidade da Caatinga no Alto-Oeste Potiguar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-04-15 — Atualizado em 2021-08-12

Versões

Como Citar

PIFFERO CÂMARA, C.; DE TASSO MOREIRA RIBEIRO, R.; BEZERRA LOIOLA, M. I. Etnoconhecimento dos apicultores de um município do semiárido potiguar, Nordeste do Brasil . Gaia Scientia, [S. l.], v. 15, n. 1, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2021v15n1.57230. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/57230. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Ciências Ambientais