Percepção de serviços ecossistêmicos por agricultores periurbanos em São Paulo, SP, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2021v15n3.61206

Resumo

Os manejos adotados nos agroecossistemas interferem positiva ou negativamente nos diferentes serviços ecossistêmicos (SE). Compreender a percepção do SE e sua importância é muito relevante para as políticas públicas da agricultura familiar, de acordo com práticas que possam mitigar os efeitos das mudanças climáticas e criar resiliência aos agroecossistemas, com ganhos ambientais para toda a sociedade. Com o aumento desse entendimento, é possível aprimorar o manejo do agroecossistema e aumentar o grau de positividade das interferências no SE. O objetivo deste trabalho é analisar a percepção do SE por agricultores localizados em áreas periurbanas. O estudo foi realizado na Comuna da Terra Irmã Alberta, pré-assentamento estabelecido na capital do Estado de São Paulo, com observação participante e aplicação de entrevistas semiestruturadas com informantes-chave. Os SE mais percebidos foram aqueles relacionados às funções de suporte ecossistêmico e à cultura, sendo os mais citados: “berçário”, “identidade cultural”, “alimentação”, “regulação sonora”, “valorização estética” e “qualidade do ar”. Os aspectos socioculturais e o contexto espacial em que estão inseridos influenciaram a percepção dos serviços ecossistêmicos. A presença de quintais agroflorestais foi o fator que mais influenciou a percepção de SE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clovis José Fernandes Oliveira Junior, Instituto de Pesquisas Ambientais

Pesquisador Cientifico Centro de Pesquisas em Ecologia e Fisiologia Instituto de Botânica (SP) Produção de Plantas Nativas; Agroecologia e Sistemas Agroflorestais

Downloads

Publicado

2021-11-11

Como Citar

SILVA, D. M. B. da .; OLIVEIRA JUNIOR, C. J. F. Percepção de serviços ecossistêmicos por agricultores periurbanos em São Paulo, SP, Brasil. Gaia Scientia, [S. l.], v. 15, n. 3, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2021v15n3.61206. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/61206. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais