Macroinvertebrados Bentônicos como Instrumentos Educativos para a Conservação de Ecossistemas Aquáticos em Unidades de Conservação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2023v17n3.67592

Resumo

A Mata Atlântica é um dos biomas brasileiros com a maior biodiversidade e um dos mais ameaçados pela fragmentação. Dentre suas formações vegetais, destaca-se a Floresta Ombrófila Mista (FOM), predominante na região sul do Brasil. Em resposta à intensa exploração e fragmentação, a implantação de Unidades de Conservação (UCs) tornou-se necessária para a proteção da biodiversidade existente nestes biomas. Dentre a elevada biodiversidade de um ecossistema aquático pertencente a uma UC, destacam-se os macroinvertebrados bentônicos, considerados bioindicadores ambientais. Nesse contexto, a presente pesquisa objetivou desenvolver instrumentos educativos e tecnológicos, que possibilitem a análise integrada de ecossistemas lóticos em Estações Ecológicas (ESECs) de dois municípios inseridos na FOM no estado do Paraná. A partir da identificação taxonômica dos indivíduos amostrados, foram elaborados instrumentos didáticos, tecnológicos, acessíveis e lúdicos, por meio dos softwares Prezi e Canva. Esses são capazes de aproximar a sociedade de informações biológicas e ambientais relacionadas aos ecossistemas aquáticos de UCs, destacando a importância dos macroinvertebrados bentônicos como uma fauna indicadora de qualidade de água. Espera-se que esses materiais possam ser utilizados em oficinas de planejamento participativo de planos de manejo de UCs e que também contribuam para a divulgação do conhecimento científico e valorização da Ciência pela sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2024-01-24

Como Citar

ITOH NASCIMENTO, M. C.; GADONSKI, N.; FERREIRA MAZZUCATTO ESTEVES, I.; SURIANI AFFONSO, A. L. Macroinvertebrados Bentônicos como Instrumentos Educativos para a Conservação de Ecossistemas Aquáticos em Unidades de Conservação. Gaia Scientia, [S. l.], v. 17, n. 3, p. 43–56, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2023v17n3.67592. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/67592. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Ciências Ambientais