A crítica da razão nas ciências humanas e naturais na obra “O Eclipse da Razão” de Max Horkheimer.

  • Eli Vagner Rodrigues UNESP
Palavras-chave: Ciências Humanas, Ciências Naturais, Imanente, Positivismo, crise

Resumo

O artigo analisa a crítica de Max Horkheimer ao conceito de razão relacionada às ciências humanas e naturais na forma como foi estabelecida enquanto instância reguladora na história da ciência e da filosofia no ocidente. A tese central de Horkheimer é a de que existe uma diferença fundamental entre a teoria segundo a qual a razão é um princípio inerente da realidade, e a doutrina segundo a qual a razão é uma faculdade subjetiva da mente. Analisa-se a forma como Horkheimer tenta demonstrar que a perspectiva racional imanente levou a concepções dogmáticas em algumas disciplinas das ciências humanas e como a perspectiva positivista conduz a alguns problemas epistemológicos relacionados à forma como se concebe a relação entre ciência e verdade. Conclui-se com a crítica de Horkheimer à possibilidade, aberta pela visão positivista, do uso da ciência, ou do discurso cientificista, como instrumento de domínio político na sociedade contemporânea.

Biografia do Autor

Eli Vagner Rodrigues, UNESP

Prof. Dr. Departanento Ciência Humanas da FAAC UNESP Bauru

Área : Filosofia

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento:

fragmentos filosóficos. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1991.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. São Paulo:

Martins Fontes, 2000.

HORKHEIMER, M. Vernunft und Selbsterhaltung. Frankfurt am Main:

Fischer Verlag, 1992.

______________ O Eclipse da Razão, 7 edição, São Paulo, Centauro, 2002.

Publicado
2015-09-16
Como Citar
Rodrigues, E. V. (2015). A crítica da razão nas ciências humanas e naturais na obra “O Eclipse da Razão” de Max Horkheimer. Aufklärung: Revista De Filosofia, 2(2), p.123-138. https://doi.org/10.18012/arf.2016.25450