Considerações sobre a ação como negociação

Autores

  • Diogo Bogéa Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ
  • Marcio Francisco Teixeira de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ

DOI:

https://doi.org/10.18012/arf.v7i3.52011

Palavras-chave:

Ação, Negociação, Circunstâncias

Resumo

Nosso objetivo neste artigo é investigar as possibilidades de pensar o conceito de “ação” aproximando-o da noção de “negociação”, retomando assim o próprio significado da palavra práxis. Partimos de uma crítica da noção arendtiana de ação como “iniciativa”, apontando suas bases metafísicas. Procurando nos distanciar de uma compreensão de “ação” muito presa à tradicional metafísica da subjetividade, isto é, a ação como livre-iniciativa de um sujeito racional e consciente, recorremos a Espinosa e Ortega y Gasset. As noções de afetividade e de circunstância, no sentido amplo em que tais pensadores as empregam, nos ajudam a pensar a “ação” como negociação entre multiplicidades de circunstâncias que se afetam mutuamente de muitas maneiras. Por fim, exploramos algumas consequências ético-políticas de uma tal concepção de ação.

Biografia do Autor

Diogo Bogéa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ

Professor de Filosofia na Faculdade de Educação da UERJ. Doutor e Mestre em Filosofia pela PUC-Rio. Graduado em História pela UERJ-FFP.

Marcio Francisco Teixeira de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ

Professor de Filosofia na Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ. Mestre em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. São Paulo: Martins Fontes, 2007

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010

CARVALHO, José Maurício de. O conceito de circunstância em Ortega y Gasset. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis: EDUFSC. Volume 43, n. 2, 2009

CHAUÍ, Marilena. O desafio filosófico de Espinosa. Folha de São Paulo, Edição de 9 de Janeiro de 1994. https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/1/09/mais!/16.html (último acesso em: 01/08/2019 às 21:59)

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2004

GASSET, Ortega y. Meditaciones del Quijote. Madrid: Casa de los estudiantes, 1914

GASSET, Ortega y. Ortega y Gasset (Coleção Educação - Pensadores). Recife: Massangana, 2010

GASSET, Ortega y. O homem e os outros. Campinas: Vide Editorial, 2017

MAGNO, MD. Revirão. Rio de Janeiro: Novamente, 2003

MEDEIROS, Nelma. A contribuição do espinosismo à discussão setecentista sobre a forma e o gosto. In: XIII Encontro de História Anpuh-Rio, 2008, Seropédica. Anais do XIII Encontro de História Anpuh-Rio.

MORA, José Ferrater. Diccionario De Filosofia (Tomo II, L-Z). 5ª.Ed. Montecasino. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1964

NANCY, Jean-Luc. Arquivida. São Paulo: Iluminuras, 2014

NASCENTES, Antenor. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1955

NIETZSCHE, Friedrich. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe. Organizada por Giogio Colli e Mazzino Montinari. Berlin, New York: Walter de Gruyter, 1967-77. Tradução de Marcos Sinésio Pereira Fernandes e Francisco José Dias de Moraes. Publicada no Brasil como A vontade de poder. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008

PLATÃO. A República. Lisboa: Calouste Gulbekian, s/d

SPINOZA, Benedictus de. Ética. Trad. Tomaz Tadeu. Ed. Bilíngue latim/português. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2008

SPINOZA, Benedictus de. Tratado político. Tradução, introdução e notas de Diogo Pires Aurélio. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009

WHITMAN, Walt. Canção de mim mesmo. In: Folhas de Relva. São Paulo: Iluminuras, 2005

Arquivos adicionais

Publicado

2020-12-04

Como Citar

Bogéa, D., & Oliveira, M. F. T. de. (2020). Considerações sobre a ação como negociação. Aufklärung: Revista De Filosofia, 7(3), p.57–68. https://doi.org/10.18012/arf.v7i3.52011

Edição

Seção

Artigos